DOIS FILMES, DUAS LEGENDAS

salve, salve, minha atenta &t forte bloguesfera.

levantem a mão quem aí também anda assustando mais com tosses &t espirros alheios do que com taxas estaduais ou federais de veículos de passeio, ou os preços nas prateleiras dos mercados, ou as taxas de serviço. definitivamente, se o problema do Brëzyl fosse $$dinheiros$$, já teríamos taxado também alguns ítens essenciais da coleção pequeno-burguesa – aviões, helicópteros, lanchas e assemelhados.

longe de mim taxar grandes fortunas, ou talvez organizar uma correta divisão agrária, mas até que não seria má idéia viu?

no artigo de hoje, proponho uma pausa no que estava publicando por aqui, para lançar um olhar ao longe, a outra grande área do conhecimento humano: o Cinema. sim, porque a velha e boa Sétima Arte bebe demais da fonte textual – seja no momento inicial de um filme, o seu roteiro, seja no momento final dele, nas legendas.

eu mesmo, publico desde 2016 ((quando colecionei umas vinte obras)) minhas experiências de legendagem em filmes numa página do Opensubtitles.Org, que já tocou seus 3000 cliques de usuários, alguns deles agradecidos:

http://www.opensubtitles.org/pb/profile/iduser-4462889

além de manter viva minha atividade de ser audiovisual em perfil do Youtube.com desde 2006,

http://www.youtube.com/user/rodrigoliborio

mas o foco de hoje é a legendagem para filmes – mais uma especialidade do grande ramo da tradução – e vou aproveitar o presente artigo para demonstrar o processo.

os arquivos mais recentes que produzi chegaram até mim durante o advento da hecatombe cataclismática que está sendo o surto da SARs-Cov-2 – daqui em diante, referido como “Coroné Víruxxx”, pois aqui no Brëzylzão a cada segundo de cada dia que passa desde os 500 anos que o paíz foi declarado “Descoberto!”,
coronél mandou, nós obedece.

sim, pois é, isso mesmo: veio pela nuvem.
vieram.
os grandes rios que carregam informação ao redor desta Terra nada plana: a Internet, a velha e boa rede mundiais de computadores – daqui em diante, referida como “@internê”.

tava eu numa sala de bate-papo, fosse este artigo escrito quando bits &t bytes vinham pelas espiras metálicas das linhas telefônicas,
e que hoje equivale a dizer que lendo o feed de notícias de um grupo,
fechado ou público,
obrigatoriamente moderado,
na rede-anti-social de vossa preferência,
e o pessoal falou:

   “ – Manoel, já viste aquele stre@m de imagens &t sons síncronos,
com o Mick Jagger, e a Geri Hall, os dois vêm ao Brasil para gravarem um videoclipe?”

e ele,

   “ – Nossa, mano, nem!”

   “ – De 1985. Boa safra. Toma aqui este uébi-linque.”

daí eu vi. Além do Jagger, e da Geri Hall, tem o Dennis Hopper atuando como diretor do clipe – e eles interpretam eles mesmo.
do lado de cá do espelho,
melhor dizendo: da tela:
a produção do longa é do Marcos Flaksman, e é ele o principal responsável por amarrar participações tupiniquins ao longo da história – basicamente, o astro do roquenrou briga com todo mundo no trabalho, é raptado, feito escravo numa fazenda de bananas, enquanto o mundo inteiro pensa que perdeu o segundo Rolling Stoner.
são participações mais do que especiais,
a pura nata do creme,
o camarão do top-bud,
apenas o essêncials,
diria eu nestes tempos de Coroné-bem-antes-do-MMXXII:

Paulão César Peréio.

Norma Bengell.

Toni Tornado, Zé Dumond, Grande Otelo, o pai.
os três reis magos &t o Mick comendo o pouco do pão das mãos que o Otelão guardou,
senhoras &t senhores,
que cena!
e o que dizer de sir Mick Jagger, quando consegue escapar da hacienda, cai no meio da cidade,
parece ser Paraty,
adentra uma vendinha mais do que necessitado de usar as espiras metálicas de telefone de Graham Bell e avisar lá do outro lado do Oceano,
no Velho Continente,
que está bem, e vivo, e
sem um centavo no bolso,

e tentando provar que é ele que está ali na capa daquele disco, um único disco dos Stones entre todos os de estúdio e de coletânea lançados até o momento de Julio Iglesias?

eu assisti imediatamente assim que baixei. não tinha legenda. depois de assistir,
saí da sala de bate-papo,

   – Mentira!

saí do operador de rede anti-social de preferência e fui para @internê tentar achar uma legenda em português deste Brëzyl.

necas.

não tinha.

nenhuma,

em nenhum idioma.

a @nternê tem de tudo, mas não tinha uma linha de legenda para este filme.

depois de muito me torturar, eu resolvi aceitar a dura realidade. era a Mão Toda Poderosa da Providência da @Internê que falava comigo,

   “ – Sr usurário,
perdão!,
caro senhor usuário,
sim,
eu também acho que os bancos deveriam guardar apenas pilhas e baterias usadas,
mas agora ouça-me,
vou te falar,
apenas uma vez ouça-me bem:
se você está querendo tanto este arquivo,
você mesmo é quem vai ter que fazê-lo e colocar aqui para mim,

n
a
s

n
u
v
e
n
s

would you please?”

e daí eu fiz.
o grande temor era ter que pegar cada linha de fala e colocá-la nos seus devidos tempos. já pensei, depois de ter assistido pela terceira vez, “deve ser umas 600 linhas de legenda! estou perdido! vai ser muito trabalho”…
a última vez que tinha pego uma linha de legenda para fazer do zero foi com o Peter Greenaway e seu “Goltzius e a companhia pelicano” (2012).
e ali foi sofrido, foram quase 6 meses de batalha para as 1776 linhas de legenda, ao longo dos 128 minutos de duração.

aqui,
em coisa de 3 semanas,
compilei as 212 linhas de legenda, pinceladas em um filme de 89 minutos dividido em 8 atos.
fiz a versão em português do Brëzyl – logicamente que as falas em idioma local não legendei, mas deveria, por causa do público com deficiências – e coloquei neste uébi-linque:

https://www.opensubtitles.org/pb/subtitles/8950462/running-out-of-luck-pb

é uma loucura e uma honra topar legendar um filme. qualquer coisa envolvendo o Audiovisual é ao mesmo tempo uma loucura e uma honra, mas legendar é particularmente pior. você vai ter que assistir ao filme umas seis vezes pelo menos.

na primeira, você fica sabendo o contexto.
já senta, prepara uma primeira versão para o texto, coloca síncrono ao filme de novo.

na segunda, terceira e quarta vezes, você assiste para tirar algumas dúvidas do que pode estar fazendo.
posso dizer que o texto base já está pronto, e é aqui que está a porção do trabalho que tange a correção. que se estende até na

quinta vez que você assiste ao filme, porque as irregularidades insistem em aparecer: um acent ~ ^ ´ ` ou uma pontua . , : ? – ! ; ção pode ter ficado fora do lugar, ou ainda,
a duração entre uma linha de diálogo ou outra está errada, longas ou curtas demais.

de fato,
é a hora do trabalho de diagramação.

corrige tudo isso. diagrama as linhas, para não ficar uma fala com 5 ou seis linhas de diálogo – aquela coisa linda que toma o quadro todo.
e daí por fim,
assiste a 6a vez.
com o texto pronto.

para fazer todo este processo, uso um pequento netbook como editor de texto, deixando ali o arquivo original .sub em edição.
e um outro dispositivo,
digamos, pode ser um outro computador ou o próprio leitor de dvd,
para acessar o filme,
mostrando numa tela grande o filme.

é o problema dos Netflixxx. eu já disse para eles um sem número de vezes que não volto a assinar com eles, enquanto continuarem com aquela falha de traduzirem o you por você, ou tú, sendo que, em alguns contextos,
o you pode ser vocês,
particularmente com o Star Trek,
podem olhar,
o capitão Kirk nunca fala com a tripulação.
e isso, além de deixar o Kirk com jeito de macho-alfa que sofre de muito privilégio branco, empobrece o campo semântico do significado.
além de ser imperdoável pagar por um serviço que preza tão mal a norma culta da Língua.
de qualquer idioma da Torre de Babel inteira.

tenho certeza que o revisor deles é um estagiário que trabalha com apenas um dispositivo, e ele é móvel com telinha de 5 polegadas.

então,
só pra finalizar o que me trouxe ao Mick Jagger,
cavaleiro a serviço da Rainha Elizabeth,
eu que também me considero legítimo herdeiro dos Stones,
foi aí que fui olhar para a carreira solo do Mick.
tive uma péssima iniciação ao Mick com o “Freejack” (1992), mas ouvi dizer que seus personagens com as temáticas trans / não-binário são de doer a alma,

vide “Performance” (1970) e “Bent” (1997).

porque além dos 23 álbuns de estúdio que ele têm à frente das letras & dos vocais dos Rolling Stones, e cinco discos em carreira solo, contabiliza até o momento 14 participações em filmes de ficção de longa-metragem, como é o caso aqui neste “Running out of luck”, filme que vem para divulgar o primeiro long-play em carreira aparte dos Stoners, “She’s the boss” – – – além de 20 e tantos documentários, 1 mockumentário, 3 curtas-metragens e uma participação especial no programa da família Simpson, em 2002.

para o segundo filme,

pude traduzir a partir de uma versão em inglês as mais de 3000 linhas de diálogo para cada uma das duas partes do documentário – épico! – “Terra Natal: Iraque Ano Zero” (2015), com 334 minutos de duração divididos em duas partes.

facilita muito a legendagem se você já tem o texto com as durações da cada fala, os tempos de entrada e de saída corretos.
facilita também se você tem algum conhecimento do idioma original, e no caso aqui do “Homeland”, eu não falo nem uma linha do árabe.

Alá, salam aleikum, e jamel, no máximo.

daí você tem que se jogar com plena confiança de que o texto está realmente traduzindo o original.
e no caso aqui, tive a sorte de ter o mesmo texto em um segundo idioma – em espanhol – corroborando as idéias do primeiro texto – em inglês – sendo os dois fundamentais no processo de fundir este texto em um terceiro idioma: o português.

agora,
venhamos para aquela parte do lado de cá do espelho,
ou melhor dizendo,
e já dissemos antes,
ou escrevemos, não me lembro agora:
da tela.

“Terra Natal (Iraque ano Zero)” é um documentário. e documentários são jornais noticiários de uma realidade que aconteceu,
algum dia,
em algum lugar,
com algum povo.

o diretor tinha 22 anos quando voltou para casa,
com uma câmera de vídeo na mão e muitas idéias na cabeça depois de completar um curso de graduação em Audiovisual na faculdade de Sorbonne, na França.
Abbas Fahdel é um daqueles caras que têm nacionalidade dupla,
franco-iraquiano,
faz os dois combustíveis,
total flex,
carne ou vegetais.

e nesse momento que o jovem Abbas volta à sua Terra Natal,
é exatamente o momento em que George Diáblo Bush, o filho,
também privilegia atividades de seu governo em solo exterior, cheio de sangue nos olhos,
legítimo King Kong abatido em plena 2WTC Duas Torres.

a resposta de George Filho foi a invasão do Iraque. uma Coalizão dos EUA com Reino Unido, Austrália, e Polônia,
cupinchas,
todos donos de bancos, de petróleo,
e que sofrem de tanto privilégio branco quanto o velho e bom capitão James T. Kirk, que ainda nem nasceu mas já atravessa gerações.
a chegada da Guerra que este documentário retrata é uma guerra que dura até os dias de hoje.
começou em 2003, mas persististe,
insiste,
se alastra por todo o Oriente Médio,
lança tentáculos até Aleppo, até Damasco, até Istambul, até onde o Estado Islâmico tem minions.
e é tudo sujeira que levantou desde que abrimos o ralo e levamos embora o último tirano,
Saddam Hussein, ou o 5o. presidente do Iraque.
qual o próximo tirano?
porque a guerra ainda está no ar.

é o levantamento do diretor, que ficou uns seis anos filmando e desde 2008, montando este quebra-cabeças do seu entorno, lançando finalmente em 2015 o filme.
ele parte da família para ir para outras famílias e então ver a cidade. do seu próprio bairro para outros bairros, para então ir para outras cidades.
a primeira parte já está no ar, publiquei neste uébi-linque aqui:

https://www.opensubtitles.org/pb/subtitles/8960706/homeland-iraq-year-zero-pb

e a legendagem da segunda está nos finalmentes do prelo – só pude assisti-lo por 4 vezes, até agora.
é muito sofrimento.
o negócio da guerra,
e das perdas &t danos sem reparação que ela causa.
as pessoas deveriam ter nojo de pólvora.

se assistissem a este tipo de filme, teriam.

DOIS DISCOS, DUAS TRADUÇÕES

salve, salve minha apocalíptica & integrada blogue-esfera. todo mundo ainda se assustando com as tarifas da energia elétrica, ou já se convenceram que as coisas são assim? alguém arrisca a cor da próxima bandeira tarifária? eu chuto que agora a ANEEL vai usar as sete cores do arco-iris! e se não vai usar, deveria!

mais um Pílulas de Pérolas Literárias no ar, com a tradução de dois álbuns completos. dedico o artigo de hoje a celebrar a consciência feminina & negra na música universal: de um lado do ringue, o piano forte de Nina Simone, e no outro lado do ringue, a voz ronronante de Elza Soares, naquele trânsito costumeiro de inglês-português e também o sentido contrário, de português-inglês.

nascida na cidade do Rio de Janeiro, comunidade de Padre Miguel, em 23 de Junho de 1930 (ou 22 de Junho de 1937), em uma família de mais 9 irmãos, Elza Gomes da Conceição contraiu pela primeira vez matrimônio ainda aos 12 anos de idade, com Lourdes Antônio Soares (de quem assume o sobrenome, aos 18 anos), e tinha já seis filhos quado ficou viúva, aos 21 anos. começa sua trajetória na música desde muito cedo, compondo e cantando, e, quando o primeiro marido é acometido por tuberculose, cabe a Elza o papel de trazer dinheiro para casa, com ganhos do seu trabalho mutifacetado (cuidadora em asilo, contadora de fábrica, além de apresentações esporádicas em casas noturnas).

data da década de 1950s a sua primeira participação em rádio ao vivo, no programa “Calouros em desfile”, de Ary Barroso. nessa ocasião, chocou o apresentador com trajes simples e bem mais largos do que a pequena cantora, num vestido emprestado da mãe, alguns vinte quilos mais larga. “De que planeta você veio, minha filha?”, pergunta o célebre compositor de Aquarela do Brasil. “Do mesmo planeta que o senhor, seu Ary: do planeta fome”, foi a reposta de Elza – isto viraria o nome de seu 34o disco de estúdio, em 2019, “Planeta fome”, quando aproveitou a ocasião para repetir também o figurino que usou na ocasião, nas apresentações do disco, ao vivo. naquele dia, no prorama do seu Ary, quando Elza abre a boca para cantar “Lama”, vem aquele vozeirão grave e rouco que seria tão característico da cantora até os dias de hoje. os jurados do programa foram unânimes ao conceder nota máxima à jovem Elza, e Ary Barroso vaticinou: nascia uma estrela!

Em 1960, Elza é escolhida para trabalhar na rádio Tupi, e logo na seqüência, realiza sua primeira turnê internacional, excursionando pela América do Sul, América do Norte e Europa. Deve à amizade que tinha com outros gigantes da música tupiniquim, como Silvinha Telles e Moreira da Silva, as chances que teve para gravar fonogramas, que foram lançados em discos de vinil compactos, e sem nenhum grande glamor pelas gravadoras – a RCAVictor, por exemplo, desistiu de gravar o primeiro disco de Elza quando os executivos descobriram que ela tinha a qantidade certa de melanina na pele. a primeira oportunidade de Elza dentro de uma grande gravadora foi com a Odeon, para gravar “Se acaso você chegasse”.

é a partir disto que Elza alça vôo. ela até mesmo é convidada a representar o país na Copa do Mundo de Futebol de 1962. sua trajetória ficará marcada pela polêmica, pela dor e pela vitória, em altos-e-baixos que nunca vão deixar a cantora em paz – sintomaticamente, é muito semelhante ao que acontecerá ao Brëzyl, enquanto país & nação, pós 62.

atualmente, aos 91 anos de idade, Elza orienta sua produção pela santíssima trindade da resistência: o feminismo (“Você vai se arrepender de levantar a mão pra mim”), o antiracismo (“A carne mais barata do mercado é a carne negra”), e a antihomofobia.

amém, e obrigado mais uma vez, mestra Elza!

Pilão + raça = Elza (1977)

A01. LÍNGUA DE PILÃO (letras de Elza Soares)
Chorou
Quando deu meia-noite esse pobre menino chorou

1.
Galo cantou meia-noite no meio da plantação
Meu café só sai gostoso quando tiro do pilão
Negra da canela fina, preferida do feitor
Foi-se embora pra fazenda, três vinténs foi quem comprou
E o menino chorou

2.
Negro do pé espalhado, nunca foi trabalhador
Era muito respeitado, pois foi guia do feitor
Feiticeiro nhonhô

3.
Eu fui pau, chicote e pedra
Pedra, pó, chicote e pau
Eu rezava Ave Maria
Pedindo Agô pra livrar-me do mal
Jogando maculelê, congo, jongo, capoeira
Dia e noite, noite e dia, de segunda à sexta-feira

A02. ENREDO DE PIRRAÇA (letras de Elza Soares e Gerson Alves)
r1.
Esse nosso enredo ainda vai se acabar
Virando mais um samba popular
Esse nosso enredo ainda vai se acabar
Virando mais um samba popular

1.
Suas manias são partes
Da arte que Jesus lhe deu
Seu corpo, um estandarte
Que sempre desfilou no meu

2.
Você cria sempre um enredo
De briga pra fazer pirraça
Diz nosso amor é de boca
É de peito, é de raça

r2.
Esse nosso amor não tem mais jeito
Eu já estou amando seus defeitos
Esse nosso amor não tem mais jeito
Eu já estou amando seus defeitos

A03. ALDEIA DE OKARIMBÉ (letras de Aloísio / Cesar Veneno / Naval)
r.
A Inaê, Inaê, Iná, Iná

1.
Canta negro na aldeia
Muita fé, amor, esperança
Tem batuque a noite inteira
E todos entram na dança
Oferendas e magia
Rei dos reis, Obatalá
E também feitiçaria
Para o mal se afastar

2.
Odopiô Olorum
Para conservar minha vida
Qui zambi tiberolé
A felicidade sentida
Na aldeia de okarimbé
Que é lugar pra negro viver
Na aldeia de okarimbé
Que é lugar pa negro viver

A04. SOMBRA CONFIDENTE (letras de Gerson Alves)
1.
Meu coração é residência onde a santa
Paciência tem um quarto de perdão.
Meu peito é a porta dos meus atos, (ora)
Se aprendi corre um boato de morri de solidão.

r.
Trago a minha dor envelhecida,
Minha alma esquecida
Minha sombra confidente
E deixo na retina sua imagem
Da saudade sem coragem
De chorar em minha frente

A05. PERDÃO VILA ISABEL (letras de Elza Soares e Gerson Alves)
1.
Em toda serrinha reunida oferece ao samba
mais vida e aquece com amor os seus tamborins

2.
Faz do braço do seu violão estandarte
de amor e canção, é carnaval, por quê?

3.
Vou empunhar meu estandarte
defendendo a minha arte desfilando a vida inteira

4.
E não me leve a mal vila Isabel que desta vez
não tem Noel por mestre Silas de Oliveira

A6. PERDÃO, AMOR (letras de Jorge Aragão e Neoci Dias)
1.
Perdão, amor
Nem sei como foi acontecer
Eu que tinha 1000 razões pra ser
Tão fiel aos seus carinhos

2.
Perdão, meu bem
Tanto mal eu sempre lhe causei
E depois foi eu que errei
Em mudar nossos caminhos

r.
Hoje vivo só e sei por quê
Tudo se resume ao maldito ciúme
Que me roubou você

r2.
E não dei ouvidos à razão
Não, agora peço
Perdão, amor

B01. DE PANDEIRO NA MÃO (letras de João Roberto Kelly)
1.
Tá todo mundo se ligando no chorinho
Tá todo mundo dedilhando o bordão do violão
Já não se ouve tanto som envenenado
A garotada descobriu o amor no coração
Tá todo mundo se ligando no chorinho
Brasileirinho, de pandeiro na mão

r1.
Conheço um garotinho que é um rei nas 7 cordas
E uma menininha que na flauta dá um show
É a juventude descobrindo o que é nosso
Mostrando que a onda importada já passou

r2.
Chorinho que balanço que swing diferente,
Em cada baixaria, em cada solo a gente prova
Os de lá de fora que copiem nosso choro
Como copiaram a bossa nova

B02. SÓ TEM UM JEITO AGORA (letras de Roberto Neves)
1.
Ah!, te amo tanto
que o meu pranto
já secou de tanto soluçar

2.
Ah!, te esperei tanto
e o desencanto foi
demais para suportar

r.
Só tem um jeito agora,
é pedir a Deus para ter
amor por todo mundo
que por um só faz sofrer

3.
Hoje já estou mais ciente
que a vida que a gente quer
levar nos faz tão mal

4.
Pois porque vivi sofrendo
eu estava colhendo
o que plantei no coração

5.
Ah!, que feliz se dá a razão
que em teu coração
penetrou prá endurecer

6.
Eu apesar de sofrido
tirei logo partido
pra fazer uma canção

B03. AMOR AVENTUREIRO (letras de Mano Décio da Viola e Silas de Oliveira)
1.
Eu
inspiro a aventura
inspiro com loucura
ah!, Deus,
é inocente a criatura

2.
Ajudai-me
a esquecer
é um botão em flor
que jamais deveria ser
meu grande amor

r.
Não,
não deixes que a tentação
nem a loucura
venha
invadir meu coração
vem
embriagar a minha alma
daí, perdida toda a calma,
trago com som, ó criatura, a sedução

B04. COMPOSITOR (letras de Rildo Hora e Sérgio Cabral)
1.
Olhai não me olhe assim com horror
tá escrito no meu borderô,
o que eu sou é um compositor!

2.
Mas você quer me ver com o bico calado
tanto um meio abilolado
escravo olhando o senhor

3.
E daí que também não sou dom Quixote
eu quero entrar no garrote
fazer a torcida vibrar

4.
Mas você quer fazer eu plantar bananeira
mandando ficar na barreira
e vendo meu time apanhar

r1.
Se a cabeça
engolir
pela boca
vai sair

r2.
Você pode ter a certeza que estou desarmado
Só tenho aqui sete notas pra dar meu recado

B05. PREZADO AMIGO (letras de Rildo Hora e Sérgio Cabral)
1.
Prezado amigo, bom carioca,
Esta cidade que você abandonou
Está diferente, muito agitada
Não é aquela, por aqui tudo mudou

r1.
Mudaram lamas e a taberna
Foi derrubada por causa do metrô

r2.
Aquele verde combinando com o mar
aquece o vento e me faz chorar

2.
ó, doutor,
este meu bom carioca
quer o verde, o meu Rio de volta
que é pra gente poder viver

3.
Foram colocando
muita pedra no caminho
e levaram o vizinho
já não vejo o sol nascer
Levantaram um espigão!
Uau!

r4.
Ó, novamente
cantar seus valores
à maneira dos velhos cantores
isto um dia terá que ocorrer
quando mais tarde
se embalar pelo chorinho
E ao som do passarinho
faço um samba pra você

B06. SÓ UMA LÁGRIMA (letras de Acyr Pimentel)
1.
Só uma lágrima pode um sorriso
apagar
Só um sorriso pode uma lágima
enxugar

r1.
E é por isso que eu vou cantando assim
Eu não vejo tristeza diante de mim

r2.
Gosto de sorrir
Minha dor não demonstro a ninguém

r3.
Eu emano alegria
E só assim me sinto bem, muito bem

\\|//

SWIZZLE + RACE = ELZA (1977, versão rlalmeida @846r3 2021)

A01. SW1ZZL3 70N6U3

he cried
the clock ring mid-night, how much the little boy cried

1.
The rooster sang it was midnight in the amidts of the plantation
My coffee has good taste when came from the swizzle
The little slave with two thin shin was the favourite from the farmer
She had been sent way to another farm, three bucks it was the price
The little boy cried

2.
A negron with scattered feet, he did not like to do the work
He was very well respected, he was the guide from the farmer
A sorcerer nhonhô

3.
I already was staff, whip and stone
Stone, dust, whip and staff
I always pray to Holy Mary
Asking to Agô to deliver me from all the evil
I use to play maculelê, congo, jongo, capoeira
Day and night, night and day, from monday until friday

A02. PR4NK F48L3

r1.
This fable of ours still is going
To become another popular song

1.
His habits are all portions
From the art that Jesus gave him
His body is a ensign
That always walks into the mine

2.
You always create a fable
With struggle to make some prank
Says our love is only in the words
Is in the chest, is in the race

r2.
This love of ours is no more good
I am already in love with your flaws

A03. OK4R1M8É 5H1R3

r.
Oh, Inaê, Inaê, Iná, Iná

1.
Sings the slave into the shire
With lots of faith, love and hope
The percussion hits all night long
And everybody dances along
Offering and sorcery
To the King of the kings, Obatolá
We also cast some witchcraft
To ward off the evil

2.
Odopiô Olorum
Please keep me well and safe
Qui zambi tiberolé
Is the wellness we all feel
In the Okarimbé shire
Is a place where the negrons live
In the Okarimbé shire
Is where we let the negrons live

A04. C0NF1D3N7 5H4D0W
1.
My heart is the the residence where the holy
Pacience has a room for to forgive.
My chest is the door to all my acts (pray)
And if I have learned, the rumour is that I have died in loneliness

r.
I bring my agged pain,
My forgotten soul
My confident shadow
And keep into my eyes the image
Of all your longing and your spineless
In front of me you will not cry

A05. IS483L V1LL4G3, PL3453 D0N’7 L37 M3 83 M15UND3R5700D
1.
All the lowland is gathered, offering more life
To the samba, and warming with love their tambourines

2.
They made of the guitar neck’s their ensign
Is love and cancion, now is carnival, and why?

3.
I wield my ensign
I protect my art, in a parade trought out all life

4.
And please, Isabel Village, do not let me be misunderstood,
We have no more Noel left, neither master Silas de Oliveira

A6. F0R61V3 M3, MY L0V3
1.
Forgive me, my love
I still do not know how this happened
I had more than 1000 motives to be
So faithfull to your tenderness

2.
Forgive me, my dear
So much trouble I have always caused you
It was later I could to understand
I was wrong in changing our ways

r.
Now I live alone and know what it caused
Everything is fault by the goddam jealous
It has stolen you from me

r2.
And i could not listen to my mind
Oh, no!, and now I ask you to
Forgive me, my love

B01. DE PANDEIRO NA MÃO (João Roberto Kelly)

1.

Tá todo mundo se ligando no chorinho
Tá todo mundo dedilhando o bordão do violão
Já não se ouve tanto som envenenado
A garotada descobriu o amor no coração

Tá todo mundo se ligando no chorinho
Brasileirinho, de pandeiro na mão

r1

Conheço um garotinho que é um rei nas 7 cordas
E uma menininha que na flauta dá um show
É a juventude descobrindo o que é nosso
Mostrando que a onda importada já passou

r2.

Chorinho que balanço que swing diferente,
Em cada baixaria, em cada solo a gente prova
Os de lá de fora que copiem nosso choro

Como copiaram a bossa nova

B02. SÓ TEM UM JEITO AGORA (Roberto Neves)

1.

Ah!, te amo tanto

que o meu pranto

já secou de tanto soluçar

2

Ah!, te esperei tanto

e o desencanto foi

demais para suportar

r.

Só tem um jeito agora,

é pedir a Deus para ter

amor por todo mundo

que por um só faz sofrer

3.

Hoje já estou mais ciente

que a vida que a gente quer

levar nos faz tão mal

4.

Pois porque vivi sofrendo

eu estava colhendo

o que plantei no coração

5.

Ah!, que feliz se dá a razão

que em teu coração

penetrou prá endurecer

6.

Eu apesar de sofrido

tirei logo partido

pra fazer uma canção

B03. AMOR AVENTUREIRO (Mano Décio da Viola / Silas de Oliveira)

1.

Eu

inspiro a aventura

inspiro com loucura

ah!, Deus,

é inocente a criatura

2.

Ajudai-me

a esquecer

é um botão em flor

que jamais deveria ser

meu grande amor

r.

Não,

não deixes que a tentação

nem a loucura

venha

invadir meu coração

vem

embriagar a minha alma

daí, perdida toda a calma,

trago com som, ó criatura, a sedução

B04. COMPOSITOR (Rildo Hora / Sérgio Cabral)

1.

Olhai não me olhe assim com horror

tá escrito no meu borderô,

o que eu sou é um compositor!

2.

Mas você quer me ver com o bico calado

tanto um meio abilolado

escravo olhando o senhor

3.

E daí que também não sou dom Quixote

eu quero entrar no garrote

fazer a torcida vibrar

4.

Mas você quer fazer eu plantar bananeira

mandando ficar na barreira

e vendo meu time apanhar

r1.

Se a cabeça

engolir

pela boca

vai sair

r2.

Você pode ter a certeza que estou desarmado

Só tenho aqui sete notas pra dar meu recado

B05. PREZADO AMIGO (Rildo Hora / Sérgio Cabral)

1.

Prezado amigo, bom carioca,

Esta cidade que você abandonou

Está diferente, muito agitada

Não é aquela, por aqui tudo mudou

r1.

Mudaram lamas e a taberna

Foi derrubada por causa do metrô

r2.

Aquele verde combinando com o mar

aquece o vento e me faz chorar

2.

ó, doutor,

este meu bom carioca

quer o verde, o meu Rio de volta

que é pra gente poder viver

3.

Foram colocando

muita pedra no caminho

e levaram o vizinho

já não vejo o sol nascer

Levantaram um espigão!

Uau!

r4.

Ó, novamente

cantar seus valores

à maneira dos velhos cantores

isto um dia terá que ocorrer

quando mais tarde

se embalar pelo chorinho

E ao som do passarinho

faço um samba pra você

B06. SÓ UMA LÁGRIMA (Acyr Pimentel)

1.

Só uma lágrima pode um sorriso

apagar

Só um sorriso pode uma lágima

enxugar

r1.

E é por isso que eu vou cantando assim

Eu não vejo tristeza diante de mim

r2.

Gosto de sorrir

Minha dor não demonstro a ninguém

r3.

Eu emano alegria

E só assim me sinto bem, muito bem

Elza Soares já teve que substituir nos palcos Ella Fitzgerald, mas para o artigo de hoje escolhi celebrar outra gigante da música: Nina Simone! antes de atender por este nome, Nina nasceu Eunice Kathleen Waymon, em 21 de fevereiro de 1933, na cidade de Tryon, Carolina do Norte. Eunice também tinha muitos irmãos: ela é a sexta de oito filhos do casal Mary Kate + John Devan. ela começou a praticar o piano desde muito cedo – aos 4 anos de idade já tocava no coral da igreja de sua comunidade, e, aos 12 pôde fazer seu primeiro recital, ancorada na música clássica.

mais tade, Eunice aprimorou sua performance na Allen High School for Girls, na cidade de Ashville, e pôde passar o verão de 1950 estudando piano na Juilliard School, renomado reduto musical em Nova Iórque. o plano era estudar para tentar uma vaga no Instituto Curtis de Música, na Filadélfia. mas o plano deu errado, e Eunice teve que achar algo rentável para fazer com seu conhecimento nas 101 teclas.

Eunice virou professora particular de piano, ensinando em sua própria casa, ao mesmo tempo que mantinha seus estudos paralelos. em 1954, ela começou a tocar uma vez por semana, em um bar de Nova Jérsei. o dono insistia que ela cantasse e tocasse, o que contribuiu para aumentar seu salário e desenvolver o estilo que iria, dentro em breve, ressoar nos quatro cantos do globo. para tocar música profana ela criou sua outra persona – a “música do capeta”, ela sabia, não seria nunca aceita por sua mãe, nem pela sua família. nasce Nina Simone, que tocava uma mistura de música sacra e clássica, de jazz e blues. e o que era melhor: já contava com uma pequena, porém fiel, base de fãs.

Nina Simone grava o primeiro disco em 1959, “Little girl blues”, com a gravadora Bethlehem Records. por indicação de seu produtor, e primeiro marido, ela abriu mão dos direitos autorais por uma quantia de US3.000,00 – o que, na década  de 80, equivaleria a quase um milhão de doletas do Tio $am. na seqüência, Nina assina com a Coolpix Records, que exigia ter controle sobre o repertório dos discos. ela produz alguns ao vivo, e ainda mais dois de estúdio com a Coolpix, e não ligava de cantar música dos outros – é com este dinheiro das gravadoras que ela pôde continuar seus estudos com a nata do piano clássico. está no catálogo da Coolpix o terceiro album de estúdio, Forbidden Fruit (1961), foco deste artigo.

Nina Simone estava gerando muito caixa. os discos com gravações ao vivo foram sucesso de rentabilidade, e logo ali, em 1963 (já de marido novo, o detetive particular Andrew Stroud), ela assinaria com a Philips; a partir de 1967, firma contrato com a RCA, onde ficaria até sua morte, em 21 de abril de 2003, totalizando 19 álbuns de estúdio e 14 de apresentações ao vivo.

o quarto disco de estúdio só viria em 1964, “Broadway blues ballads”, e entre este hiato, mais três discos com gravações ao vivo. Nina era um furor, lotava casas pelo Greenwich Village e onde quer que se apresentasse. desde o começo, ela sempre fez questão de assinalar sua herança afro-americana – vide as músicas “Brown baby”, e “Zungo”. os anos com a Philips coincidem com a efervescência que passava o mundo VS os direitos humanos, e, em resposta a dois atentados que vitimaram civis, Nina escreve “Mississippi goddam” (ou “Os malditos do Mississippi”), a sua primeira música de protesto.

depois desta, viriam muitas outras. todo disco teria pelo menos uma faixa com o tema das relações entre as pessoas, e da desigualdade entre as pessoas. nas apresentações ao vivo, entre uma música e outra, Nina Simone fazia um improviso sobre o tema, o que às vezes gerava confusão e acabava com o clima das apresentações. a cantora participou ativamente dos encontros dos direitos civis, como nas marchas de Selma a Montgomery. amiga do pastor Martin Luther King, que pregava a resistência pela não violência, ela se sentia muito mais representada pela abordagem de Malcolm X e os Panteras Negras ao problema, ou seja: fogo nos facistas!

ao se lembrar destes dias, em sua autobiiografia (publicada em 2010), Nina Simone disse: “Me sentia mais viva naqueles dias do que nos dias de hoje, porque precisavam de mim, e eu podia cantar algo para ajudar a meu povo”.

Forbidden fruit (1961)

A01. RAGS AND OLD IRON (letras de Oscar Brown Jr.)
r.
Rags old iron, rags old iron
All he was buying was just rags and old iron

1.
I heard that old rag man now making his rounds
He came right to my alley lord with sorrowful sounds
Crying rags old iron and pulling his cart
Ask him how much he’d give me for my broken heart

2.
So I asked that old rag man how much he would pay
For a heart that was broken baby when you went away
For a burnt out old love light that no longer beams
And a couple of slightly used second hand dreams

3.
Whatever he would offer, i would hapilly take
For those big empty promises you used to make
For those memories of you that are no longer sweet
I wish he could haul them off down the street

4.
When the love doesn’t last tell me how much is it worth
It was once mama’s most precious possession on earth
When I asked that old rag man if he’d like to buy
He just shook his head and continued to cry

A02. NO GOOD MAN (letras de Irene Higginbotham, Dan Ficher, Sammy Gallop)
r.
No good man
Loving on a no good plan
Never treats me as he should
And that ain’t good
he’s always bringing me down

1.
He’s no saint
Heaven knows that’s what he ain’t
Spends his money foolishly
and not on me
I’m the one who gets the run around

2.
I ought to hate him
but still I love him so
Cos I require
love that’s made of fire
And in his arms I find
I always get that kind

r2.
No good man
Ever since the world began
there’s been other folks like me
Born to be in love
with a no good man

3 quase igual ao 2.
I ought to hate him
but still I love him so
Cos you see I require
love that’s made of fire
And in his arms I find
I always get that kind

A03. GIN HOUSE BLUES (letras de Henry Troy)
1.
Stay away from me
Because I’m in my sin
Stay away from me, everybody
Because i’m in my sin
If this joint is raided
Somebody get me my gin

2.
Don’t try me nobody
Because you will never win
Don’t try me nobody
Because you will never win
I’ll fight the army and navy
Somebody give me my gin

3.
When I am feeling high
I don’t have nothing to do
When i am feeling high
I don’t have nothing to do
Just fill me of good licor
I will shure be nice to you

4.
Any bootlegger
Show him a pal of mine any old time
Any bootlegger
Show him a pal of mine
Because a good bottle of gin
Will get it everytime

5.
Lord, I don’t want no clothes
I don’t even want no bed to lay my head
I don’t want no clothes
I don’t even want no bed to lay my head
I don’t want no pork chops and greens
Just give me gin instead

A04. I’LL LOOK AROUND (letras de Douglas Cross)
1.
I’ll look around
And when I’ve found me somebody who laughs like you
I know somewhere spring
must fill the air with sweetness
Just as rare as a flower that you gave me to wear

2.
So I’ll look around
Sweetheart and when I’ve found me somebody
Somebody who laughs like you
I’ll know this love that I’ve been dreaming of
And it won’t be the old love that I always knew

A05. I LOVE TO LOVE (letras de Herbert Baker)
1.
I love to love
What plenty of love each night
Say I love to love
it’s so good it can’t be right

1b.
I don’t want a man with Harvard of Yale degrees
Because I don’t intend to play information please
Just squeeze me or baby you gonna freeze me
You’ve got to Romeo me, make feel like I’m Salomè

2.
Don’t want a man to sit there and talk too much
I just need a guy with a Frank Sinatra touch
Cos I’m tired of all the times I felt
Like a piece of butter about to melt

2b.
I wanna press your lips against mine
I wanna feel lightning tickle my spine
I want what there can never to be too much of
Yes, I love to love

3.
Just squeeze me
or baby you gonna freeze me
When the iron is hot strike it
Hold me I like it I like it

3b.
Don’t want a man to sit there and talk too much
I just need me a guy with a Frank Sinatra touch
Just build me an earthquake as fast as you can
I got me a hobby and my hobby is men
He’s what I intend to build my collection of
Because I love to love

B01. WORK SONG (letras de Oscar Brown Jr.)
1.
Breaking rocks out here on the chain gang
Breaking rocks and serving my time
Breaking rocks out here on the chain gang
Because they done convicted me of crime
Hold it steady right there while I hit it
Well, I reckon that ought to get it

r.
Been
Working and working
But I still got so terribly far to go

2.
I commited crime Lord I needed
Crime of being hungry and poor
I left the grocery store man bleeding (breathing?)
When they caught me robbing his store
Hold it steady right there while I hit it
Well, i reckon that I ought to get it

3.
I heard the judge say five years
On chain-gang you gonna go
I heard the judge say five years labor
I heard my old man scream “Lordy, no!”
Hold it right there while I hit it
Well reckon that ought to get it

4.
Gonna see my sweet honey bee
Gonna break this chain off to run
Gonna lay down somewhere shady
Lord I sure am hot in the sun
Hold it right there while I hit it
Well I reckon that ah ought to get it

r2.
Been
Workin’ and workin’
Been
Workin’ and slavin’
An’
Workin’ and workin’
But I still got so terribly far to go

B02. WHERE CAN I GO WITHOUT YOU (letras de Peggy Lee)
1.
I went to London town to clear up my mind
Then on to Paris for the fun I could find
I found I couldn’t leave my memories behind
Where can I go without you

2.
Tried seeing Singapore that wouldn’t do
So I went Vienna but I found you there too
Even in Switzerland your memory came through
Where can I go without you

r.
I wanted to travel and I wanted romance
So I just took off and chased my rainbow across the sea
But it’s all over I’m tired of faces and quaint old places
Baby if you won’t be there with me

3.
Back on the boat again farewell to France
So long West Germany it hasn’t got a chance
I’ll trade the sides I’ve seen for one loving glance
Where can I go without you

B03. JUST SAY I LOVE HIM (versão para “Dicitencello vuje”, da dupla Rodolfo Falvo e Enzo Fusco. Adaptação em inglês de Sam Ward e Marin Kalmanoff)
1.
Just say that I need him as roses need the rain
And tell him that without him my dreams are all in vain

2.
Just say I love him, loved him from the start
And tell him that I’m yearning to see what’s in my heart

r1.
If you should chance to meet him anytime, anyplace, anywhere
Say I was a fool to leave him, Tell him how much a fool can care

r2.
And if he tells you he’s lonely now and then
Just won’t you tell him that I love him, and want him back again

r3.
If you should see him anytime anyplace anywhere
Tell him I was a fool to leave him, tell him how much a fool can care

3.
And if he tells you he’s lonely now and then
Won’t you just say I love him and want him back again

B04. MEMPHIS IN JUNE (letras de Paul Francis Webster)
1.
Memphis in June
A shade veranda under Sunday blue sky
Memphis in June
And my cousin Miranda she’s making a blueberry pie

r.
I can see the clock outside a ticking and a tocking
Everything so peaceful and dandy
I can see my grandmama ‘cross the street still a rocking
Watching all the neighbours go by oh my

2.
Memphis in June
Sweet oleander
blowing perfume in the air everywhere
Up jumps the moon to make it so much grander
It’s paradise honey take my advice honey
Cos there’s nothing like old Memphis in June

B05. FORBIDDEN FRUIT (letra de Oscar Brown Jr)
1.
Eve and Adam had a garden everything was great
Till one day a boy says pardon Miss my name is snake
See that apple over yonder if you’ll take a bite
You and Adam both are bound to have some fun tonight

r1.
Go on and eat forbidden fruit
It’s mighty sweet forbidden fruit
It’s quite a treat forbidden fruit
Go ahead and taste it you don’t wanna waste it

2.
The Lord had said in the beginning everything is free
Except that apple that leads to sinning so let that apple be
But Eve got tempted so she tried it and as all chicks do
Teaser her man till he decided he’d just try some too

r2.
Go on and eat forbidden fruit
It’s mighty sweet forbidden fruit
It’s quite a treat forbidden fruit
Go ahead and bite it I bet you’d be delighted

3.
I hate to tell you all what followed the Lord was most upset
Saw them making love and hollered what have you to add
And when they made a full confession the Lord said “hm I see
I guess I’ll have to teach you a lesson about not minding me”

r3.
Go on and eat forbidden fruit
It’s mighty sweet forbidden fruit
It’s quite a treat forbidden fruit
You’re all indebted now you gonna get it

4.
The Lord made Eve Adam’s madam have his kids and all
Placed some labour laws on Adam and he made the snake to fall
Ever since the days of Eden folks been sinful my
Nowadays they’re even eating apples in their pie

r4.
Go on and eat forbidden fruit
It’s mighty sweet forbidden fruit
It’s quite a treat forbidden fruit
Go ahead and taste it you don’t wanna waste it
Oh go ahead and bite it I bet you’d be delighted
You always did it now you’ll gonna get it
Forbidden fruit

\\|//

FRUTO PROIBIDO (1961, versão rlalmeida @846r3 2021)

A01. 7R4P05 & QU1NQU1LH4R145
r.
Farrapos e ferro velho, farrapos e ferro velho
Ele comprava apenas farrapos e ferro velho

1.
Ouvi quando o homem da reciclagem começou sua ronda
E entrou no meu beco, meu Deus, com sua voz cavernosa
Gritava “Farrapos e ferro velho”, e puxando uma charrete
Perguntem-lhe quanto que vale meu coração partido

2.
Perguntei-lhe quanto a reciclagem pagaria
Por meu coração que se quebrou quando você foi embora
Por uma antiga chama de amor que não brilha mais nada
E alguns sonhos de segunda mão pouco usados

3.
Não importa quanto ele pagasse eu aceitaria de bom grado
Aquelas promessas vazias que você me fazia
Aquelas memórias que sobraram não traziam mais alegria
Ia ser um alívio se ele as arrastasse para fora

4.
Se o amor já acabou, quanto será que ele durou?
Isso já foi meu bem mais precioso em toda vida
Daí perguntei se ele não ia comprar
Ele balançou a cabeça e continuou a gritar

A02. NÃ0 É UM H0M3M 80M
r.
Não é um homem bom
Amando em um plano nada bom
Não me trata como deveria
E a pior parte disso tudo
É que sempre me faz sentir mal

1.
Ele não é um santo
E os céus sabem que disso ele está bem longe
Gasta o dinheiro em besteiragens
E nunca comigo
Sou sempre eu quem pede desculpas

2.
Só podia odiá-lo
Mas ainda o amo demais
Entenda-me, eu preciso
Do amor que é feito do fogo
E nos braços dele encontro
Eu sempre tenho deste tipo

r2.
Não é um homem bom
Desde que o mundo começou
Já teve outras pessoas com o mesmo problema
Que nasceu para se apaixonar
Por um homem que não é bom

3 quase 2.
Só podia odiá-lo
Mas ainda o amo demais
Já me entendeu, eu preciso
Do amor que é feito do fogo
E nos braços dele encontro
Eu sempre tenho deste tipo

A03. BLU35 D4 M3RC34R14
1.
Longe de mim
Estou com o diabo no corpo
Longe de mim, todo mundo,
Estou com o diabo no corpo
Se esta pocilga for invadida
É bom que alguém encha o meu copo

2.
Melhor ninguém me tentar
Não vai ter como ganhar
Melhor ninguém me tentar
Não vai ter como ganhar
Já bati exércitos e marinhas
É bom que alguém encha o meu copo

3.
Quando eu estou alta
Não tenho mais nada a fazer
Quando eu estou alta
Não tenho mais nada a fazer
É só me servir boa bebida
Que eu vou ser legal com você

4.
Qualquer muambeiro das antigas
Vai ser muito meu amigo
Qualquer muambeiro
Vai ser muito meu amigo
Porque um bom litro de gin
Sempre tem seu momento

5.
Deus, não quero roupas
E nenhuma cama para descansar a cabeça
Não quero roupas
E nenhuma cama para descansar a cabeça
Não quero nenhuma carne nem legumes
Só me dê meu gin que tudo fica bem

A04. V0U PR0CUR4R
1.
Vou procurar
E quando achar esse alguém que ri que nem você
Eu sei que em algum lugar a Primavera
Preenche o ar com doçuras
Quase tão raras quanto as flores que me fez vestir

2.
E eu vou procurar, e
Meu bem, quando achar esse alguém
Que ri que nem você
Vou reconhecer este amor, que é o que sempre quis ter
E não vai ser o velho amor que eu já tive

A05. AM0 0 4M4R
1.
Eu amo o amar
Quanto amor toda noite
Diga que ama o amar
É bom demais para ser verdade

1b.
Não quero um homem formado em Yale nem Harvard
Porque não quero bincar de informações
É só me apertar, neném, senão vou congelar aqui
Pode se fazer de meu Romeu, eu vou me sentir sua Salomè

2.
Não quero um homem pra se sentar e falar até cansar
Só quero um rapaz que lembre um pouco do Sinatra

Don’t want a man to sit there and talk too much

I just need a guy with a Frank Sinatra touch

Cos I’m tired of all the times I felt

Like a piece of butter about to melt

2b.

I wanna press your lips against mine

I wanna feel lightning tickle my spine

I want what there can never to be too much of

Yes, I love to love

3.

Just squeeze me

or baby you gonna freeze me

When the iron is hot strike it

Hold me I like it I like it

3b.

Don’t want a man to sit there and talk too much

I just need me a guy with a Frank Sinatra touch

Just build me an earthquake as fast as you can

I got me a hobby and my hobby is men

He’s what I intend to build my collection of

Because I love to love

B01. WORK SONG (letras de Oscar Brown Jr.)

1..

Breaking rocks out here on the chain gang

Breaking rocks and serving my time

Breaking rocks out here on the chain gang

Because they done convicted me of crime

Hold it steady right there while I hit it

Well, I reckon that ought to get it

r.

Been

Working and working

But I still got so terribly far to go

2.

I commited crime Lord I needed

Crime of being hungry and poor

I left the grocery store man bleeding (breathing?)

When they caught me robbing his store

Hold it steady right there while I hit it

Well, i reckon that I ought to get it

3.

I heard the judge say five years

On chain-gang you gonna go

I heard the judge say five years labor

I heard my old man scream “Lordy, no!”

Hold it right there while I hit it

Well reckon that ought to get it

4.

Gonna see my sweet honey bee

Gonna break this chain off to run

Gonna lay down somewhere shady

Lord I sure am hot in the sun

Hold it right there while I hit it

Well I reckon that ah ought to get it

r2.

Been

Workin’ and workin’

Been

Workin’ and slavin’

An’

Workin’ and workin’

But I still got so terribly far to go

B02. WHERE CAN I GO WITHOUT YOU (letras de Peggy Lee)

1.

Fui até Londres para clarear minha cabeça

Depois para Paris para ver se era mesmo uma festa

Então descobri que é impossível deixar para trás as suas lembranças

Onde estaria sem você

I went to London town to clear up my mind

Then on to Paris for the fun I could find

I found I couldn’t leave my memories behind

Where can I go without you

2.

Tentei ir para Cingapura, mas não achei nenhum vôo

Então fui para Vienna, e você estava lá também

Até mesmo na Suíça sua lembrança me apareceu

Tried seeing Singapore that wouldn’t do

So I went Vienna but I found you there too

Even in Switzerland your memory came through

Where can I go without you

r.

I wanted to travel and I wanted romance

So I just took off and chased my rainbow across the sea

But it’s all over I’m tired of faces and quaint old places

Baby if you won’t be there with me

3.

Back on the boat again farewell to France

So long West Germany it hasn’t got a chance

I’ll trade the sides I’ve seen for one loving glance

Where can I go without you

B03. JUST SAY I LOVE HIM (versão para “Dicitencello vuje”, da dupla Rodolfo Falvo e Enzo Fusco. Adaptação em inglês de Sam Ward e Marin Kalmanoff)

1.

Just say that I need him as roses need the rain

And tell him that without him my dreams are all in vain

2.

Just say I love him, loved him from the start

And tell him that I’m yearning to see what’s in my heart

r1.

If you should chance to meet him anytime, anyplace, anywhere

Say I was a fool to leave him, Tell him how much a fool can care

r2.

And if he tells you he’s lonely now and then

Just won’t you tell him that I love him, and want him back again

r3.

If you should see him anytime, anyplace, anywhere

Tell him I was a fool to leave him, tell him how much a fool can care

3.

And if he tells you he’s lonely now and then

Won’t you just say I love him and want him back again

B04. MEMPHIS IN JUNE (letras de Paul Francis Webster)

1.

Memphis in June

A shade veranda under Sunday blue sky

Memphis in June

And my cousin Miranda she’s making a blueberry pie

r.

I can see the clock outside a ticking and a tocking

Everything so peaceful and dandy

I can see my grandmama ‘cross the street still a rocking

Watching all the neighbours go by oh my

2.

Memphis in June

Sweet oleander

blowing perfume in the air everywhere

Up jumps the moon to make it so much grander

It’s paradise honey take my advice honey

Cos there’s nothing like old Memphis in June

B05. FORBIDDEN FRUIT (letra de Oscar Brown Jr)

1.

Eve and Adam had a garden everything was great

Till one day a boy says pardon Miss my name is snake

See that apple over yonder if you’ll take a bite

You and Adam both are bound to have some fun tonight

r1.

Go on and eat forbidden fruit

It’s mighty sweet forbidden fruit

It’s quite a treat forbidden fruit

Go ahead and taste it you don’t wanna waste it

2.

The Lord had said in the beginning everything is free

Except that apple that leads to sinning so let that apple be

But Eve got tempted so she tried it and as all chicks do

Teaser her man till he decided he’d just try some too

r2.

Go on and eat forbidden fruit

It’s mighty sweet forbidden fruit

It’s quite a treat forbidden fruit

Go ahead and bite it I bet you’d be delighted

3.

I hate to tell you all what followed the Lord was most upset

Saw them making love and hollered what have you to add

And when they made a full confession the Lord said “hm I see

I guess I’ll have to teach you a lesson about not minding me”

r3.

Go on and eat forbidden fruit

It’s mighty sweet forbidden fruit

It’s quite a treat forbidden fruit

You’re all indebted now you gonna get it

4.

The Lord made Eve Adam’s madam have his kids and all

Placed some labour laws on Adam and he made the snake to fall

Ever since the days of Eden folks been sinful my

Nowadays they’re even eating apples in their pie

r4.

Go on and eat forbidden fruit

It’s mighty sweet forbidden fruit

It’s quite a treat forbidden fruit

Go ahead and taste it you don’t wanna waste it

Oh go ahead and bite it I bet you’d be delighted

You always did it now you’ll gonna get it

Forbidden fruit

DOIS DISCOS, DUAS TRADUÇÕES

salve, salve, minha atenta & silenciosa bloguesfera.

mais um Pílulas de Pérolas Literárias no ar. no artigo de hoje, celebro o aniversário de um álbum quadragenário, e brinco com o experimentalismo tupiniquim dos dias de hoje, nas costumeiras versões do idioma inglês para o português e sua contra-parte português-inglês.

nascido Octavio Francisco de Paula Neto em 21 de Maio de 1975, na nada bagunçada Bragança Paulista (SP), a terra da lingüiça, Octavio teve uma extensa formação na cena cultural brasileira até adotar o codinome Tatá Aeroplano. seu primeiro disco é auto-intitulado, lançado somente em 2012 (até o momento, já são cinco). porém entretanto contudo e todavia, Aeroplano também está naquela lista de artistas que, com a chegada da digitalização, pode ver seu trabalho impresso e circulante: data do longínquo ano de 2003 sua primeira banda, os Cérebro Eletrônico, escola que o colocou na lida dos palcos, de Bragança para o Mundo.

definitivamente, não há como compreender os rumos da atual música brasileira sem passar por este canta-autor e suas influências / afluências, que vão desde Barbara Eugênia até Alfredo Bello, o Dj Tudo.

exímio compositor e letrista, Aeroplano cria personagens e dedica-lhes discografias próprias (como no caso de Frito Sampler).

do primeiro disco, o que salta aos olhos e enche os ouvidos são as letras rebuscadas: Aeroplano não se envergonha em fazer citações filosóficas (como mencionar Jean Paul Sarte logo na faixa que abre o disco, ou ainda, lá para o final, confessar ser um “feminista triste”) ; longe de ser cerebral e politicamente correto, seu tema é o cotidiano e casual. ele descreve uma briga de casal, detalhando o prazer que o namorado sentiu ao espancar a namorada em plena balada na rua Augusta; e ainda, brinca com correntes da poesia contemporânea, ao pegar uma frase simples (“Corra o risco”) e, a cada parágrafo da música, adicionar uma palavra a mais ao verso final, criando uma canção que extrapola sensações.

não é por acaso que sugiro a dobradinha deste artigo entre Aeroplano e Robert Allen Zimmerman. pai e filho com o mesmo signo zodiacal, talvez, separados pelos trópicos?

e agora,

vamos ao disco!

TATÁ AEROPLANO (2012)

01. SARTRIANA (letras de Leo Cavalcanti &t Tatá Aeroplano)

1.
Pobrezinha
Chora em segredo
Dentro do seu quarto
Aparenta
Alegria plena
Falsa de dar dó
Sartriana
Da boca pra fora
Vive reprimida
Sua vida
Se reduz a orgia
Embalada a pó

r.
Eu quero ver você feliz de novo
Eu quero ver você feliz mais uma vez

2.
Exibida
Vive bem vestida
Cheia de boas intenções
Distraída
Trai a si mesma
Pois só vende falsas impressões
Sacrifica
Em prol dos seus contras
Sua essência interior
E é vista
Como uma artista
Que desperdiça os seus dons

2. PERIGAS CORRER (letras de Tatá Aeroplano)
1.
Corro o risco de correr
Corro o risco de correr
Corro o risco de correr, o risco

2.
Corro o risco de amar
Corro o risco de correr
corro o risco de correr o risco de amar

3.
corro o risco de sofrer
corro o risco de correr
corro o risco de correr o risco de amar e sofrer

4.
corro o risco outra vez
corro o risco de correr
corro o risco de correr o risco de amar e sofrer outra vez

5.
corro o risco por você
corro o risco de correr
corro o risco de correr o risco de amar e sofrer outra vez por você

r.
Mas mesmo assim vou correr o risco
Correr, correr, correr, correr… eu vou.

03. PAR DE TAPAS QUE DOEU EM MIM (letras de Tatá Aeroplano)
1.
Por quê?
Naquela quinta-feira de agosto
A gente se pegou na porrada
Bem no meio da Augusta
Em frente ao Ecléticos Club
Em meio aos freaks da Night

2.
Você quis acabar de uma vez por todas comigo
Pra isso precisou de algumas doses de absinto
Me xingou de todos os nomes
Me agrediu verbalmente
E da minha parte só escutou, só escutou
Você não passa de uma vadia burguesa

3.
Dois tapas me deu e depois sumiu
Mas não o suficiente para arrumar mais confusão
Eu bem doido com a cabeça totalmente aérea
Quase fui me embora com uma garota que tinha nome de flor
Mas você viu e colou e colou, colou… colou

Me ofereceu um último trago
Bebemos, calamos, sentamos
Numa trégua inexplicável
Decidimos ir silenciosamente
Mas no meio da rua você surtou
Gritou e virou e me disse:
Rapaz, eu preciso te largar
Você pra mim é um vício e me faz muito mal
Eu concordei, eu assenti, indiferente
Então você explodiu

Mais dois tapas me deu e partiu pra cima na pancada
Eu só me defendendo não aguentei e te dei um beijo
Você baixou a guarda, me agarrou com força
Num momento sublime
Meu rosto arranhado, marcado, manchado de sangue e suor

Bem no meio do beijo eu ainda tive a manha de me achar vitorioso
Maluco que sou eu achei, eu achei que finalmente estava tudo sob controle.
Um tapa, você voltou a me bater
Do nada você voltou a me bater
Tomei tantas na cara que não deu não deu não deu
E eu respondi
Te dei um par de tapas que doeu, doeu em mim
Te dei um par de tapas que doeu, doeu, doeu em mim

No meio da rua, no meio do povo louco
E algumas gurias vieram para tirar satisfação
E alguns rapazes vieram já para descer porrada
E algumas gurias vieram para tirar satisfação
E alguns rapazes vieram já na base da porrada
Sobrou até pra menina que tinha nome de flor
Sobrou, sobrou, porrada, porrada, porrada

Não sei como, não me lembro mas a gente fugiu dali
Totalmente desapercebidos
Dois assustados e doidos
Enquanto o pau lá atrás comia solto
Inacreditavelmente você me deu a mão chorando
Descemos a Augusta, dobramos a esquerda
com a minha casa perto

Deixamos o carro pra trás, deixamos o orgulho também
Simplesmente sem vergonhas
Não tínhamos mais nada pra dizer a respeito
Não tínhamos mais nada para fazer a respeito
Não tínhamos mais nada pra pensar a respeito
Então transamos

04. UM TEMPO PRA NÓS DOIS (letras de Tatá Aeroplano)
1.
Tenho medo de me deitar com você
Tenho medo de te dizer “eu te amo”
Tenho medo de parecer pentelho
Se eu pedir um beijo, se eu pedir seu peito, se eu pedir arrego
Se eu me deitar com outra talvez você vá me compreender
Eu tenho desejos, eu também fraquejo, as vezes não presto

r.
Então vou pedir com calma please
Um tempo pra nos dois,
Vamos sentir saudades sim
Talvez voltar depois
no tempo incerto
Pode ser daqui á um tempo

2.
Tenho medo de me deitar com você
Tenho medo de te dizer “eu te amo”
Tenho medo de parecer careta
Se eu tiver ciúmes, não estou imune, estou inseguro
Se eu me deitar com outra talvez você vá me condenar
Eu tenho desejos, eu também fraquejo, as vezes não presto
Não.

05. TUDO PARADO NA CITY (letras de Tatá Aeroplano)
1.
Tudo parado na city
Mais uma marcha no ar
Pessoas baratinadas
Não sabem se vão voltar

2.
Tudo parado na city
Mais uma chuva no ar
Pessoas baratinadas
Não sabem se vão chegar

r.
Pro cine
Ela não vai chegar ao cine
Ela não vai

3.
E o cine fechado
E o caos anunciado
Pelos livros sagrados
dos maias
Dos loucos
Dos lobos
Dos touros

r2.
Eu acredito
na existência
do amor
Da dor
Do sol
Do som

06. UMA JANELA ABERTA (letras de arrudA &t Tatá Aeroplano)
r.
Uma janela aberta

1.
Manhã
Me bate uma saudade
De te ver sã
E salva nessa
cidade
Onde mora
o outono
Nos jornais de

2.
Domingo
Espalhados
no chão
Onde mora esse homem
Que já morreu
em mim
Meu pai
Meu irmão

3.
Memória
Onde moram os
pássaros
Antes do
amanhecer

07. TE DESEJO MAS TE REFUTO (letras de Tatá Aeroplano)
1.
Passei a noite em claro
Pensando em você
Em como poderia ser
Se fosse diferente,
se a gente simplesmente
assumisse
Os nossos erros,
os nossos erros,
os nossos erros
Ninguém deu o braço a torcer
Ficou por isso mesmo

r1.
Toda vez que eu te encontro
É claro que eu sinto um frio
Quando você me abraça
Quando você quer me beijar
Minha alma estilhaçada
Num instante se refaz

r2.
Eu te desejo,
mas te refuto
Eu sei que você não ta bem
E eu te quero muito bem
Mas acabou.

2.
Então me abraça, me devora
Pela ultima vez
Então me beija, me executa
Pela ultima vez
Que daqui pra frente
Você comigo,
não tem mais vez
Não tem, não tem,
não tem, não.

08. MACHISMO ÀS AVESSAS (letras de Tatá Aeroplano)
1.
Sou uma presa fácil nessa jungle freak
Elas tomaram conta da minha ego trip
Garotas saem pra caçar no melhor estilo sex and the city
Os garotos se reúnem para chorar:
r1.
As pitangas pelas garotas
que saem para caçar

r.
É um machismo às avessas
Sou um feminista triste

2.
Tenho medo de sair sozinho
E a acabar na cama de madmoiselle marchand
Passo as noites em claro escutando no repeat, “coffee and tv”
Dispensando as chamadas da miss abril
r2.
Doce, doce, doce ilusão
De que está tudo sob controle

r.
É um abismo aos meus pés
Estou a mercê das feras

3.
Ah, ah, ah eu sou queria
Uma guria pra passar meus dias

09. NIGHT PURPURINA (letras de Tatá Aeroplano)
r1.
Numa badtrip retrô você deslumbrou e me disse
Quero ser rica e famosa como a Brigite
1.
Desde então você finge que não é com você
Desviando os seus olhos para baixo
Quando eu te encaro

r2.
Numa night purpurina você desandou e me disse
Quero ser louca e polêmica como a Amy

2.
Desde então você vive jogada por aí
Desperdiçando o seu tempo com poetas
beatniks

3.
Por isso, desbunda, meu amor
Olha o que a vida pode dar
Que a vida pode ser melhor
Por isso, deslumbra, meu amor
Olha o que a vida pode dar
Que a vida pode ser melhor
Do que isso
Vai, desanda meu amor
Olha o que a vida pode dar
Que a vida pode ser maior
Maior que a montanha
Maior a esperança
Melhor que a alegria
Melhor, viva a vida
Melhor, bem melhor!

10. CÃO SEM DONO (letras de Tatá Aeroplano)
1.
Não posso,
admito
Sou um perdido sem noção
Entregue,
embriagado
Sou cão sem dono e sem razão
r1.
Vivo num quarto de pensão
Que eu alugo dos meus pais
Só janto bem depois das dez
Pra não ter que encarar ninguém
Eu varo a noite vou além

2.
Do que eu posso,
admito
Sou um perdido sem noção
Entregue,
embriagado
Sou cão sem dono e sem razão
r2.
Vivo num quarto de pensão
Abandonado ao Deus dará
Que Deus se renda em mim menor
Se pá ela vem me buscar
Com um beijo, certeiro

3.
Do anjo exterminador
Sou alvo,
perfeito
Eu sou do contra eu sou do não
r3.
Vivo num quarto de pensão
Que eu alugo dos meus pais
Só janto bem depois das dez
Pra não ter que encarar ninguém
Eu varo a noite vou além
Do que eu posso

\\|//

TATA BIGPLANES (2012, versão rlalmeida @846r3 2021)

TATA BIGPLANES (2012)

01. S4R7R14NN3

1.
So poor of her
Crying and no one sees her
Inside of her bedroom
She appears to
Have plenty of joy
So fake that makes you ache
She is Sartrianne
Only while she is speaking
She lives restrained
And her life
Is nothing but orgies
Craddled in blow

r.
I want to see you happy once again
I want to see you happy for one more time

2.
She is not curbed
She is very well dressed
Filled with good intentions
She is distracted
She betrays herself
She sells only fake impressions
She sacrifice
In favor of her cons
Her inner essencies
She is seen
To have some artistry
Wasting all of her own gifts

02. T4K3 7H3 R15K

1.
I take the risk for running
Take the risk for running
Take the risk for running, the risk

2.
I take the risk of loving
Take the risk for running
Take the risk for running, the risk of loving

3.
I take the risk of suffering
Take the risk for running
Take the risk for running, the risk of loving and suffering

4.
I take the risk for one more time
Take the risk for running
Take the risk for running, the risk of loving and suffering one more time

5.
I take the risk for you only
Take the risk for running
Take the risk for running, the risk of loving and suffering one more time for you only

r.
And tought, still I am going to take the risk
To take, to take, to take the risk…I am.

03. PAR DE TAPAS QUE DOEU EM MIM
1.

Por quê?

Naquela quinta-feira de agosto

A gente se pegou na porrada

Bem no meio da Augusta

Em frente ao Ecléticos Club

Em meio aos freaks da Night

2.

Você quis acabar de uma vez por todas comigo

Pra isso precisou de algumas doses de absinto

Me xingou de todos os nomes

Me agrediu verbalmente

E da minha parte só escutou, só escutou

Você não passa de uma vadia burguesa

3.

Dois tapas me deu e depois sumiu

Mas não o suficiente para arrumar mais confusão

Eu bem doido com a cabeça totalmente aérea

Quase fui me embora com uma garota que tinha nome de flor

Mas você viu e colou e colou, colou… colou

Me ofereceu um último trago

Bebemos, calamos, sentamos

Numa trégua inexplicável

Decidimos ir silenciosamente

Mas no meio da rua você surtou

Gritou e virou e me disse:

Rapaz, eu preciso te largar

Você pra mim é um vício e me faz muito mal

Eu concordei, eu assenti, indiferente

Então você explodiu

Mais dois tapas me deu e partiu pra cima na pancada

Eu só me defendendo não aguentei e te dei um beijo

Você baixou a guarda, me agarrou com força

Num momento sublime

Meu rosto arranhado, marcado, manchado de sangue e suor

Bem no meio do beijo eu ainda tive a manha de me achar vitorioso

Maluco que sou eu achei, eu achei que finalmente estava tudo sob controle.

Um tapa, você voltou a me bater

Do nada você voltou a me bater

Tomei tantas na cara que não deu não deu não deu

E eu respondi

Te dei um par de tapas que doeu, doeu em mim

Te dei um par de tapas que doeu, doeu, doeu em mim

No meio da rua, no meio do povo louco

E algumas gurias vieram para tirar satisfação

E alguns rapazes vieram já para descer porrada

E algumas gurias vieram para tirar satisfação

E alguns rapazes vieram já na base da porrada

Sobrou até pra menina que tinha nome de flor

Sobrou, sobrou, porrada, porrada, porrada

Não sei como, não me lembro mas a gente fugiu dali

Totalmente desapercebidos

Dois assustados e doidos

Enquanto o pau lá atrás comia solto

Inacreditavelmente você me deu a mão chorando

Descemos a Augusta, dobramos a esquerda

com a minha casa perto

Deixamos o carro pra trás, deixamos o orgulho também

Simplesmente sem vergonhas

Não tínhamos mais nada pra dizer a respeito

Não tínhamos mais nada para fazer a respeito

Não tínhamos mais nada pra pensar a respeito

Então transamos

04. 50M3 71M3 F0R JU57 U5 807H

1.
I am so afraid of lay down with you
I am so afraid to tell you “I love you so much”
I am so afraid to maybe appear annoying
If I ask you a kiss, if I ask for your chest, if I say “I’m going back off”
If I lay down with some other girl maybe you will understand me
I have wishes, I also undermine, sometimes I am no good

r.
And then I ask, let’s take it easy, please
Some time for just us both
We are going to miss this thing
Who knows, later we will be back
An incertain time
Perhaps it will happen very soon

2.
I am so afraid of lay down with you
I am so afraid of telling you “I love you so much”
I am so afraid to be appearing só square
If I get the jealous, I am not immune, I am felling a little unstable
If I lay down with some other girl maybe you will comdemn me
I have wishes, I also undermine, sometimes I am no good

05. 4LL 15 50 571LL 1N 7H15 C1TÈ3
1.
All is so still in this citèe
Fell other march on the air
The people that are so unplugged
Do not know when they may get back

2.
All is so still in this citèe
Another rain on the air
The people that are so unplugged
Do not know when they may get there

r.
The theather
She may not get there, in theather
She may not get there

3.
The movies had closed down
The chaos long foretelling
In the Holy Scriptures
From the mayas
From the insane
From the wolf men
From the taurus men

r2.
I now believe
That there is
Love in here
Pain here
The sun
The sound

06. 7H3R3 15 4N 0P3N W1ND0W
r.
There is an open window

1.
Morning
How I miss to see that
You are safe and
Sound into this city
Where the Autumn
Lives in
Inside the sunday

2.
News paper
Agllomerated all
Over the ground
Where lives this man
that long ago died
Inside me
My father
My brother

3.
Memoir
Where the birds are
Living
Before the
Sunrising

07. 1 W4N7 U, 8U7 1 R3FU73 YA
1.
I have not slept all night long
Just thought about you
About how could it ever be
How things could be different
What if we firmly stood
To what we made
Our mistakes
All our mistakes
Every mistake
No one played other game
Things have gone like this

r1.
Everytime I see you
You may be shure, it makes me chills
When you are holding me
When you want us to kiss
My shattered soul
In a wink is put together

r2.
And then I want you
But I refute you
I know you are not fine
I want you to be very fine
But is the end

2.
And so you hold me, you devour me
For a one last chance
And so you kiss me, you execute me
For a one final chance
Because from now on
You with me
Have no more chance
You do not, you do not, you don not, you…

08. CH4UV1N15M 1N 7H3 84CKW4RD5
1.
I am an easy prey into this jungle freak
They have ramsoned my ego trip
Girlies are now hunting just like they have seen in Sex and the city
Boys are now together, to complaim about
r1.
Little winnies for their girlies
That are hunting on

r.
It is a chauvinism in the backwards
I am just a sad feminist

2.
Afraid to go out by myself I am
I do not want to wake up in the bed from Mademoiselle Marchand
Spending my nights way awake, listening in the repeat “Coffe and tv”
With Miss April I do not want talk to
r2.
A sweet, so sweet of fake illusion
Everything is under control

r.
A abiss under my feet
The beast now feasts me

3.
Oh, I just wanted
To have a little girl to spen my days with

09. NIGHT FULL OF GLITTER
r1.
Into a badtrip from the oldies you had a glimpse, then you have told me
I wanna be rich and famous like miss Brigitte
1.
Ever since you pretend I am not talking to you
You gaze away your eyes way beyond
When I face you on

r2.
In a night full of glitter you have stumbled, then you have told me
I wanna be crazy and polemical like miss Amy
2.
Ever since you are like this way
Waste all of your spare time with poetry
Beatniks

3.
This is why, you enjoy it, oh my love
Take a good look what life gives to you
A life can be something better
This is why, you found out, oh my love
Take a good look what life gives to you
A life can be something better
Than this one, you just go,
You wander, oh my love

Take a good look what life gives to you
A life can be something greater
Greater than the moutain
Greater than the expectation
Better than the joy
And better, live your life
Better, is getting way better all the time

10. D06 W17H0U7 4 TUTOR
1.
I can not
I accept it
I am lost, I know no notions
Exhausted
Inebriated
A dog without a tutor neither mind

r1.
I live in a pension room
That I am renting from my elder folks
Only dinner in a quarter past to ten
Perhaps no one will see me here
I enter the night and way beyond

2.
From what i can
I accept it
I am lost, i know no notions
Exhausted,
Inebriated
A dog without a tutor neither mind

r2.
I live in a pension room
Abandoned here to no one care
May God surrender in myself flat
Who knows, she may come pick me up
With her kisses, right in

3.
To the exterminator angel
Am I target?
So perfect
I am against, i am with No

r3=r1
I live in a pension room
That i am renting from my elder folks

I have dinner in a quarter past to ten
Perhaps no one will see me here
I enter the night and way beyond
From what i can

o que nos traz de volta ao artigo
é a oportunidade de falar sobre o décimo primeiro disco de estúdio de Robert Allen Zimmerman, nascido em Duluth, no Minessota, em 24 de Maio de 1941.
sim!
“Dylan está de volta!”, como disseram os jornais na recepção ao “New Morning”.
foi numa quarta-feira, 21 de Outubro de 1970,
Dylan tinha lançado um album duplo em Junho do mesmo ano,
e todo mundo tinha achado esse tal“Selfportrait”muito, mas muito estranho.
entendem como o mundo já estava complicado e ninguém ainda tinha percebido?
um disco estranho, até mesmo para os padrões Dylan de ser!
“New Morning” era mais rápido, menos cerebral, menos político e menos polêmico. O autor volta-se à natureza, exaltando-a sempre que pode. é a história do homem moderno que vive na cidade, e que de repente confronta o mundo fora da metrópole, e gosta muito do que vê e sente.

inclusive,
o sotaque que o cantor usa,
uma coisa caipira de pescoço vermelho de tanto bater sol enquanto carpe um bom lote do terreno,
dizem que é o seu verdadeiro tom,
sem pompas nem maquilagem.

esta voz mais anasalada,
isto é Bob Dylan, minha bloguesfera!

NEW MORNING (21 de Outubro de 1970)

A1. IF NOT FOR YOU (letras de Bob Dylan)
1.
If not for you
Babe, I couldn’t find the door
Couldn’t even see the floor
I’d be sad and blue
If not for you

2.
If not for you
Babe, I’d lay awake all night
Wait for the mornin’ light
To shine in through
But it would not be new
If not for you

3.
If not for you
My sky would fall
Rain would gather too
Without your love I’d be nowhere at all
I’d be lost if not for you
And you know it’s true

4.
If not for you
My sky would fall
Rain would gather too
Without your love I’d be nowhere at all
Oh! what would I do
If not for you

5.
If not for you
Winter would have no spring
Couldn’t hear the robin sing
I just wouldn’t have a clue
Anyway it wouldn’t ring true
If not for you

A2. DAY OF THE LOCUSTS (letras de Bob Dylan)
1.
Oh, the benches were stained with tears and perspiration
The birdies were flying from tree to tree
There was little to say, there was no conversation
As I stepped to the stage to pick up my degree
r1.
And the locusts sang off in the distance
Yeah, the locusts sang such a sweet melody
Oh, the locusts sang off in the distance
Yeah, the locusts sang and they were singing for me

2.
I glanced into the chamber where the judges were talking
Darkness was everywhere, it smelled like a tomb
I was ready to leave, I was already walkin’
But the next time I looked there was light in the room
r2.
And the locusts sang, yeah, it give me a chill
Oh, the locusts sang such a sweet melody
Oh, the locusts sang their high whining trill
Yeah, the locusts sang and they were singing for me

3.
Outside of the gates the trucks were unloadin’
The weather was hot, a-nearly 90 degrees
The man standin’ next to me, his head was exploding
Well, I was prayin’ the pieces wouldn’t fall on me
r3=r1.
Yeah, the locusts sang off in the distance
Yeah, the locusts sang such a sweet melody
Oh, the locusts sang off in the distance
And the locusts sang and they were singing for me

4.
I put down my robe, picked up my diploma
Took hold of my sweetheart and away we did drive
Straight for the hills, the black hills of Dakota
Sure was glad to get out of there alive
r4=r2.
And the locusts sang, well, it give me a chill
Yeah, the locusts sang such a sweet melody
And the locusts sang with a high whinin’ trill
Yeah, the locusts sang and they was singing for me
Singing for me, well, singing for me

A3. TIME PASSES SLOWLY (letras de Bob Dylan)
1.
Time passes slowly up here in the mountains
We sit beside bridges and walk beside fountains
Catch the wild fishes that float through the stream
Time passes slowly when you’re lost in a dream

2.
Once I had a sweetheart, she was fine and good-lookin’
We sat in her kitchen while her mama was cookin’
Stared out the window to the stars high above
Time passes slowly when you’re searchin’ for love

r.
Ain’t no reason to go in a wagon to town
Ain’t no reason to go to the fair
Ain’t no reason to go up, ain’t no reason to go down
Ain’t no reason to go anywhere

3.
Time passes slowly up here in the daylight
We stare straight ahead and try so hard to stay right
Like the red rose of summer that blooms in the day
Time passes slowly and fades away

A4. WENT TO SEE THE GYPSY (letras de Bob Dylan)
1.
Went to see the gypsy
Stayin’ in a big hotel
He smiled when he saw me coming
And he said, “Well, well, well”
His room was dark and crowded
Lights were low and dim
“How are you?” he said to me
I said it back to him

2.
I went down to the lobby
To make a small call out
A pretty dancing girl was there
And she began to shout
“Go on back to see the gypsy
He can move you from the rear
Drive you from your fear
Bring you through the mirror
He did it in Las Vegas
And he can do it here”

r.
Outside the lights were shining
On the river of tears
I watched them from the distance
With music in my ears

3.
I went back to see the gypsy
It was nearly early dawn
The gypsy’s door was open wide
But the gypsy was gone
And that pretty dancing girl
She could not be found
So I watched that sun come rising
From that little Minnesota town

A5. WINTERLUDE (letras de Bob Dylan)
1.
Winterlude, Winterlude, oh darlin’
Winterlude by the road tonight
Tonight there will be no quarrelin’
Ev’rything is gonna be all right
Oh, I see by the angel beside me
That love has a reason to shine
You’re the one I adore, come over here and give me more
Then Winterlude, this dude thinks you’re fine

2.
Winterlude, Winterlude, my little apple
Winterlude by the corn in the field
Winterlude, let’s go down to the chapel
Then come back and cook up a meal
Well, come out when the skating rink glistens
By the sun, near the old crossroads sign
The snow is so cold, but our love can be bold
Winterlude, don’t be rude, please be mine

3.
Winterlude, Winterlude, my little daisy
Winterlude by the telephone wire
Winterlude, it’s makin’ me lazy
Come on, sit by the logs in the fire
The moonlight reflects from the window
Where the snowflakes, they cover the sand
Come out tonight, ev’rything will be tight
Winterlude, this dude thinks you’re grand

A6. IF DOGS RUN FREE (letras de Bob Dylan)
1.
If dogs run free, then why not we
Across the swooping plain?
My ears hear a symphony
Of two mules, trains and rain
The best is always yet to come
That’s what they explain to me
Just do your thing, you’ll be king
If dogs run free

2.
If dogs run free, why not me
Across the swamp of time?
My mind weaves a symphony
And tapestry of rhyme
Oh, winds which rush my tale to thee
So it may flow and be
To each his own, it’s all unknown
If dogs run free

3.
If dogs run free, then what must be
Must be, and that is all
True love can make a blade of grass
Stand up straight and tall
In harmony with the cosmic sea
True love needs no company
It can cure the soul, it can make it whole
If dogs run free

B1. NEW MORNING (letras de Bob Dylan)
1.
Can’t you hear that rooster crowin’?
Rabbit runnin’ down across the road
Underneath the bridge where the water flowed through
So happy just to see you smile
Underneath the sky of blue
On this new morning, new morning
On this new morning with you

2.
Can’t you hear that motor turnin’?
Automobile comin’ into style
Comin’ down the road for a country mile or two
So happy just to see you smile
Underneath the sky of blue
On this new morning, new morning
On this new morning with you

r.
The night passed away so quickly
It always does when you’re with me

3.
Can’t you feel that sun a-shinin’?
Groundhog runnin’ by the country stream
This must be the day that all of my dreams come true
So happy just to be alive
Underneath the sky of blue
On this new morning, new morning
On this new morning with you

B2. SIGN ON THE WINDOW (letras de Bob Dylan)
1.
Sign on the window says “Lonely”
Sign on the door said “No Company Allowed”
Sign on the street says “Y’ Don’t Own Me”
Sign on the porch says “Three’s A Crowd”
Sign on the porch says “Three’s A Crowd”

2.
Her and her boyfriend went to California
Her and her boyfriend done changed their tune
My best friend said, “Now didn’ I warn ya
Brighton girls are like the moon
Brighton girls are like the moon”

r.
Looks like a-nothing but rain . . .
Sure gonna be wet tonight on Main Street . . .
Hope that it don’t sleet

3.
Build me a cabin in Utah
Marry me a wife, catch rainbow trout
Have a bunch of kids who call me “Pa”
That must be what it’s all about
That must be what it’s all about

B3. ONE MORE WEEKEND (letras de Bob Dylan)
1.
Slippin’ and slidin’ like a weasel on the run
I’m lookin’ good to see you, yeah, and we can have some fun
One more weekend, one more weekend with you
One more weekend, one more weekend’ll do

2.
Come on down to my ship, honey, ride on deck
We’ll fly over the ocean just like you suspect
One more weekend, one more weekend with you
One more weekend, one more weekend’ll do

r.
We’ll fly the night away
Hang out the whole next day
Things will be okay
You wait and see
We’ll go someplace unknown
Leave all the children home
Honey, why not go alone
Just you and me

3.
Comin’ and goin’ like a rabbit in the wood
I’m happy just to see you, yeah, lookin’ so good
One more weekend, one more weekend with you
One more weekend, one more weekend’ll do (yes, you will!)

4.
Like a needle in a haystack, I’m gonna find you yet
You’re the sweetest gone mama that this boy’s ever gonna get
One more weekend, one more weekend with you
One more weekend, one more weekend’ll do

B4. THE MAN IN ME (letras de Bob Dylan)
1.
The man in me will do nearly any task
And as for compensation, there’s little he would ask
Take a woman like you
To get through to the man in me

2.
Storm clouds are raging all around my door
I think to myself I might not take it anymore
Take a woman like your kind
To find the man in me

r.
But, oh, what a wonderful feeling
Just to know that you are near
Sets my heart a-reeling
From my toes up to my ears

3.
The man in me will hide sometimes to keep from bein’ seen
But that’s just because he doesn’t want to turn into some machine
Took a woman like you
To get through to the man in me

B5. THREE ANGEL5 (letras de Bob Dylan)
1.
Three angels up above the street
Each one playing a horn
Dressed in green robes with wings that stick out
They’ve been there since Christmas morn

2.
The wildest cat from Montana passes by in a flash
Then a lady in a bright orange dress
One U-Haul trailer, a truck with no wheels
The Tenth Avenue bus going west

3.
The dogs and pigeons fly up and they flutter around
A man with a badge skips by
Three fellas crawlin’ on their way back to work
Nobody stops to ask why

4.
The bakery truck stops outside of that fence
Where the angels stand high on their poles
The driver peeks out, trying to find one face
In this concrete world full of souls

5.
The angels play on their horns all day
The whole earth in progression seems to pass by
But does anyone hear the music they play
Does anyone even try?

B6. FATHER OF NIGHT (letras de Bob Dylan)
1.
Father of night, Father of day
Father, who taketh the darkness away
Father, who teacheth the bird to fly
Builder of rainbows up in the sky
Father of loneliness and pain
Father of love and Father of rain

2.
Father of day, Father of night
Father of black, Father of white
Father, who build the mountain so high
Who shapeth the cloud up in the sky
Father of time, Father of dreams
Father, who turneth the rivers and streams

3.
Father of grain, Father of wheat
Father of cold and Father of heat
Father of air and Father of trees
Who dwells in our hearts and our memories
Father of minutes, Father of days
Father of whom we most solemnly praise

\\|//

NOVO DIA (versão rlalmeida @846r3)

A1. 53M 73R V0CÊ
1.
Sem ter você
Meu bem não ia achar nem o chão
Ia nunca encontrar o portão
Ia ser sozinho e triste
Sem ter você

2.
Sem ter você
Meu bem não ia nem dormir
Esperando só a Sol surgir
E ficar brilhando
Não há nada de novo nisso
Sem ter você

3.
Sem ter você
Meu céu ia cair
Nunca mais ia chover
Sem teu amor
Ia estar em um vazio
Perdido sem você é assim que ia ser

4.
Sem ter você
Meu céu ia cair
Nunca mais ia chover
Sem teu amor
Ia estar em um vazio
O que eu ia fazer sem ter você

5.
Sem ter você
Inverno sem ter primavera
Ia nem ouvir ao passarim
Sem saber qual é o fim
Sem acreditar que as coisas são assim
Sem ter você

A2. D14 D45 C164RR45
1.
Tudo ali estava manchado de suor e lágrimas
E os pássaros voavam de galho em galho
Pouca coisa a ser dita, ninguém falava
Eu adentrava o palco, ia colar meu grau
r1.
   E as cigarras cantavam, uma doce melodia
   E as cigarras cantavam, bem alto à distância
   E as cigarras cantavam, cantando para mim

2.
Fui olhar na sala cheia de especialistas
Ela era bem escura e com cheiro de tumba
Me aprontei para ir, já estava indo embora
Foi quando notei que ali tinha luz sim
r2.
   E as cigarras cantavam, me dava até arrepio
   As cigarras cantavam, uma doce melodia
   As cigarras cantavam, o seu alto zumbido
   As cigarras cantavam, cantavam para mim

3.
No espaço lá fora os caminhões trabalhavam
Estava muito quente, tudo quase fervia
Um homem se aproximou, sua cabeça explodia
Eu só rezava para que ele não caísse em mim
r3.=r1.
   E as cigarras cantavam, uma doce melodia
   E as cigarras cantavam, bem alto à distância
   E as cigarras cantavam, cantando para mim

4.
Depois tirei o fraque, apanhei meu diploma
Falei à minha pequena, “Vamos embora daqui”
Com o pé na estrada subimos a montanha
E do que mais gostei foi escapar dali
r4.=r2.
   E as cigarras cantavam, me dava até arrepio
   As cigarras cantavam, uma doce melodia
   As cigarras cantavam, o seu alto zumbido
   As cigarras cantavam, cantavam para mim

A3. 0 73MP0 É D3V464R
1.
O tempo é devagar aqui na montanhas
Nos sentamos nas pontes e andamos em pontes
Pescamos peixes perdidos a nadar
O tempo é devagar perdido a sonhar

2.
Já tive um benzinho, ela era educada e bonita
Ficávamos na cozinha, a sua mãe cozinhava
Olhávamos para fora, e as estrelas no alto
O tempo é devagar se está atrás de um amor

r.
Não tenho porque ir a um lugar na cidade
Não tenho porque ir ao mercado
Não tenho porque ir para cima nem para baixo
Não tenho porque ir para lugar nenhum

3.
O tempo é devagar com a gente aqui no alto
A gente só olha para frente e tenta fazer tudo certo
Igual ao da planta que cresce no tempo
O tempo é devagar e então se vai

A4. FU1 73R C0M 0 C4C1QU3
1.
Fui ter com o cacique
Que morava no antigo hotel
Me sorriu ao abrir a porta
Dizendo “Olha, veja só, então!”
   Não tinha luz e nem espaço
   Estava tudo quieto e sumido
   “Como vai você?” foi o que ele me disse
   E foi o que eu disse a ele

2.
Subi para o terraço
Fui para usar o telefone
Uma bela bailarina estava lá
E ela teve um troço
   “Volte e vá ter com o cacique
   Vai te dirigir do retrocesso
   Te tirar do medo
   Ele fez em Vegas, e sabe repetir aqui”

r.
Lá fora as luzes estão brilhando
Nesse mundaréu de choro
Olhava elas de onde estava
Fazia isso e ia cantando

3.
Voltei para ter com cacique
E era quase o fim da tarde
Sua porta escancarada
E o cacique não mais estava
   Aquela bela bailarina
   Também estava sumida
   Não tinha mais nada a fazer
   A não ser esperar a Sol aparecer

A5. 1NV3RN4D4
1.
Invernada, ó Invernada, minha querida
É Invernada nesta vereda tropical
Hoje ninguém vai arranjar briga
Ficar em paz é o novo normal
   Deu para ver que tem uma anja ao meu lado
   O amor sempre vai vencer
   Você é quem eu adoro, volte logo e me dê mais
   Olha, Invernada, este cara acha que você está bem

2.
Invernada, ó Invernada, minha maçãzinha
É Invernada nos campos de trigo
Ei, Invernada, vamos entrar na igreja
Volte logo, tem comida no abrigo
   Ela só vem quando ouve aos skates batendo
   Chuva ou sol na antiga encruzilhada
   A neve é muito fria e nosso amor não se importa
   Invernada, não me ignore, fique comigo

3.
Invernada, ó Invernada, minha margaridinha
A Invernada no correio elegante
A Invernada me deixou com sono
Vamos lá atiçar o braseiro
   O luar atravessa a clarabóia
   O gelo já cobriu o jardim
   Vamos sair hoje à noite, vai ser muito legal
   Invernada, este cara te acha gigante

A6. S3 05 C4CH0RR05 C0RR3M 50LT05
1.
Se os cães são livres, que tal se a gente
Der um rolê até o fim do terreno?
Eu só ouço a sinfonia
São duas mulas, a chuva e os trens
   O melhor sempre está por vir
   É assim que explicaram para mim
   Ser você mesmo, tú vai ser rei
   Se os cães são livres

2.
Se os cães são livres, que tal se eu
Der um rolê na fronteira do tempo?
Eu só lembro da sinfonia
Rima com artesanato
   Ou é o vento que te traz meu pensamento
   E assim ele continua existindo
   Cada um tem o seu, tudo é incerteza
   Se os cães são livres

3.
Se os cães são livres, tudo acontece
Porque tem quê, eu só sei disso
O amor verdadeiro faz da areia um armamento
E é capaz de resistir ao tempo e ao vento
   Vive em harmonia com a poeira estelar
   O amor verdadeiro não pede acompanhamento
   Ele sara sua alma, te deixa completo
   Se os cães são livres

B1. N0V0 D14
1.
Pôde ouvir o galo cantar?
Os coelhos e os passarinhos lá na estrada
Bem embaixo da ponte onde a água flui
r1.
É tão bom poder te ver sorrir
Embaixo da imensidão do céu azul
Neste dia novo, novo dia
Neste dia novo com você

2.
Pôde ouvir o motor girar?
Os carros e as motos lá longe na estrada
Iam para a cidade, mais uns 3 ou 6 quilômetros
r2.=r1.
É tão bom poder te ver sorrir
Embaixo da imensidão do céu azul
Neste dia novo, novo dia
Neste dia novo com você

r.
A noite foi embora tão rápido
É sempre assim se está comigo

3.
Pôde sentir a Sol brilhar?
Os gatinhos e as cabras bebem água do riacho
Com este dia eu sempre sonhei
r3.
É tão bom poder estar vivo
Na imensidão do céuzão azul
Neste dia novo, novo dia
Neste dia novo com você

B2. S1N4L N4 J4N3L4
1.
Sinal na janela diz “Não tem ninguém”
Cartaz na porta diz “Não pode entrar”
Faixa na rua diz “Não é dono de mim”
Sinal na varando é que está lotado
Sinal na varanda é que está lotado

2.
Ela e um namorado foram para a Califórnia
Ela e o namorado mudaram de vida
Meu melhor amigo diz “Eu te avisei”
“Em Brighton as meninas são de lua”
“Em Brighton as meninas são de lua”

r.
Parece mesmo que vai chover
Vai molhar tudo na rua principal
Tomara que fique todo mundo em paz

3.
Fiz minha casa no fundo do vale
Arranjei esposa, e fomos pescar
Tenho um monte de filhos que me chamam de “Pai”
Isso para mim é a totalidade
Isso para mim é viver bem

B3. M415 UM F1ND1
1.
Pulando e desviando, igual a um fuinha em plen fuga
Estou indo ao seu encontro para a gente se divertir a valer
Mais um findi, mais um findi eu e você
Só mais um findi, só mais um findi eu e você

2.
Vem já pro meu barco, meu bem ande no meu deque
Vamos sobrevoar as marés, isso é o que você quer
Mais um findi, mais um findi eu e você
Só mais um findi, só mais um findi eu e você

r.
De noite a gente viaja
O dia inteiro para curtir
Tudo vai ficar bem
Espere e vai ver
   Ir aonde ninguém vai
   Deixe as crianças com a minha mãe
   Meu bem, vamos só eu e você
   Vamos nessa sozinhos

3.
Aparece e vai sumindo, igual a um coelho dando saltos
Fico feliz só de te ver no teu desfile de sapatos
Mais um findi, mais um findi eu e você
Só mais um findi, só mais um findi eu e você

4.
Lembra a agulha no palheiro, ainda vou achar você
Você é a mais bela mãezinha que o meninão aqui vai conhecer
Mais um findi, mais um findi eu e você
Só mais um findi, só mais um findi eu e você

B4. 0 H0M3M 3M M1M
1.
O homem em mim vai fazer qualquer tarefa
Pedir por pagamento isto não lhe interessa
Precisa mulher você igual
Para ver o homem em mim

2.
Nuvens pesadas em volta da minha casa
Penso comigo mesmo, “Até quando vou aguentar?”
Precisa mulher do teu tipo
Para chegar ao homem em mim

r.
Mas oh! Como é bom sentir isso
Só saber que você está perto
Deixa o meu corpo ligado
Dos dedos do pé até o alto dos ouvidos

3.
O homem em mim se esconde para evitar que seja visto
Isso é porque ele não quer virar uma máquina
Precisa mulher você igual
Para ver o homem em mim

B5. TRÊ5 4NJ0S
1.
Três anjos em cima da rua
Cada um deles toca um trompete
Vestem robes verdes de seda com asas bem largas
Chegaram ali na véspera do Natal

2.
O gato mais rápido de todo o estado atravessa a rua, como um raio
Atrás dele, uma velhinha de pijama laranja neon
Depois uma carreta de carga, e um caminhão sem pneus
E ainda o ônibus do centro, indo ao bairro

3.
Os cachorros e as pombas circulam ao redor e ficam por perto
Um gravata de crachá desvia de todos
Três caras que se arrastam depois do trabalho
Ninguém quer saber o que está acontecendo

4.
O carro da padaria estacionou bem ao lado da cerca
Onde flanam os anjos, mais alto que os postes
O operário olha para fora, tenta reconhecer pelo menos um rosto
Nesta selva de pedras lotada de almas

5.
Os anjos tocam o dia inteiro seus trompetes
Enquanto o mundo inteiro passa por ali
Mas será que alguém ouve a música tocar?
Será que alguém tentou ouvir?

B6. 0 P41 D4 N0173
1.
O pai do dia, o pai da noite
É o pai quem manda a escuridão embora
É o pai quem ensina o passarinho a voar
O arquiteto de arco-íris para a gente olhar
O pai da solidão e do sofrer
O pai do amor e o pai do chover

2.
O pai da noite, o pai do dia
O pai dos brancos, o pai dos pretos
É o pai quem fez a montanha ser alta
E também quem moldou as nuvens no céu
O pai do tempo, o pai dos sonhos
É o pai quem transforma um riachinho em oceano

3.
O pai do sol, o pai do trigo
O pai do frio e também do calor
O pai dos ares e também das marés
Que está entrelaçado nos seres e nas memórias
O pai dos minutos, o pai do tempo
Também é o pai daquele que vamos sempre louvar

Dois discos, duas traduções

salve, salve minha outonal&vacinada bloguesfera. todo mundo já está com suas orelhas de abano por causa do uso de máscaras? e já encontraram um lugar em paz para assistir ao ruir&rugir do capital, dentro do cenário de hecatombe cataclismática mundial que tem sido o corrente surto de SARS CovII? vai aí um mantra, lembrem-se sempre: coroné-viruxxx mandou, nós obedece!

mais um Pílulas de Pérolas Literárias no ar, hoje para celebrar o Dia Mundial do Rock, que só é está marcado no calendário tupiniquense. A data surgiu em meados dos anos 90, quando a Rádio Rock 89FM (da capital da garoa-cinza) começou a homenagear a data ao longo de sua programação. a equipe editorial da rádio queria relembrar o evento Live Aid, um show de rock que aconteceu simultaneamente em Londres, na Inglaterra e na Filadéfia, para chamar a atenção à fome na Etiópia, e na África em geral – e tem uns cabeça-de-pudim por aí que acham que nem a arte, e nem o roquenrou, pode ter tons políticos ou refletir o tempo em que está inserido. seriam todos seres apolíticos, ou estariam apenas calados por uma severa repressão? no artigo de hoje, trago em traduções de inglês para português, e do português para o inglês, duas das bandas que melhor personificam o velho&bom estilo roquenrou de ser: nascidos na Terra que Garoa mas não cai, os Joelho de Porco; e, vindos da ilha da Grande Maçã, os Ramones!

os Joelho de Porco surgem no comecinho dos anos 1970, na gema da capital paulistana, em pleno regime de Ditabronha. sendo mais exato, o ano foi 1972. e já que esta é uma página que dedica seus artigos às influências, é válido lembrar que 1) os The Clash se formam em 1976, em Londres; e 2) os Ramones surgem na cena em 1974, em Nóva Uórque. quem influenciou quem, ou se o ovo veio antes da galinha, portanto, são perguntas que já vêm com a resposta.

em qualquer lugar do mundo redondo, o espírito da época estava carregado de deboche nas atitudes, de humor com mensagens subliminares, de afronta a um sistema que só oprime e destrói (este sim, um elemento punk por exclência). aqui em terras brasylis, o grupo, com seis integrantes na primeira formação, foi uma afluência direta do roquenrou britânico e estadunidense, podendo ser creditados como os pais do punk-rock brasileiro: viriam depois uma geração de grupos como Premeditando o Breque, Língua de Trapo, Ultraje a Rigor, a sobrevida da Galeria do Rock (inaugurada em 1963, mas devidamente ocupada a partir de 1976), a efervescência de festivais pelo país, como o Festival do Fim do Mundo (em 1982, capitaneado pelo mestre de cerimônias Antonio Bivar).

o som trazia riffs e solos de guitarra assinados por nomes como Wander Taffo, Baillot e Mozart Mello, e os arranjos apontavam, em geral, pro hard rock dos 70. As letras iam da crítica social e comportamental (como em “São Paulo by day”, e “Meus vinte e seis anos”) a piadas de duplo sentido (como em “Mardito fiapo de manga”, ou “México lindo”). o que soa mais forte é a crítica aos costumes, exposta no próprio título do album: a cidade de ontem comparada à cidade de hoje.

depois de dois singles (um deles, com produção de Arnaldo Bapista) o primeiro disco foi lançado em 1976, no selo independente Crazy/Bervely (com um catálogo de pouco mais de 500 títulos), gravado no período noturno no estúdio que Rogério Duprat mantinha. além das citações acidentais aos The Beatles (pela ordem em que aparecem no disco: faixa dois, “Boeing 72.389.79” citando “All I’ve gotta do”; faixa quatro, “Cruzei meus braços…fui um palhaço” citando “While my guitar gently weeps”; e faixa 06, ou lado B, primeira faixa, “México lindo”, citando “Oh, darling!” e “She loves yo”), o que é imperdível e impagável nesta pedra dos anos 70s são as percussões inseridas (maracas! palmas! e caixas de fósforos!…o que poderia ser mais brasileiro do que percussão?, pode se perguntar um aspirante a Keith Richards, escrevendo a próxima “Sympathy for the devil”). “Queria saber quem foi o idiota que inventou essa história”, responde o vocalista e letrista Tico Terpins, em entrevista à revista Pop, ao ser perguntado o que a passeata que antecedeu o show de lançamento tinha de punk. “Tudo bem, faz de conta que é punk”

SÃO PAULO 1554 / HOJE (1976)

01. HEY GORDÃO (letras de Próspero Albanese & Renato Albanese)

1.
Hey gordão
Tome cuidado
Hey gordão
Não se arrisque mais
Você pode sentir
Que eu não digo por mal nenhum
Voe como uma pluma
Esqueça do macarrão

2.
Hey gordão
Abra seus olhos
Hey gordão
Esqueça o macarrão
Isto é razão
Para você salvar sua pele
Esqueça do macarrão
Voe como uma pluma
Esqueça do macarrão

02. BOEING 7238979 (letras de Allan Terpins, Tico Terpins & Dudi Guper)
r.
O Boeing 72.389.79 te levar pra bem longe
Bem longe, bem longe da poluição

1.
De lá pra cá
Pro meio da selva onde reina o leão

2.
E o índio do amazonas tem medo
De andar de avião

b.
O índio, medroso
Medo de andar de avião

c.
Nuvens de algodão
You just call call on me, yeah
Nuvens de algodão
E que tudo o mais, vá pro inferno

d.
Nuvens de algodão
You just call call on me, yeah
Nuvens de algodão
E que tudo o mais, va pro 6 por 8

03. MARDITO FIAPO DE MANGA (letras de Charatz, Sérgio Terpins, Tico Terpin & Charatz)

1.
Debaixo daquela mangueira
Quem chupa manga reclama
Dente forte como pedra
Dente mole como a lama
Eu preciso encontrar…urgente…
Dentista!

r.
Mardito fiapo de manga
Preso no maxilar inferior
Ô tiroleiii, ô tiroleii, (ô tiroleite!)

2.
Gruda como um carrapatu
Firme forte, Minha boca
Bem juntinha de você

04. CRUZEI MEUS BRAÇOS…FUI UM PALHAÇO (letras de Próspero Albanese & Tico Terpins)

1.
Se quiser acreditar, Sorte sua
Estou cansado de pensar Nessa loucura

r.
Cruzei meus braços, Fui um palhaço
Mas resolvi parar Pra estraçalhar

2.
Posso tocar seu ponto fraco, Sensibilidade
Arrepiado de emoção, E o século XX

a.
Com quantos paus se faz uma canoa
Pra sair dessa e chegar numa boa de canoa

3.
Continuação de tudo, tudo que não se viu
Um bom começo pra quem vai de canoa

05. DEBAIXO DAS PALMEIRAS (letras de Próspero Albanese & Tico Terpins)

1.
O cinema falado me ensinou
I love you, I love you… Eu te amo!
Marlon Brando, poderoso
Meu chefão, cinemascope
Eu estou sentado, a beira do caminho
Tranquilo, “trankilo”, tranquilo… “trankilo”

r1.
Assobiando Ari Barroso,
Aquarela do Brasil
Debaixo das palmeiras
Assobiando, assobiando, assobiando.
Canta, canta rouxinol: brasileiro!!!!

2.
Céu azul e o rouxinol
Faz cuco, uh cuco… cuco!
Dispertando as borboletas
Je suis, je suis… Panavision.
O rouxinol ficou maluco
Faz cuco, maluco, cuco… cuco.

r2.
Faz comigo, Ari Barroso,
Aquarela do Brasil
Debaixo das palmeiras
Assobiando, assobiando, assobiando.
Canta, canta rouxinol: brasileiro!!!!

3.
Na alvorada e o rouxinol
Faz cuco, maluco, “trankilo”.. I Love You!
Faz comigo, Ari Barroso
Aquarela do Brasil
Debaixo das palmeiras
Assobiando, assobiando, assobiando.

B1. MÉXICO LINDO (letras de Tico Terpins)

1.
Compré una habitación en Acapulco
Mucha tequilla con agua tónica
Yo borracho voy cantando
Cucurúcucu Paloma!

2.
Cachita Alvarez me envitaste
A una fiesta con muchas personas
En la eletrola, los Beatles cantando
She loves you, yeah!

r.
Oh Méx I Co, old México
Ho Méx i Co, wow México
Oh Mexico
México lindo

B2. AEROPORTO DE CONGONHAS (letras de Tico Terpins)

1.
Triste comédia
A família paulistana
Não tem fim de semana
Não tem praia nem montanha

r.
No aeroporto de Congonhas
Passa todos os domingos
Só pra ver avião descendo
Só pra ver avião subindo

2.
Que tragédia
Sexta-feira aluga Kombi
Vai lotada pra Imigrantes
Pra um piquenique em Praia Grande, que é gigante!

B3. SÃO PAULO BY DAY (letras de Tico Terpins)

1.
Andando nas ruas do centro
Cruzando o viaduto do chá
Eis que me vejo cercado
Trombadinhas querendo

r1.
Me assaltar

2.
Trombadinhas que são
Que fazem do assalto a sua profissão
Na avenida São João

3.
Bebericando cachaça
Sandália havaiana tentando assaltar
Na praça don jose gaspar

r2.
Tira a mão do meu bolso!

B4. A LÂMPADA DE EDISON (letras de Tico Terpins & Walter Baillot)

1.
A lâmpada de Edison
O código de Morse
Graham Bell no telefone
Lunático Armstrong
Sigmund Freud, sua mamãe
Von Braun e seus cometas

2.
Ao sul da linha imaginária
Éder Jofre,
Roberto Carlos, Braga
No hemisfério norte
Cassius Clay, Frank Sinatra,
que trapaça

r.
Eu vou enfrentar no escuro
Hoje é o passado do futuro
Eu vou escrever no muro
Hoje é o passado do futuro

B5. MEUS VINTE E SEIS ANOS (letras de Tico Terpins & Walter Baillot)

r1.
O meu pai sempre dizia:
– Quero ver você doutor!
Minha irmã, sempre a escutar:
– Quero ver você casar!

1.
Eu sem caminho, “Qualquer profissão!”

2.
Papai decide o que vai ser de nós!

3.
Papai programa o que vai ser de nós!

r2.
Faz dez anos é solteirona
E eu não sei o que fazer
Meu pai vive esperando
Meu diploma de doutor

\\|//

SÃO PAULO YESTERDAY 1554 / NOWADAYS

01. HEY FATSO
1.
Hey fatboy
You may take care
Hey fatboy
You take no more risks
     You wil even feel
     That I say this for your good
     Fly just like a feather
     Leave away all the food

2.
Hey fatboy
Open up your eyes
Hey fatboy
Leave away all the food
     This is a good reason
     This will save your fat ass
     Leave away all the food
     Fly just like a feather
     Leave away all the food


02. BOEING 7238979

bridge 1
The Boeing 72.389.79 is going to take you away
Far away from all of this dirt

1.
From here to there
To the heart of the jungle where the lions reins

2.
The amazon indian has very afraid
To came aboard any plane

bridge 2
The indian, he has afraid
Afraid to came aboard any plane

c.
Clouds are made with cotton
You just gotta call on me, yeah
Clouds are made with cotton
And everything else may blow in hell

d.
Clouds are made with cotton
You just gotta call on me, yeah
Clouds are made with cotton
And everything else may blow in six by eight


03. GOT DAMN THAT MANGO WIRE
1.
Underneath of that old mango tree
Who eats its fruit always complain
Teeth were strong just like iron
Tusk now are soft just like amount of mud
I now need to find
with urgency
the dentist!

r.
This got damn mango wire
Stuck inside the inferior maxilary
Old tirolese, old tirolese (do you got milk?)

2.
Stay away from my lips from my mouth just leave me be
Stucked just like a tick
Strong and grip onto my mouth
Very close to it


04. CROSSED MY ARMS, I WERE A BUFFOON
1.
You may believe in it or not, you who choose it
I am so tired to think about all this madness

bridge1.
Crossed my arms, I were a buffoon
I have made my mind: now I will smash

2.
I might touch your Achille’s heel
Frightned in emotion, and this twenthieth century

bridge2.
How many much wood is need to buid a canoe
To get me away from here to there, in a good mood, in a canoe

3.
Everything continues, all you have not seen
A good begining for who goes in a canoe


05. BENEATH THAT OLD RED WOOD
1.
The sound cinema has taught me
I love you, I love you… Eu te amo!
Marlon Brando is so powerfull
My boss is cinemascope
I am sitting here, in the middle of the street
So calm, and peacefull, and easy and quiet

r1.
And so I whistle Ari Barroso,
Water paint from Brëzyl
Beneath that old red wood
And so I whistle, and so I whistle, and so I whistle

bridge.
How may sing a nightingale: it is brazilian!

2.
The sky are blue and the nightingale
Sings cook-oh, oh cook-oh…cook-oh!
He awakens butterflies
Je suis, je suis… Panavision
The nightingale went insane
Sings cook-o, so crazy, cook-oh…cook-oh.

r2.
He sings with me Ari Barroso,
Water paint from Brëzyl
Beneath that old red wood
And so i whistle,and whistle, and whistle.

3.
It’s now dawn and the nightingale
Sings cook-oh, so crazy and peaceful…I Love You!
He sings with me Ari Barroso
Water paint from Brëzyl
Beneath that old red wood
And so i whistle,and whistle, and whistle


B1. MEXICO BEAUTY
one two three four

1.
I have bought an apartment in Acapulco
So much tequila and watered linnmon
I was very drunk, and went on singing
Cucurúcucu, oh birdy!

2.
Cachita Alvarez, she invited me
To a party with a lot of people
The phonograph had some Beatles, they were singing
She loves you, yeah!

bridge.
Oh Mex-I-Co, old Mexico
Ho Mex-I-Co, wow Mexicow
Oh Mexico
Mexico beauty!


B2. CONGONHAS AIRPORT
1.
So sad comedy
A family in São Paulo
Have no weekends
Have no beach nor mountains

r.
They go to see the airways
They spend each of their sundays
They want to see the planes arriving
They want to see the planes leaving

2.
Such a tragedy
Fridays come, they rent a Kombi
Then face a crowded highway
They want a picnic in Long Beach, that is so giant!


B3. SÃO PAULO BY DAY
1.
Walking by in the streets from the center
Crossing a bridge in downtown
I am now surrounded
So many young bums

r1.
Robbering me!

2.
Young bums they are
They make their assault a profession
In plain avenue São João

3.
They drink only moonshine
In the feet toe sandals
Plane their robber in Don José Gaspar square

r2.
Hands away from my pockets!


B4. MR. EDISON’S BULB
1.
The lighting bulb is from Edison
There is a code from mr. Morse
and Graham Bell, a telephone
     The moon is from Armstrong
     Sigmund Freud has his mommy
     Von Braun and his comets

2.
In the south of the imaginary line
Lays Éder Jofre,
Roberto Carlos is corny
     In the hemisfery from the North
     It is Cassius Clay and mr. Sinatra
     This is a hard trick

r.
I am going to face the dark side
Today is a past from a future
I am going to write through the whole wall
Today is a past from a future


B5. MY TWENTHIETH SIXTH BIRTHDAY
r1.
My old man, he was always saying:
– I will see you a good doctor!
My sister, she was studying:
– I will see you become a wife!

1.
Nowhere to go, whatever may be!

2.
Dad is who decide what happens to us!

3.
Dad is who programms what shall we become!

r2.
Ten years passed by, she still is single
For me still nowhere to go
My old man still lives, he is waiting
Where is my bachelor degree

Ramones,
ah, Ramona,
os Ramones…a gente sabe tudo sobre os Ramones. por exemplo, só para continuar no tema deste artigo, não sabemos o dia (nem o mês!) em que foi lançado o primeiro disco dos Joelhos, mas sabemos que em 23 de Abril de 1976 chegou às lojas, e às rádios, o primeiro disco de uma banda que já estava dando o que falar nas casas de shows em que se apresentavam…

ainda,
um outro fato,
e só para continuar no tom dos Joelhos,
e não fugir ao tema, nem perder a piada,
não sabemos dizer com certeza se Tico Terpins era irmão de Sergio Terpins e Allan Terpins, mas sabemos que Johnny, Joey, Tommy e Dee Dee não compartilhavam laços sanguíneos de qualquer espécie: Ramones é apenas o sobrenome artístico destas personas que marcaram época, onde não importava se você era grunge, gótico, metal, hardcore, headbanger, punk ou skinhead: apenas curta a música!

pois foi com essa formação de quatro musicistas que eles tomaram de assalto o meio musical. o que é algo notável, já que as letras são curtas, repetidas por três vezes, utilizando três ou quatro acordes, que resultam em músicas curtas, de até dois minutos e meio de duração. essa pegada em um tempo corrido é marca registrada do quarteto, além de sempre começarem uma faixa com o famigerado “um dois três quatro” no vocal, marcando o tempo. e eles até podem não ter tantas idéias politizadas assim, mas não é de se jogar fora 1) o asco a idéias totalitárias, e 2) o apreço pela liberdade de cada indivíduo tem em ser o que quiser.

um dois três quatro: vamos às letras:

RAMONES (23 de Abril de 1976)

01. BLITZKRIEG BOP (letras de Dee Dee Ramone & Tommy Ramone)
1.
They’re forming in a straight line
They’re going through a tight wind
The kids are losing their minds
The Blitzkrieg Bop

2.
They’re piling in the back seat
They’re generating steam heat
Pulsating to the back beat
The Blitzkrieg Bop

r.
Hey ho, let’s go
Shoot ‘em in the back now
What they want, I don’t know
They’re all revved up and ready to go

Hey ho, let’s go


02. BEAT ON THE BRAT (letras de Joey Ramone)
1.
Beat on the brat
Beat on the brat
Beat on the brat with a baseball bat
Oh yeah, oh yeah, uh-oh.

2.
What can you do?
What can you do?
With a brat like that always on your back
What can you do? (lose?)


03. JUDY IS A PUNK (letras de Joey Ramone)
1.
Jackie is a punk
Judy is a runt
They both went down to Berlin, joined the Ice Capades
And oh, I don’t know why
Oh, I don’t know why
Perhaps they’ll die, oh yeah[x4]

2.
Second verse, same as the first

3.
Third verse, different from the first
Jackie is a punk
Judy is a runt
They both went down to Frisco, joined the SLA
And oh, I don’t know why
Oh, I don’t know why
Perhaps they’ll die, oh yeah[x4]


04. I WANNA BE YOUR BOYFRIEND (letras de Tommy Ramone)
1.
Hey, little girl
I wanna be your boyfriend
Sweet little girl
I wanna be your boyfriend

r.
Do you love me babe?
What do you say?
Do you love me babe?
What can I say?

Because I wanna be your boyfriend


05. CHAIN SAW (letras de Joey Ramone)
1.
Oh, oh, oh
Sitting here with nothin’ to do
Sitting here thinkin’ only of you
But you’ll never get out of there
She’ll never get out of there.

2.
Texas chain saw massacre
They took my baby away from me
But she’ll never get out of there
She’ll never get out of there
I don’t care, wohoho

3.
When I saw her on the corner
She told me told me told me told me
She wouldn’t go far
Ooh, now I know I’m so much in love
‘Cause she’s the only girl that I’m ever thinking of


06. NOW I WANNA SNIFF SOME GLUE (letras de Dee Dee Ramone)

Now I wanna sniff some glue
Now I wanna have somethin’ to do
All the kids wanna sniff some glue
All the kids want somethin’ to do


07. I DON’T WANNA GO DOWN TO THE BASEMENT (letras de Dee Dee Ramone & Johnny Ramone)
1.
Hey, daddy-o
I don’t wanna go down to the basement
There’s somethin’ down there
I don’t wanna go

2.
Hey, Romeo
There’s somethin’ down there
I don’t wanna go down to the basement


B1. LOUDMOUTH (letras de Dee Dee Ramone & Joey Ramone)

You’re loudmouth baby
You better shut up
I’m gonna beat you up
‘Cause you’re a loudmouth babe


B2. HAVANA AFFAIR (letras de Dee Dee Ramone & Joey Ramone)
1.
PT-boat on the way to Havana
I used to make a living, man
Pickin’ the banana.
Now I’m a guide for the CIA
Hooray for the USA!

r.
Baby, baby, make me a loco
Baby, baby, make me a mambo

2.
Sent to spy on a Cuban talent show
First stop- Havana au go-go
I used to make a living, man
Pickin’ the banana
Hooray for Havana!


B3. LISTEN TO MY HEART (letras de Dee Dee Ramone)
r.
Next time I’ll listen to my heart
Next time, well I’ll be smart

1.
That girl could still be mine
But I’m tired of the hurt
Tired of tryin’
I’m tired of the pain
Tired of tryin’
I’m tired of cryin’


B4. 53RD & 3RD (letras de Dee Dee Ramone)
1.
If you think you can, well come on man
I was a Green Beret in Viet Nam
No more of your fairy stories
‘Cause I got my other worries

r.
53rd and 3rd
Standing on the street
53rd and 3rd
I’m tryin’ to turn a trick

2.
Then I took out my razor blade
Then I did what God forbade
Now the cops are after me
But I proved that I’m no sissy


B5. LET’S DANCE (letras de Jim Lee)
1.
Hey baby won’t you take a chance?
Say that you’ll let me have this dance?

r.
Well let’s dance; let’s dance.
We’ll do the twist, the stomp, the mashed potato too.
Any old dance that you wanna do.
Well let’s dance; let’s dance.

2.
Hey baby yeah you thrill the soul,
hold me close, don’t you let me go.

3.
Hey baby if you’re all alone,
baby you’ll let me walk you home.

4.
Hey baby yeah you swing it right,
Yes I know that tonight’s the night.

Let’s dance!


B6. I DON’T  WANNA WALK AROUND WITH YOU (letras de Dee Dee Ramone)

I don’t wanna walk around with you
I don’t wanna walk around with you
I don’t wanna walk around with you
So why you wanna walk around with me?
I don’t wanna walk around with you


B7. TODAY YOUR LOVE, TOMORROW THE WORLD (letras de Dee Dee Ramone)
r.
Well, I’m a Nazi, baby,
I’m a Nazi, yes I am
     I’m a Nazi schatze
     Y’know I fight for fatherland

1.
Little German boy
Being pushed around

2.
Little German boy
In a German town

3.
Eins, zwei, drei, vier,
Today your love, tomorrow the world (x4)


\\|//


01. EI HO, VAMOS NESSA, ou TROPA DE ELITE DA GUERRA RELÂMPAGO
1.
Todo mundo, um atrás do outro
Todo mundo, correndo muito
São uma molecada que não quer nada
A tropa de elite da guerra relâmpago

2.
Todo mundo, sentadinho no banco de trás
Todo mundo, um esquentando o outro
São eles que fazem o carro pular
A tropa de elite da guerra relâmpago

r.
Ei, ho, vamos nessa
Atirando pelas costas
O que eles querem, eu sei lá
Todos alucinados e prontos para matar


02. BATENDO NO MOLEQUE
1.
Batendo no moleque
Batendo no moleque
Batendo no moleque com meu taco de bets
Oh yeah, oh yeah, uh-oh.

2.
E o que fazer?
E o que fazer?
Com um moleque grudado no seu cangote
E o que fazer?

3.
E o que fazer?
E o que fazer?
Com um moleque grudado no seu cangote
O que se vai perder?


03. JUDY É UMA PUNK
1.
Jackie é punk
Judy é anã
As duas foram para Berlim para tentar ser aqua-loucas
E eu já não sei por quê
Eu já não sei por quê
Vai ver, morreram (x4)

2.
Segundo verso, igual ao primeiro

3.
Terceiro verso, difere do primeiro
Jackie é punk
Judy é anã
As duas foram para Frisco para tentar a revolução
E eu já não sei por quê
Eu já não sei por quê
Vai ver, morreram (x4)


04. QUERO NAMORAR VOCÊ
1. Ei menininha
Quero namorar você
Minha menininha
Quero namorar você

2.
Gosta de mim?
Me diz aí?
Gosta de mim?
Te digo aí?
Vou ser seu namoradinho


05. MOTO-SERRA
1.
Oh, oh, oh
Sentado aqui, sem nada para fazer
Sentado aqui, só penso em você
E você nunca sai daí
Ela nunca que sai dalí

2.
No Texas, no massacre da moto-serra
Foi quando levaram meu bem de mim
E ela nunca sai daí
Ela nunca que sai dalí
Eu não ligo mais, wohoho

3.
Quando te encontrei na esquina
Ela me disse, só me disse que
Nunca iria para longe
Ooh, e agora eu estou tão apaixonado
Ela é a única mulher em que consigo pensar


06. AGORA EU SÓ QUERO CHEIRAR COLA

Agora eu só quero cheirar cola
Agora eu só quero fazer alguma coisa
A molecada do bairro só quer cheirar cola
A molecada do bairro só quer fazer alguma coisa

07. EU NÃO QUERO DESCER PARA O PORÃO
1.
Ei, meninão
Eu não quero descer para o porão
Tem alguma coisa lá
Eu não quero ir

2.
Ei, Romeuzão,
Tem alguma coisa lá
Eu não quero descer para o porão


B1. BOCA GRANDE

Você e sua boca grande
É melhor ficar quieto ou
Eu vou te espancar
Por causa da sua boca grande


B2. O CASO DE HAVANA
1.
Seguindo em um barco a caminho de Havana
Eu ganhava minha vida
Recolhendo as bananas
Agora eu dirijo para a CIA
Deus salve a América!

r.
Babie, babie, me deixa louco
Babie, babie, me faz um mambo

2.
Enviaram um espião para descobrir talentos cubanos
E a primeira parada foi em Havana, au go-go
Eu ganhava minha vida
Recolhendo as bananas
Deus salve Havana!


B3. OUVINDO A MEU CORAÇÃO
r.
Na próxima, vou ouvir eu mesmo
Na próxima, vou ser mais esperto

1.
Aquela pequena ainda podia estar comigo
Mas eu cansei de me machucar
Cansei de só tentar
Cansei de me machucar
Cansei de só tentar
Cansei de só chorar


B4. SÓ QUANDO CRUZA A 53 COM A AVENIDA 3
1.
Se acha que pode, venha aqui meu gatão
Eu fui dos Boinas Verdes, lutei no Vietnan
Já disse, chega das suas historinhas
Eu tenho mais o que fazer

r.
Na 53 com a 3
Parado aqui na rua
Na 53 com a 3
Só estou ganhando a vida

r2.
Na 53 com a 3
Nunca ganha cliente
Na 53 com a 3
Não te faz sentir doente?

2.
Foi quando eu puxei meu canivete
Foi quando eu fiz o que só Deus perdoa
Agora os tiras estão atrás de mim
Eu mostrei a eles que não sou um fracote


B5. VAMOS DANÇAR
1.
Ei, neném, que tal me dar a honra?
Diz pra mim se nós vamos dançar?

r.
A hora é agora; vamos dançar.
Vamos pular o tuíste, e o stomp,
Batatas amassadas ou uma das antigas.
A hora é agora; vamos dançar.

2.
Ei neném, me arrepia a alma,
Me abraça forte e não me mande embora.

3.
Ei neném, não fique aí sozinha,
Até sua casa te faço companhia.

4.
Ei neném, gostei do seu jingado,
Eu já sei que hoje vai rolar.


B6. DE VOCÊ EU SÓ QUERO DISTÂNCIA

De você eu só quero distância
De você eu só quero distância
De você eu só quero distância
Por que você quer ficar perto de mim?
De você eu só quero distância


B7. HOJE SEU AMOR, AMANHÃ É O MUNDO
r.
Sou nazista, neném,
Sou um nazista, eu sou sim
     Apaixonado por nazistas,
     Dos que lutam pela pátria-mãe

1.
Um alemãozinho
que foi provocado

2.
Um alemãozinho
numa cidade alemã

3.
Eins, zwei, drei, vier,
Hoje seu amor, amanhã é o mundo (x4)

versas de outros autores – parte IV de IV

chegado o fim do processo de transcriação, vou lhes mostrar um pouco do que compilei ao longo do caminho trilhado.##

este artigo aborda a última porção de versões que encontrei (de um total de 31 versões) em português da Terra do Pau-brasilis para os The Beatles, dos discos XII, XIII e as faixas presentes em singles.

DISCO XII
ABBEY ROAD, lançado em XX de xx de 1969.
\\|//
RUA ABBEY


“Come together”, lado A, faixa primeira.

ou VENHA JUNTO (Cássia Eller)

1.
Lá vem o velho mis chato
Ele vem gingando lentamente
Ele tem olhos mágicos
Ele quer cilindros santos
Ele tem cabelos até seu joelho
     [ Tem que ser um cômico
     [ Ele simplesmente faz o que lhe agrada

2.
Ele não usa nenhuma graxa no sapato
Ele tem dedos de jogador de futebol
Ele tem dedo de macaco
Ele atira na coca-cola
Ele diz: “eu o conheço, você me conhece”
     [ Uma coisa que eu posso dizer para você
     [ É que você tem que ser livre

r.
Venha cá
Agora mesmo
Junto a mim

3.
Ele ensacola a produção
Ele tem botas de morsa
Ele tem as costeletas da Ohno
Ele é um invasor espinhal
Ele tem pé abaixo do joelho
     [ Abraça você na poltrona dele
     [ Você pode sentir a doença dele

4.
Ele vai na montanha russa
Ele recebe o aviso prévio
Ele tem água barrenta
Ele é um filtro de feitiço
Ele diz que um e um e um é três
     [ Tem que ter boa aparência
     [ Porque ele é tão difícil de ver

e também CHEGA JUNTO (transcriação de rlalmeida @846r3)

1.
Vem lá aquele velhote, ele ginga bem devagar, ele
toca corneta ele não largou a chupeta, ele
tem o cabelo até os joelhos
     [ Se acha o coringa só faz o que lhe traz bem

2.
Não tem sapato, ele tem toe jam futebol, ele tem
dedo de macaco, ele chuta coca cola e me diz
“sei de você, sabe de mim”
     [ Eu sempre repito a gente tem que ser livre

r.
     [ Chega junto!
     [ Vem cá!
     [ Vem comigo!

3.
Compra no atacado, ele só usa pele de morsa, ele tem
capô de fusca, ele anda com capacete, ele tem
os pés pra baixo dos joelhos
     [ Senta em sua cadeira pra doença o remoer

4.
Roleta russa, ele gosta pavio curto, ele tem
água barrenta, ele é, mojo filtra, ele diz
“Um e um e um é três”
     [ Tem que estar bonito, a coisa é ruim de se ver

DISCO XIII
LET IT BE, lançado em o8 de Maio de 1970
\\|//
DEIXA SER, DEIXE ESTAR

“Get back”, lado B, faixa o5.

ou DE LEVE (Cássia Eller)

1.
Jojo era um cara que pensava que era
Mas sabia que era não
Saiu de Pelotas, foi atrás da hera
Trepadeira de verão

r.
De leve
De leve
De leve que é na contra-mão

2.
Sweet Loretta Martinica na cuíca
Muito garotão curtiu
Juram que viram Loretta de cueca
Dizem minas lá do Rio

e também TE LEVE (transcriação de rlalmeida @846r3)

1.
Jojo era um cara        que achava que era
mas no fundo            não era não
Jojo saiu de casa       foi pra Califórnia
Foi pra                 plantar camarão

r.
De leve
Te leve
De leve pra não insultar aos irmãos

2.
Doce Lorena Martinica        nas cuíca
Lorennão era                 mulher
Juram que a viram            usando cinta-liga
Vai levar                    até quando der

nos singles:

“I call your name”,
ou GAROTA MALVADA, de Renato Barros.

eu nunca tinha ouvido esta música, muito menos a versão de Barros, antes de iniciar esta pesquisa, então preciso jogar um poucochito mais os dados aqui, para conseguir coar uma versão desta. não posso dizer aqui a minha reação ao encontrar uma música dos irmãos Brittos que nunca tinha ouvido – recomendo muito esta sensação!

até onde consegui vasculhar, só saiu impressa nos volumes do PastMasters, do ano de 2oo6. porém, deve ter circulado a rodo nas rádios – em qual mídia, ainda me pergunto. a versão de Barros data de 1965.

ei-la, sem mais delongas,

GAROTA MALVADA (Renato Barros)

1.
Se espero por você
Você não vem
Tristonho eu fico
Sem ter ninguém

2.
Garota malvada
Finge que não vê
Que há tanto tempo
Espero por você

3.
Juro que já não posso
Mais um dia esperar
Meu bem volte logo
Não quero sofrer mais

Hey Jude”, no single que tem “Revolution” no outro lado.

é de Rossini Pinto esta versão, que ficou famosa pela interpretação de Kiko Zambianchi. para mim, antes da imersão beatlemaníaca a que me submeti, esta tradução em português era do próprio Zambianchi – artista talentoso, que já tinha três discos gravados para comprovar isto que falo, mas que teve um problema: o célere biênio 1988/89, que é onde está a primeira gravação desta música.

o biênio 2020/2021 já tem tudo para entrar pra a História como a virada de 88~89, e as pessoas que fazem de tudo para continuar no século 19.

se esta tradução pode ser esquecida, o nome de Rossini Pinto não: um dos grandes expoentes da década de 60, esteve junto tanto da vanguarda (Torquato Neto) quanto do movimento mais popular (toda a patota da Jovem Guarda: Agnaldo Timóteo, Wanderléa, Erasmo Carlos, e até mesmo dos irmãos Barros &t os Blue Caps), com uma frutífera produção autoral e de adaptações de músicas estrangeiras. chegou ao Rio de Janeiro na década de 50, trabalhando pelo Correio da Manhã, e daí para a boemia.

acho que agora ficou claro quem fez aquela versão muito boa que o Robertão musicou, não é?

HEY JUDE (Rossini Pinto)

1.
Hey Jude, não fique assim
Sabe a vida ainda é bela
Esqueça de tudo que aconteceu
Amanhã será um novo dia

2.
Hey Jude, pra que chorar
Por alguém que não te ama
Se o mundo agora te faz sofrer
Tudo vai passar, você vai ver

r.
Muita coisa vai fazer você mudar
Não tem mais razão de ser essa tristeza
Se alguém te faz sofrer, pra que lembrar
Mas vale tentar viver de esperança

3.
Hey Jude, olha pra mim
Veja o dia como está lindo
Esqueça de tudo que aconteceu,
amanhã será um novo dia

ou EI, JÚ! I(transcriação de rlalmeida @846r3)

1.
Ei Jú! Não fique assim!
Pegue o amargo e faça um doce.
Se lembre de deixá-la estar com você,
Tudo vai passar e até vai ficar bem.

2.
Ei Jú! Pra que chorar?
Você foi feito pra com ela ficar!
O minuto que a vestir toda em você
Daí já começou e vai ficar bem.

r1.
E sempre que sentir arder, ei Jú!, pra quê?
Carregar o mundo inteiro em suas costas
Você já sabe o tolo é quem se faz do bem
E só vê o mundo inteiro em tons de cinzas.

3.
Ei Jú! Deixe esse mal!
Você a conheceu e agora vai ganhá-la!
Se lembre de deixá-la estar com você,
Tudo vai passar e até vai ficar bem.

r2.
Então deixe entrar, deixe fluir! Ei Jú! É assim!
Você só esperava um alguém com quem pudesse estar.
E se já não sabe, é só você! Ei Jú! Vais ver!
O movimento que precisa é mexer as pernas!

“The ballad of John and Yoko”, no single que tem “Old brown shoe” no outro lado.

esta versão ficou famosa na música do grupo Titãs, e figura no disco de estreia da banda, lançado em 22 de Agosto de 1984.

porém, é uma versão ampliada da música de Lennon&McCartney: existe apenas um refrão que amarra-se aos cinco versos, na música original. Sérgio Britto, para cada verso, adicionou outro pacote de letras, fazendo cinco refrões.

se John (e Paul?) tivesse tido tempo, acredito que é o que ele teria feito. medalha de bronze para esta versão, primeiro: pelo afinco de Sergio Britto em completar a letra, já que pelo jeito ele achou que faltava coisas a serem ditas, e , segundo: por ter trazido mais para a nossa realidade e proximidade algumas das localidades mencionadas na versão original.

BALADA PARA JOHN E YOKO (Sérgio Britto)

1.
Barra limpa é o porto de Santos
Os barcos vão até o Japão
De ônibus ou trem, ninguém viaja sem
Vê se vestiu a calça ou está de calção

r1.
     [ Cristo não é biscoito
     [ As coisas sandam ruins
     [ Se é mau aos dezoito
     [ Me crucificam no fim

2.
De pára-quedas sobre Paris
Difícil ver casal mais feliz
Pular na cama do hotel
Atravessar o estreito de Gibraltar

r2.
     [ Cristo não é fumaça
     [ O sol está de rachar
     [ Se bebe a garrafa
     [ Me traz a cruz e o altar

3.
Fomos até Amsterdam
No vôo das sete da manhã
Os jornais querem saber o que pretendemos fazer
Eu digo: não conseguimos resolver

r3.
     [ Cristo, não tire a roupa
     [ Se você quer se queimar
     [ Debaixo da sombra
     [ Então comece a rezar

r.
Encha a boca e o bolso
Que é pra se chover
Dê a ropa velha aos pobres
Ela disse a você: “É tão fácil morrer!”

4.
De passagem pela Espanha
Os touros andam cheio de manhas
Lá no jornal ninguém escreve com giz
Nós já cansamos de tentar explicar

r4.
     [ Cristo, chá não é sopa
     [ A arca vai afundar
     [ E de popa em popa
     [ Só Noé vai se salvar

5.
Na fazenda lá em São Carlos
Pilatos lava a mão na colher
Disseram cê tá pinel, isso é amor de aluguel
Os dois sentaram foi no banco dos réus

r5.
     [ Cristo deu luz aos cegos
     [ Martelo é fácil de usar
     [ Se acharem três pregos
     [ Vão é me crucificar

ou UMA BALLADA COM YOKO ONO &t JOÃO LÊNNÃO (transcriação de rlalmeida @846r3)

1.

Parado em uma das docas de Santos
O plano é Paris ou Amsterdam
O escocês de quepe disse, “O que vocês fazem aqui?”
A gente viu que não passava ninguém!

r.
     [ Deus! A vida não é mole!
     [ Não está fácil pra ninguém!
     [ Pra mim, até parece
     [ Querem crucificar alguém!

2.
Embarcamos para o trem de Paris
Lua de mel às margens do Rio Sena
Peter Brown disse “gente, vai, calma!
O próximo ponto é Gibraltar, não é lá  que vocês queriam casar?”

3.
Trocamos Paris pelo Hilton de Amsterdam
No quarto analisa a relação
O jornal estava encafifado, “Vocês nunca saem do quarto!”
Eu disse “É pra fugir da prisão!”

r2.
     [ Economizar grana para o dia ruim
     [ Doa à caridade tudo o que tem
     [ Ontem mesmo disse a patroa pra mim,
     [ “Já reparou que desta vida não se leva um vintém!”
     [ Pensa!

4.
Viajamos rapidinho até Viena
Pudim de chocolate e camarão
O jornal estava indignado, “perdemos o nosso soldado!
Quem será o homem da relação?”

5.
Pegamos o primeiro vôo para Londres
Trinta parangas na bagagem de mão
O jornal teve quase um infarto, “Que bom que vocês voltaram!
Aqui vocês são a sensação!”

. – . – . – . – . – . – . – . – . – . – . – . – . – . – . – . – . – . – . – . –

com toneladas de páginas & mais páginas impressas digitalmente, declaro encerrado o assunto dos irmãos Brittos, reconhecendo que seu cancioneiro ainda é composto pela multitude de discos de estúdio que cada um dos quatro cavalheiros de Liverpool compilou em sua vida pública, em carreiras particulares.

&t,
claro,
podem existir ainda outras versões que estas que destilei aqui neste uébidocumentário,
sintam-se à vontade para me comunicar . . .

versas de outros autores – parte III de IV

versas de outros autores – parte III de IV

chegado o fim do processo de transcriação, vou lhes mostrar um pouco do que me deparei ao longo do caminho trilhado.

este artigo aborda a terceira parcela de versões (de um total de 31 versões) em alto &t bom português do Brëzyl para os The Beatles, do décimo disco de estúdio.

o White Album chegou quase no fim da trajetória do quarteto de Liverpool. uma longa &t confusa trilha já tinha sido percorrida pelo quarteto, quando este disco chegou às prateleiras. é o disco que aproxima Caetano Veloso, Cássia Eller &t Carlos Drummond de Andrade: Caê traduz algumas faixas para a edição da semana de lançamento do disco, na revista Veja; Drummond, para a edição de Março / 69 da revista Realidade; e Cássia, no meio dos anos 90, para si mesma. nas versões em português, é o disco que tem mais faixas vertidas ao idioma da última flor do Lácio.

o mundo inteiro ouvia aos The Beatles, menos meu macaco &t eu.

DISCO X: WHITE ALBUM, lançado em 22 de Novembro de 1968
\\|//
DISCO VAZIO

“Dear Prudence”, lado A, faixa o2.

CARA PRUDÊNCIA (Caê)

1.
Cara Prudência, vais ficar em casa?
Não vens saudar o novo dia em brasa?
O céu no alto, o céu azul
Tudo isso é belo &t bela és tú
[ Cara Prudência, vais ficar em casa?

2.
Cara Prudência, abre os olhos teus
Abra-os e vê ensolarados céus
Os passarinhos cantando, o vento mudo
Dizem que tú é parte de tudo
[ Cara Prudência, abra os olhos teus

r.
Olha em torno, tudo
Tudo em torno
Tudo

3.
Cara Prudência, quero ver-te rindo
O teu sorriso de criança linda
Nuvens de margarida surgirão
Por que não me sorris, então?



MINHA PRUDÊNCIA (transcriação de rlalmeida @846r3)

1.
Minha Prudência                    por que não vem brincar?
Minha Prudence                     vem ver o dia chegar
A Sol saiu e o céu faz blém        são bonitas e você também
Minha Prudence                     você não vai vir brincar?

2.
Minha Prudência                    abra bem os olhos teus
Minha Prudence                     olha esse céu das Sóis
A brisa é leve, tem passarinhos    você faz parte disso tudinho
Minha Prudence                     por que não abre os olhos teus?

r.
Olhe em volta
((volta, volta, dá uma volta))

3.
Minha Prudência                    me deixa te ver sorrir
Minha Prudence                     uma criança a florir
As nuvens são elos de lírio        quero te ver a sorrir
Minha Prudence                     por que não abre o sorriso teu?



“Ob la di”, lado A, faixa o3

OBLADÍ, OBLADÁ (CDA)

1.
Desmond tem um carrinho na praça do Mercado
Molly vocaliza numa conjunto
Desmond diz pra Molly: “Por teu rosto sou vidrado”
Molly diz: “O quê?” e pega-lhe na mão

r.
Obladi, obladá, a vida continua, olá,
Olalá, como a vida continua!
Obladi, obladá, a vida continua, olá,
Olalá, como a vida contnua!

2.
Desmond toma o ônibus, vai à joalheria
Compra anel de ouro de ofuscar
E leva-o a Molly, que espera junto à porta,
De anel no dedo, eis Molly a cantar

r.
[ Em um par de anos terão construído um lar bacana doce que nem cana
[ Um par de garotos corre pelo pátio desse casal unido

3.
Olha Desmond feliz na praça do Mercado
Ao lado, os molequinhos ajudando
Molly ficou em casa se enfeitando
E à noite ainda canta no conjunto

4.
Olha Molly feliz na praça do Mercado
Ao lado, os molequinhos ajudando
Desmond ficou em casa se enfeitando
E à noite ela ainda canta no conjunto
     [ E se querem se divertir, obladí olbladá!


ÔB LÁ DÍ, ÔB LÁ DÁ (transcriação de rlalmeida @846r3)

1.
Desmond tem um buteco              na praça do Mercadão
Molly é cantora                    em uma banda
Desmond diz pra Molly              “Mina tu é um tesão”
E ela repete enquanto              o leva pela gola

r.
[ Ôb lá dí ôb lá dá vida afora!
[ Assim é que anda o trem bom!

2.
Desmond vai de trem                até o joalheiro
Pra comprar                        ouro vinte quilates
Volta para Molly                   a encontra na estação
Foi só mostrar                     e ela começa a cantar

r.
[ Em pouco tempo eles formaram um          lar doce lar
[ Já têm crianças e correm no quintal de Desmond e Molly Jones

3.
Felizes para sempre                Na praça do Mercadão
Molly leva as crianças             pela manga
Desmond fica em casa               e testa seu carão
E de tardinha ela ainda            canta com a sua banda.

4.
Felizes para sempre                Na praça do Mercadão
Desmond leva as crianças           pela manga
Molly fica em casa                 e testa seu carão
Mais de tardinha ela ainda         canta com a sua banda



“Happiness is a warm gun”, lado A, faixa o8.

ou A FELICIDADE É UM REVOLVER QUENTE (CDA)

1.
Até que essa garota não erra muito
oi  oi  oi   oi  oi  oi    oi  oi

2.
Acostumou-se ao roçar da mão-de-veludo como lagartixa na vidraça
O cara da multidão, com espelhos multicores sobre seus sapatões ferrados

3.
Descansa os olhos enquanto as mãos se ocupam no trabalho de horas extraordinárias
Com a saponácena impressão de sua mulher que ele papou e doou ao Depósito Público

r1.
Preciso de justa-causa porque vou rolando para baixo
Para baixo, para os pedaços que deixei na cidade-alta
Preciso de justa-causa porque vou rolando para baixo

r2.
Madre Superiora dispara o revólver

4.
A felicidade é um revolver quente
     [ A felicidade é um revolver quente
Quando te pego nos braços
     [ E meus dedos sinto em teu gatilho
[ Ninguém mais pode com a gente
     [ Pois a felicidade é um revolver quente, lá isso é.


A FELICIDADE É UMA ARMA BRANCA (transcriação de rlalmeida @846r3)

1.
Ela não é do tipo que sente saudades
do do do do do do, não é!

2.
Ela tem familiaridade com a luva de veludo, lagarto amassado no acostamento
O homem das multidões na sua bota de escalada de multicoloridos espelhos

3.
Fecha os olhos pra descansar, e trabalha três períodos de mãos cheias
Lembrança da ex-esposa doada ao Tesouro Nacional que virou sopa e depois janta

r1.
Preciso dar um jeito porque fui pra descarga
Pequenos pedacinhos do que já fui
Preciso dar um jeito porque fui pra descarga

r2.
Madre Superiora desvia das balas (x7)

3.
Felicidade é uma arma branca
     [ estar feliz      bang bang   tiroteio
Eu te tenho em minhas mãos
     [ Daí eu sinto meu dedo em teu gatilho
[ E a certeza de que ninguém vai me machucar, porque
     [ é uma arma branca, minha irmã

(estar feliz      bang bang   tiroteio)
Felicidade é uma arma branca, ela é assim
(estar feliz      bang bang   tiroteio)
Felicidade é uma arma, ela é assim, branca
(estar feliz      bang bang   tiroteio)
Quem não sabia que a felicidade é uma arma branca, minha irmã?
(estar feliz      bang bang   tiroteio)


“Black bird”, lado B, faixa o3.

ou PÁSSARO PRETO (Caê)

1.
Pássaro preto que canta no preto da noite
Toma estas asas quebradas e aprende a voar
Toda a tua vida
Esperaste por este momento para levantar

2.
Pássaro preto que canta no preto da noite
Toma estes olhos vazados e aprende a voar
Toda a tua vida
Esperaste por este momento para ser livre

r.
     [ Pássaro preto voa para
     [ Dentro da luz da noite


e MELRO (CDA)

1.
Melro que cantas no morrer da noite
Com estas asas rotas aprende teu vôo
A vida toda
Esperaste a hora e a vez de teu vôo

2.
Melro que cantas no morrer da noite
Com estes olhos fundos aprende a ver
A vida toda
Esperaste a hora e a vez de ser livre

r.
Voa, melro, voa
Para o clarão da escura noite

e PÁSSARO NEGRO (transcriação de rlalmeida @846r3)

1.
Pássaro negro                na calada da noite
Pegue estas asas partidas    e aprenda a voar
A vida inteira
Você estava esperando        por isso acontecer

2.
Pássaro negro                na calada da noite
Pegue estes olhos profundos  e aprenda a enxergar
A vida inteira
Você estava querendo         apenas se libertar

r.
Pássaro negro voa
Pássaro negro voa
Para dentro da luz da noite

“Piggies”, lado B, faixa o4.

PORQUINHOS (Caê)

1.
Você já viu os porquinhos rastejando na lama?
Para todos os porquinhos a vida vai piorando
     [ Sempre tendo a lama como cama

2.
Você já viu os grandes porcos em camisas engomadas?
Você sempre os sachará revolvendo a lama
     [ Camisas limpas sempre como camas

r.
Nos seus chiqueiros tão amparados eles não ligam ao que se passa em torno
Alguma coisa falta nos seus olhos: eles precisam mesmo de um bom soco.

3.
Por toda parte há um montão deles vivendo vidas porcas
Pode-se vê-los saindo pra jantar com suas sposas porcas, junto
     [ Agarrando garfos & facas para comer o seu presunto

PORCOS (CDA)

1.
Viste os porquinhos rebolando na imundície
Para todos os porquinhos, a vida está cada vez mais difícil
     [ E brincam sempre na sujeira por aí

2.
Viste os maistaludos porquinhos em suas engomadas alvíssimas camiss?
Olha osmais taludos porquinhos em algazarra naimundície
     [ Com camisas alvíssimas a folgar por aí

r.
Em seus chiqueiros plenamente protegidos, ao que vai por aí nem ligam
Nos olhos deles falta uma coisinha: precisam mesmo é de uma porcaria

3.
Por toda parte há muitos poruinhos vivendo suas porquinhas vidas
Podes vê-los para o jantar saindo com suas porquinhas mulherinhas
     [ De garfo e faquinha para comer presunto

e PORQUINHOS (transcriação de rlalmeida @846r3)

1.
Você já viu os três porquinhos   rastejando a lama?
Para todos os três porquinhos    a vida é um grande drama
     [ Tendo muita terra pra usar dela!

2.
Já notou os maiorzinhos           o crachá nas gravatas?
A gente encontra os maiorzinhos   a chafurdar nas latas
     [ Tendo suas camisas pra sujar elas!

r.
Dos chiqueiros luxuosos
Não sabem quem volta pra o Leblón
Nos seus olhos de brisa vaga
O que precisam é de uma (boa) palmada!

3.
Está tudo cheio de porquinhos    convivem seus cisticercos
A gente os vê por aí, saindo     Trazendo seus fedelhos
     [ Trajando garfo &t faca atrás do bacon

“Why don’t we do it in the road”, lado B, faixa o7.

POR QUE A GENTE NÃO FAZ NA ESTRADA MESMO? (Caê)

Por que a gente não faz na estrada mesmo?
Ninuém vai olhar pra gente

e POR QUE NÃO AQUI NA ESTRADA? (CDA)

E por que não aqui na estrada?
Não há ninguém para ver nada

e POR QUE NÃO FAZEMOS TUDO ISTO AGORA AQUI NA ESTRADA, MESMO ? (transcriação de rlalmeida @846r3)

Por que não fazemos isso aqui na estrada?
Por que não fazemos isso agora na estrada, mesmo?
Por que não fazemos isso agora aqui na estrada?
Por que não fazemos tudo isso agora aqui na estrada, mesmo?
Ninguém está nem aí pra nós!
Vamos resolver esse nosso problema agora mesmo!

”I will”, lado B, faixa o8

ou FAREI TUDO (CDA)

1.
Desde sempre te amei e bem sabes que ainda amo
Devo esperar tod a vida? S quiseres, esperarei

2.
Se alguma vez te vi nem sequer teu nome escutei
Mas isso não faz diferença: sempre a mesma coisa sentirei

r.
     [ Eu te amarei por todo o sempre, sempre,
     [ Desde a raiz do meu coração
     [ E te amarei uando estivermos juntos
     [ E te amarei na solidão

3.
Quando finalmente te encontrar tua canção envolverá o espaço
Cante bem alto, para eu escutar. Tudo farei para te dar o braço
Pois tudo em ti me prende a mim
Bem sabes que farei tudo
Tudo farei

e VOU SIM (transcriação de rlalmeida @846r3)

1.
Quem sabe o quanto eu te amei   Parece que ainda é assim
Vou viver pra ser sozinho       Se pedir, eu vivo sim

2.
Se não te conhecesse            Nunca ia saber o teu nome
Nomes não têm importância       Meu amor ainda ia ser só teu

r.
     [ Meu amor é pra sempre e todo o sempre
     [ Meu amor é com toda paixão
     [ Te amo mesmo se estamos juntos
     [ Te amo de longe, longão

3.
Por fim se eu te achasse        Uma orquestra no meu lar
Cante alto pra te ouvirmos      Abra espaço pra te rodearmos
Só você me dá ternura           Você já viu que eu vou
Vou sim!


“Everybody’s got something to hide”, lado C, faixa o4.

TODO MUNDO TEM ALGUMA COISA A ESCONDER, MENOS EU E O MEU MACACO (Caê)

1.
vem, vem ver, vem, vem ver
vem, é bom de ver
vem, é bom de ver
vem, devagar                   bem devagar

r1.
todo mundo guardou alguma coisa, menos eu & o meu macaco

2.
quanto mais fundo você vai, mais alto você voa
quanto mais alto você voa, mais fundo você vai

3.
o lado de dentro é o lado de fora
o lado de fora é o lado de dentro

r2.
todo mundo conseguiu esconder alguma coisa, menos eu e o meu macaco

e TODOS TÊM ALGO PRA ESCONDER, EXCETO MEU MACACO E EU (transcriação de rlalmeida @846r3)

1.
Vamos lá, vem, vambora!
Vamos lá, isso é bem legal!
Pega leve e vai, vamos com calma!
Vamos lá, vamos pegar leve!
Pegar lve!

r.
Todo têm algo pra esconder, exceto meu macaco e eu!

2.
Se mais fundo é que vai, é porque mais alto é o vôo
Se mais alto é o vôo, é porque mais fundo é que vai
Vamos nessa!
Vamos lá, isso é bem legal!
Vamos lá, vamos facilitar!
Vamos lá, vamos pegar leve!
Pegar leve!

r.
Todos têm algo pra esconder, exceto meu macaco e eu!

3.
O de dentro guarda lá fora, e o de fora guarda lá dentro
O de fora guarda lá dentro, e o de dentro guarda lá fora
Vamos nessa!
Vamos lá, isso é bem legal!
Vamos lá, vamos facilitar!
Vamos lá, vamos pegar leve!
Pegar leve!

r.
Todos têm algo pra esconder, exceto meu macaco e eu!

“Revolution 1”, lado D, faixa primeira.

ou REVOLUÇÃO, de Cassia Eller

talvez por ser uma Cássia Eller em começo de carreira (sic), e por ser uma música cara ao cancioneiro beatlemaníaco, Cássia não abusou o tanto quanto podia desta letra, sem correr o risco de traí-la enquanto literatura. ela quis ser literal, certinha, fiel – ou talvez teve medo de andar nas costas dos gigantes, sem ter visto que já era, também, uma gigante adormecida em berço esplêndido. a literalidade das rimas e dos substantivos pesa quando a gente tenta cantar sua versão, porque ninguém mais é Cassia Eller: talvez só ela soubesse o jeito preciso de cantar sua letra.

não pude ver Cássia ao vivo, mas ela tinha um jeito muito especial e próprio de fazer suas músicas – e a dos outros – por isso não duvido que quando fizesse a Revolution number one soasse exata e qual aos meninos de Liverpool, mesmo nesta tradução que considero careta, quando comparada à bombástica letra original, uma legítima ode ao tempo em que foi escrita.

REVOLUÇÃO (Cássia Eller)

1.
Você quer ver uma revolução
Você sabe de tudo
Sempre se quer mudar o mundo
Você diz que isso é evolução
Você sabe de tudo
Sempre se quer mudar o mundo
     [ Mas se o papo é destruição
     [ Malandrinho eu não tô nessa não

r.
E tudo vai ficar legal

2.
Você diz pra tudo tem solução
Você sabe de tudo
Me dá a receitada poção
Você me pede essa contribuição
Você sabe de tudo
Cada um dá o seu tostão
     [ Quando você quer pro povo um lance além
     [ Meu irmão fique frio que a paz já vem

3.
Você quer mudar a constituição
Você sabe de tudo
Tá sempre cheio da razão
Você me diz que isso é uma instituição
Você sabe de tudo
Ser livre assim não vai dar não
     [ Se você quer a Mao Tse Tung assim
     [ Se toca querido, essa trip é demais pra mim


e REVOLUÇÃO PRIMEIRA (transcriação de rlalmeida @846r3)

1.
Você se diz a favor da revolução
A gente já sabe
Quem aqui que vai mudar o mundo
Você me diz que isso é evolução
A gente já sabe
Quem vai mudar o mundo agora
     [ E quando se fala sobre a destruição
[ Uma certeza: eu não vou entrar nessa, não

r.
E você já sabe que isso é assim,
Do bem

2.
Você diz ter a real solução
A gente já viu
Estamos torcendo pelo plano
Você quer ver minha contribuição
A gente já viu
Estamos fazendo o que podemos
     [ E se quiser grana pra maldade no coração
     [ Uma certeza: eu não vou entrar nessa, não

3.
Você diz que vai mudar a constituição
A gente já entendeu
Quem vai passar a pagar as contas
Você me diz que isso é instituição
A gente já entendeu
É a sua cabeça defeituosa
     [ Pra que passeata com o gravata do Mao
     [ Uma construção coletiva só vai se for do Bem

versas de outros autores – parte II de IV

chegado o fim do processo de transcriação, vou lhes mostrar um pouco do que colecinei ao longo do caminho trilhado.

este artigo aborda a segunda parte de versões em português do Brëzyl (de um total de 30 versões) para os The Beatles, dos discos 05, 06, 08 e 09 (os discos 04, “Beatles for sale”, e 07, “Revolver”, não tiveram nenhumas das faixas traduzidas).

é o período em que o quarteto atingiu sua maioridade musical com experimentações&acordes rebuscados, o que fez com que os musicistas daqui trabalhassem dando menos atenção ao material do quarteto – talvez porque estivesse custando $$$mucha$$$plata$$$ para bancar direitos de autor para “apenas” transferir a mensagem para outro idioma.

cada um dos discos teve uma faixa pinçada para poder ser traduzida – acho que é válido dizer, a faixa capital de cada um dos discos, ou ainda, a faixa que mais retumbava dentro dos intérpretes.

DISCO V
HELP, lançado em o6 de Agosto de 1965
\\|//
ACUDA

“Yesterday”, lado B, faixa o6.

ONTEM (tradução de Rossini Pinto que ganhou fama pela voz de Agnaldo Timóteo)

1.
Eu pensei
Que não existisse tanto amor
Que a vida nunca fosse assim
Trazendo tanta dor pra mim

2.
Eu pensei
Que o amor nunca tivesse fim
O destino muito mau não quis
Que eu vivesse tão feliz

r.
ontem
Eu vivia feliz com alguém
Hoje
Vivo triste a sofrer sem ter ninguém

ANTIGAMENTE (transcriação de rlalmeida @846r3)

1.
Antigamente
Meus problemas estavam no além-mar
Agora vieram todos pra ficar
Eu acredito no antigamente

2.
De repente
Sobrou metade do que costumava ter
Tem um fantasma encarnado em mim
O antigamente chegou de repente

r.
Por que ela se foi
Eu sei lá, não quis dizer
Eu fiz algo ruim
Eu só espero o antigamente

3.
Antigamente
O amor era um jogo fácil de ganhar
Hoje eu tenho onde me afugentar
Eu acredito no antigamente

DISCO VI
RUBBER SOUL, lançado em o3 de Dezembro de 1965
\|//
ALMA GOMAE

“Michele”, lado A, faixa o7.

MICHELE (tradução de Rossini Pinto que ganhou fama na voz de Agnaldo Timóteo)

1.
Michele, meu bem
Hoje eu sei que o amor chegou
Chegou pra mim

2.
Michele, meu bem
A paixão que sinto não tem fim
Não tem fim

r1.
Te amo, te amo, te amo
Sem ti não sei viver
Não sei o que fazer
Se um dia te perder eu posso enlouquecer

3.Michele, meu bem,
Sou feliz se ao teu lado estou,
Vivo a sonhar

r2.
Te adoro, te adoro, te adoro,
Sem ti não sei vivir
Não sei o que fazer se um dia te perder posso enlouquecer

4.
Michele, meu bem
Eu sonhei que o mundo era ruim, tão ruim
E eu vivia tão sozinho e não gostava de mim, ó Michele.

MICHAELLA (transcriação de rlalmeida @846r3)

1.
Michaella, minha bela
São palavras que casam bem com ela
Minha Michaella

2.
Michaella, ma belle
Sont des mots qui vont trés bien, ensamble!
Trés bien!, ensamble

r1.
Te amo, te amo, te amo
É só o que eu sei dizer
Antes de achar um jeito
Só vou dizer as poucas palavras que sei que vai entender

3.
Michaella, kleine mädchen
Das sage ich und so immer gleich
So immer gleich

r2.
Te quero, te quiero, ich wunsche dir
Você tem que saber ver
O que um é pro outro
Até então eu fico aqui esperando você (me) perceber

r3.
Te quero, te quiero, ich wunsche dir
Já deu pra você perceber
Eu sempre chego até você
Até então só vou dizer o que sei que (você) vai entender

In my life”, lado B, faixa o4.

na sua segunda tradução para os Brittos, Rita Lee mantém o título – sendo que na anterior, mudou o nome da música, só porque tinha colocado nela sua letra.

a letra&música podem ser de Lennon&McCartney, mas pode acreditar: aqui é Rita Lee de Carvalho falando. é sua guitarra, é sua voz adocicada e levemente cavernosa, é sua a figura da Rê Bordosa de Angeli em seu expoente máximo até o momento, e menos o eu-lírico de Lennon&McCartney.

parece que data dos anos 80s, as duas versões de Lee. nas duas inclusive: estão semelhantes as rimas internas, externas, tempos verbais, e os substantivos, mas lá para a metade da letra começa aquela adaptada na mensagem, jeitinho brasileiro Herbert Richards de ser para entregar a mensagem original, porque convenhamos: o Brëzyl é para poucos!

MINHA VIDA (Rita Lee)

1.
Tem lugares que me lembram
Minha vida, por onde andei
As histórias, os caminhos
O destino que eu mudei

r1.
Cenas do meu filme branco e preto
Que o vento levou e o tempo traz
Entre todos os amores e amigos
De você me lembro mais

2.
Tem pessoas que a gente
Não esquece nem se esqueceu
O primeiro namorado
Uma estrela da TV

r2.
Personagens do meu livro de memórias
Que um dia rasguei do meu cartaz
Entre todas as novelas e romances
De você me lembro mais

3.
Desenhos que a vida vai fazendo
Desbotam alguns, uns ficam iguais
Entre corações que tenho tatuados
De você me lembro mais
De você, não esqueço jamais!


NA MINHA VIDA (transcriação de rlalmeida @846r3)

1.
Tem lugares que me lembram
do que vivi e do que mudou
d’alguns “pra sempre”, d’outros “melhoras”
dos que partiram e de quem restou

r1.
Os lugares e cada um destes momentos
Com amantes e amigos que ainda me vêem
Alguns se foram outros ainda são bem dançantes
Na minha vida os amei demais

2.
Dos que conheço e ainda amo
não existe ninguém no teu patamar
O saudosismo perde o sentido
quando vejo o amor que você me traz

r2.
Eu sei, não tem como parar com isso
O que já se foi, querer bem&mais
A gente só aprende com a Distância
Na minha vida, os amei demais

Amei-os todos demais

Run for your life”, lado B, faixa 07.

ou “Dona do meu coração”, de Renato Barros:

DONA DO MEU CORAÇÃO (Renato Barros)

1.
Um dia vi o meu amor saindo com um rapaz
E eu não o conhecia e então sofri demais
r1.
Dei meia-volta, fui pra casa e não voltei mais
Vi que todo meu amor foi em vão
Perdi a dona do meu coração

2.
Mas no dia seguinte ela então telefonou
Tentando explicar aquilo que me magoou
r2.
Então me disse que queria o meu perdão
Que aquele rapaz era seu irmão
Que só ela é dona do meu coração



& ainda, também do Renato Barros &t os Blue Caps,


“You wont see me”, lado A, faixa 03.

como “Até o fim”, de Renato Barros,

ATÉ O FIM (Renato Barros)

1.
Você vai crescer e então verá
Como é bom sofrer, sofrer e amar

r.
Se eu não sou seu bem
Porque é jovem pra mim
Eu te esperarei
Até o fim

r2.
     [ O tempo passa depressa, querida
     [ Então, nós dois uniremos nossas vidas

2.
O amor é assim, nos faz sofrer
Com você serei capaz de morrer


a gente vive tirando o domínio e traquejo do idioma strangeiro do Roberto Barros, mas destas duas músicas ele fez suas versões – coisa que mesmo depois de uma imersão profunda dentro do cancioneiro beatlemaniaco, eu ainda não apresentei uma versão convincente.

minha versão, não consegui avançar muito além dos títulos: “Quem vai me ver”, ou talvez “Ninguém vai nem ver”. para a segunda música, “Correr tudo o que tem, garotinha”.

vejamos aqui mais um pouco, deixa-me jogar uns dados . . .

DISCO VIII
SGT PEPPERS LONELY HEARTS CLUB BAND, lançado em primeiro de Junho, 1967. primeiro dia, pleno verão do Amor!!!
\\||//
SARJA PÉPPERS &t OS LOU NÍLLI RÉRTZ CLUBE/BANDA


“Lucy in the sky with diamonds”, lado A, faixa o3,

Raul Seixas estava longe de estar bem de vida quando entrou para a carreira musical. Seu primeiro exercício em estúdio é este registro de 1967, lançamento de 1968, “Raulzito e os panteras”.

na hora pode ter sido uma grande idéia falar outra coisa, quando chegasse o refrão, mas hoje eu vejo com um dos maiores problemas dessa versão. principalmente quando eu mesmo me dei ao luxo de transgredir a regra maior da tradução, “não traduzirás nomes próprios”, para dizer de nossa Luzia, verbo & substantivo, carne que se fez fóssil, fóssil que virou cinzas do Museu de História Nacional, porque afinal de contas, era esta faixa que soava no acampamento quando a re-encontraram.

VOCÊ AINDA PODE SONHAR (Raul Seixas)

1.
Pense num dia com gosto de infância
Sem muita importância procure lembrar
Você por certo vai sentir saudades
Fechando os olhos verá
r1.
[ Doces meninas dançando ao luar
[ Outras canções de amor
[ Mil violinos e um cheiro de flores no ar

r.
Você ainda pode sonhar!

2.
Feche seus olhos bem profundamente
Não queira acordar procure dormir
Faça uma força você não está velho demais
Prá voltar e sorrir
r2.
[ Passe voando por cima do mar
[ Para a ilha rever
[ Vá saltitando sorrindo a todos que vê


LUZIA DOS CÉUS DIAMANTES (transcriação de rlalmeida @846r3)

1.
Imagine que desce um caiaque a vereda
Árvores tangerina e céu de marmelada
Alguém lhe chama, devagar atende
É a garota de caleidoscópio n’olhar
r1.
[ Flores celofane verdes&amarelas
[ Deslizam na tua cabeça
[ Cadê a garota com a Sol nos olhos
[ Já foi!

r.
Luzia do Céu Diamantes!

2.
A segue até a ponte bem perto da fonte onde
Cavalos de pau manjam mexericas
Todos te sorriem e navega entre as flores
Que crescem a perder de vista
r2.
[ Táxis de papelão estacionam na costa
[ Querem te levar com eles
[ Aceita a carona a cabeça nas nuvens
[ Partiu!

3.
Imagine que está em um trem numa estação
Dos porteiros de plástico com gravatas borboleta
De repente nota alguém lá na catraca
É a garota de caleidoscópio n’olhar



DISCO IX: MAGICAL MYSTERY TOUR, lançado em 28 de Novembro 1967
\\|//
A MÁGICA O MISTÉRIO A TOUR



“The fool on the hill”, lado A, faixa o2.

não exite neste lado do Atlântico, e a esta altura do Equador, pessoa que difundiu tão bem a mensagem dos The Beatles quanto Cassia Eller . . . a Palavra, por assim dizer.

e a gente sabe que a Cássia era fluente em inglês, apreendido das ruas e menos dos cadernos. Cássia Eller é a última grande figura a ficar famosa interpretando o que outras pessoas escreveram – depois dela, tem início a Era de que o musicista bom é aquele que escreveu a própria boa música.

por isso que o seu Tolo da colina leva a medalha de prata: não há transgressão da métrica original, não há traição da mensagem. não acontecem outros sons sendo pronunciados, e as rimas, levemente diferentes, cabem dentro dos mesmos tamanhos e tempos de versos.

Cássia vai traduzir mais quatro músicas do quarteto, ficando atrás, em números, de Carlos Drummond de Andrade, e Renato Barros. um diferencial é que ela sempre levava suas traduções para o palco, meio que fazendo questão de ilustrar um método de transformar poesia em música – e CDA e Caê & outras companhias limitadas deixaram suas versões estáticas, no papel.

O TOLO DA COLINA (Cássia Eller)

1.
Dia após dia, sentado e só              No alto de uma colina
Um homem               vive             a pensar                
Ninguém sabe o nome dele                Nem se importam com o que ele faz
Todos caçoam dele                      
r1.
[ Pois um homem normal
[ Não se importa nem vê
[ Que os olhares do mal
[ Brilham mais que os do bem

2.
Noite após noite                       Sem par estará
Impassivelmente sentado       Um estático doido a pensar
Ninguém viu nos olhos dele             Nunca o som de uma só palavra
Todos só fogem dele

r3.
Ninguém viu que deus é o tolo
Que habitava na sua carne
Pena não perceberem



O LOUCO LÁ EM CIMA (transcriação de rlalmeida @846r3)

1.
Dia após dia                      Sozinho lá em cima
O homem de sotaque irrita         e nunca desce pra vida
Mas ninguém quer saber dele       De vez em quando anda de joelhos
Ele nunca responde                a nada
r1.
     [ Tem um louco             lá em cima
     [ Vendo a Sol              ir-se embora
     [ Quem o olha nos olhos    vê o mundo rodar

2.
Roda o caminho                    A cabeça lá no alto
O homem tem mais de mil vozes     Ele nunca grita baixo
Mas ninguém nunca                 ouve dele
Nem aos sons que                  tenta emitir
Pra ele isso não                  faz falta

3.
Aqui ninguém gosta dele
Eles sabem o que ele quer
Ele não fala do que gosta

r3.
     [ Tem um louco                      lá em cima
     [ Vendo a Sol                       ir-se embora
     [ Quem o olha nos olhos             vê o mundo rodar

4.
Mas ele não ouve a ninguém
Eles é que são a loucura
Eles não gostam dele

versas de outros autores – parte I de IV

chegado o fim do processo de transcriação, vou lhes mostrar um pouco do que encontrei ao longo do caminho trilhado. muitas das minhas escolhas, enquanto tradutor, aconteceu depois de encontrar essas pérolas e ver como acontecia a transposição, o resignificar para se apropriar, dentro da dinâmica de cada um dos textos.

este artigo aborda as primeiras versões (de um total de 30 versões) em alto e bom português do Brëzyl para os The Beatles, dos primeiros três discos de longa duração.

DISCO I:
PLEASE, PLEASE ME, lançado em 22 de Março, 1963.
\\|//
VAI, ME HONRE SIM

Love me do”, lado B, faixa primeira.

é de Renato Barros a primeira tradução do quarteto de Liverpool. alguém tinha que começar essa tarefa, e, logo que a música original chega às rádios, o grupo Renato &t Seus Blue Caps apresenta esta versão.

Renato Barros é um dos mais ativos tradutores no tocante ao cancioneiro musical. em sua longa vida, pode traduzir as múscias que seus heróis cantavam: Elvis Presley, Violeta Parra, Bob Dylan, tudo travestido de bailinho.

seu trabalho parece datado, mais precisamente daquela época em que o tradutor não precisava saber nada do idioma original: traduzia-se por instinto! ou será que era só a pressa?

os Blue Caps ainda vão botar a mão em mais seis músicas do cancioneiro dos meninos de Liverpool (em mais sete, se contabilizarmos também “Oh! Please, Mr. Postman”), sendo os que mais traduziram os The Beatles em terras tupiniquins.

SOU TÃO FELIZ (Renato Barros)

1.
Sou tão feliz    Vivendo assim
Sabendo que             o seu
Amor é pra mim      Só pra mim

2.
Posso dizer       Que agora encontrei
O amor que      sonhei
Pra mim             Só pra mim

r.
Meu coração     Tanto sofreu
Porém você        Apareceu

AMOR IGUAL AO TEU (transcriação de r.la.lmeida @846r3)

1.
Um amor igual ao teu
Já sabe é só teu
Sou inteiro teu

r.
Um amor igual ao amor igual ao amor
Igual ao teu

2.
Alguém pra amar
Alguém que não é você
Alguém pra querer
Alguém que só é você

DISCO II
WITH THE BEATLES, lançado em 22 de Novembro, 1963
\\|//

JUNTO AOS BRITTOS

“All my loving”, lado A, faixa o3.

mais uma das traduções de Renato Barros e seus irmãos, Paulo César Barros e Ed Wilson. levava bastante em consideração os esforços do grupo para verter a música para meu idioma materno, até o momento que aprendi o inglês enquanto idioma estrangeiro: daí, passei a entender o termo “caça-níqueis”, em alto & bom português. também foi um dos meus primeiros contatos com o quarteto: todo mundo tem aquela tia que sempre botava o disco dos Blue Caps pra tocar pra começar a festa…

FECHE OS OLHOS (Renato Barros)

1.
Feche os olhos e sinta, um beijinho agora
De alguém que não vive sem você
Que não pensa e nem gosta de outra menina
E tem medo de lhe perder

2.
Todo amor desse mundo, parece querida
Que está dentro do meu coração
Por favor queridinha, divida comigo
Um pouco da minha paixão

r.
Coisa linda,     coisa que eu adoro
A gotinha        de tudo que eu choro

TODO MEU AMOR (transcriação de r.l.almeida @846r3)

1.
Fecha os olhos para um beijo, Amanhã não te vejo
Te lembra,                 eu sou sempre teu
Se não estivermos juntos      Em você é em quem penso
Te escrevo                 numa carta meu amor

2.
Vou fingir que são teus       Os lábios que são meus
Nascemos pra nos amar por inteiro
Se não estivermos juntos      Em você é em quem penso
Te escrevo                 numa carta meu amor

r.
Todo o meu amor eu tenho para te dar
Amor inteiro, isso é verdadeiro

Until there was you” (letra de Meredith Wilson), lado A, faixa o6.

é de Alberto de Castro Guedes, nome real de Beto Guedes, a versão da letra de Meredith Wilson – sim, é uma música que ganhou as ondas do ZYW desta imensa esfera azul na versão dos irmãos Britto, mas que não foi escrita por nenhum dos elegantes rapazes, e sim por uma antiga namoradinha do vocalista Mick Jagger, dos The Rolling Stones.

mesmo se afastando um pouco do significado dos substantivos presentes na música, considero a medalha de ouro no pódio das traduções do cancioneiro, porque métrica e rima foram levadas muito a sério. grande parte deste mérito é devido ao esforço em verter o clima bucólico e medieval das origens de Meredith. uma pena que Beto não tentou mais versões dos meninos de Liverpool, ou então, ainda bem que ele não tentou mais versões e pode se dedicar a fazer a própria música! Evoé, mestre Beto!!!

QUANDO TE VI (Beto Guedes)

1.
Nem o sol, nem o mar, nem o brilho das estrelas
Tudo isso não tem valor sem ter você

2.
Sem você nem o som da mais linda melodia
Nem os versos desta canção irão valer

r.
    [ Nem o perfume de todas as rosas
    [ É igual à doce presença do seu amor

3.
O amor estava aqui mas eu nunca saberia
Do que um dia se revelou quando te vi

ANTES DE TI (versão r.l.almeida @846r3, letra de miss Meredith Wilson)

1.
Soavam os sinos na montanha     E não ouvi nenhum barulho
Nunca que ouvi nenhum sinal     Antes de ti

2.
Voavam as aves lá no céu        E não pude ver seus pulos
Nunca que vi nenhum sinal       Antes de ti

r.
     [ Você soa à música de brilhantes rosas
     [ E canta só as doces fragrâncias Do dia e da noite

3.
O amor estava aqui               E não pude vê-lo entrando
Nunca que enxerguei nenhum sinal   Antes de ti

“Mr. Postman” (letra de  Georgia Dobbins &t Garret &t Gorman &t Holland & Bateman), lado A, faixa última.

Mais uma versão de Barros &t os Blue Caps.

ESCREVA LOGO (Renato Barros)
     [Meu bem, eu espero a sua carta, mas ela nunca vem
r.
Estou cansado de esperar
Você não pode imaginar
O quanto sofro aqui
Passo o tempo todo sem saber
Aonde posso encontrar você

1.
Eu vivo sempre esperando
O carteiro na rua passar
Ele sorri e não entende
Como é tão triste viver a esperar

2.
Por uma carta que eu espero a tanto tempo,
Já me conhece bem
Pois quando passa, logo me olha
E sempre fala que hoje não tem

3.
Querida, por favor escreva alguma coisa,
Pois o que foi que eu fiz
Se eu errei, se sou culpado,
Diga logo, não me faça infeliz

(Não me deixe assim, eu só quero que você)

(Escreva logo, escreva logo, meu bem )

SENHOR CORREIOS (versão r.l.almeida @846r3)
[ Ei, aí, olhá lá, espere um pouco senhor Correios
r.
     [ Senhor Correios, olha aí
     [ Se chegou uma carta para mim aí
     [ Estou esperando faz um tempão
     [ Quero saber mais da mina do Verão

1.
Hoje vai ser diferente
Chegou uma carta lá do Oriente
Senhor Correios, por favor olha aí
Se chegou carta para mim aí

2.
Fico na espera, caro senhor Correios
Exercito os meus anseios
Talvez um postal, melhor uma carta,
Com boas novas, ela está de volta

3.
Todos os dias você passa pela rua
E percebe a minha grande agonia
Você não pára, nunca me melhora
Me deixe um postal, quem sabe uma carta

DISCO III
A HARD DAY’S NIGHT, lançado em 10 de Julho, 1964.
\\|//
A DIFÍCIL NOITE DE UM DIA

este disco é o que teve mais versões cantadas em português nas rádios: quase a totalidade do lado A foi vertido, num total de CINCO faixas com versões no idioma da última flor do Lascio – atrás apenas do White Album, que é assunto em outra publicação – o que se explica pela grande febre da beatlemania que começava a assolar o mundo, neste primeiro disco com composições 100% autorais de John, Paul, Georgie e Ringo.

A hard day’s night”, lado A, faixa primeira.

é só no meio dos anos 80 que surge a versão de Wander Wildner, montado num cometa domando esta música. numa mistura de comédia e drama, ele usa outros substantivos para emular o efeito da letra de Lennon e McCartney: a história de um  cara que sai do trabalho e vai para a noitada encontrar a namorada, aproveitando muito bem a melodia e o ritmo dos garotos de Liverpool.

TRABALHO DURO (Wander Wildner)

1.
Eu trabalhei o dia inteiro e tô cansado pra caralho
Eu me virei feito um cão, mas tô saindo do trabalho
Vou dar um rolê pela city, beber um vinho no “Oci”
Daí então vou te ligar

2.
Eu trabalhei o dia inteiro e tô cansado pra caralho
Eu me virei feito um cão, mas tô saindo do trabalho
Eu vou beber com os amigos, dar risadas com o Flu
Daí então vou te ligar

r.
Te encontrar e te beijar pra valer
E depois vou te levar pra passear e te amar!!!

3.
Eu trabalhei o dia inteiro e tô cansado pra caralho
Eu me virei feito um cão, mas tô saindo do trabalho
Vou dar um rolê pela city, beber um vinho no Zelig
Daí então te encontrar

A DIFÍCIL NOITE DE UM DIA (transcriação de r.l.almeida @846r3)

1.
Eu trabalhei o dia inteiro e tô cansado para caralho
Eu me virei feito um cão mas tô saindo do trabalho
Vou dar um rolê na citèe,           beber um vinho no “Öxxxé”
Se é com você,                      então tudo bem

2.
Eu trabalhei o dia inteiro para a gente ter mais do que pão
O que faz valer é te ouvir dizer que quer me dar mais do que a mão
Para que então reclamar?             Se está nós dois no sofá
E é só você                          Então tudo bem

r.
É só lá em casa Que tudo parece ficar bem
É só lá em casa Que dá para apertar você bem forte

I should have known better”, lado A, faixa o2.

esta faixa dos Blue Caps embalou muitos bailinhos de garagem, e eu, o quanto bailei, e quantas mãozinhas segurei, e o quanto vibrei ouvindo a esta música quando cantada no meu idioma materno – e um monte de gente deve ter sentido o mesmo que eu, à época e ainda hoje.

nem tudo são flores: é uma letra machista e chauvinista – nenhuma das músicas dos The Beatles tem isto como caráter, talvez elas sejam inocentes se as compararmos com os The Rolling Stones, enfim, isto é pano para outra manga…

se houvesse um pódio para as piores traduções, sem dúvida nenhuma esta versão dos irmãos Barros levariam a menção honrosa, graça às nuances de pedofilia inerente (abre aspas porque eu não quero nenhum envolvimento nesse negócio: “Larga essa boneca faça-me o favor”, isso eu não consigo falar, nem cantar enquanto xaveco, e muito menos imaginar! caras! meus amigos!! meus irmãos!!! aonde vocês estavam com a cabeça quando escreveram isso para os versos iniciais????). a menina é linda, e ainda brinca de bonecas: ela é só uma criança, portanto deixe-a crescer e daí a gente passa a ver o que as coisas podem ser.

MENINA LINDA (Renato Barros)
1.
Ah!     Deixa essa boneca, faça-me o favor
Deixe isso tudo e vem brincar de amor
De amor, hei hei hei  de amor

2.
Oh! Meu bem
Lembre-se que existe por ai alguém
Que tão sozinho vive sem ninguém
Sem ninguém, sem ninguém

r.
    [ Menina linda eu te adoro
    [ Menina pura como a flor
    [ Sua boneca vai quebrar
    [ Mas viverá o nosso amor

NÃO IMAGINAVA ISSO VINDO DE VOCÊ (transcriação de r.l.almeida @846r3)
1.
Ow, ow, ow não imaginava isso vindo de você
Não tem maneira de não te querer
Só você ei, ei, ei Só você

Ow, ow, ow nunca imaginei que ia beijar você
Isso é muito bom A gente acontecer
Você já vê ei, ei, ei Você já vê

2.
Ow, ow, ow já estava vendo antes disso acontecer
Se vai amar não precisa sofrer
Sem sofrer ei, ei, ei Sem sofrer

Ow, ow, ow nunca imaginei que ia beijar você
Isso é muito bom A gente acontecer
Você já vê ei, ei, ei Você já vê

r.
     [ Eu já te disse que te amo
     [ Você me ama e diz também
     [ Naquela noite veio o beijo (ai! ai! ai!)
     [ A gente está até hoje juntos

If I fell”, lado A, faixa o3.

Rita Lee Jones de Carvalho é uma musicista de mão cheia. Desde que adentrou o mundo da música, com os irmãos Sérgio Dias e Arnaldo Baptista, trabalhou e aprendeu demais. Lee Jones ainda traduzirá uma outra música do quarteto, e nela sim vai conseguir traduzir com 100% de aproveitamento.

PRA VOCÊ EU DIGO SIM (Rita Lee)

1.
Se eu me apaixonar
Vê se não vai debochar
Da minha confusão

r1.
Uma vez me apaixonei
E não foi o que pensei
Estou só desde então

2.
Se eu me entregar total
Meu medo é você pensar
que eu sou superficial

Se eu não fizer amor
Assim sem mais
Se você brigar e for
Correndo atrás de alguém

r2.
Não vou suportar a dor
de ver          Que eu perdi
Mais uma vez         meu amor

3.
Mas se eu sentir   que nós estamos juntos
Longe ou a sós No mundo e além

r3.
Pode crer que tudo bem
O amor             só precisa de nós dois
Mais ninguém

4.
Se você quiser     ser meu namoradinho
E me der o seu carinho      Sem ter fim
Prá você eu digo sim!

SE ME APAIXONAR (transcriação de r.l.almeida @846r3)

r.
Se me apaixonar por ti
Diz que vai olhar por mim
Ajudar na minha compreensão

Já amei uma outra vez
E achei que o amor é mais
Do que só estar com as mãos

1.
Se quiser minha afeição
Desde o começo
Eu tenho que saber
Que vai gostar só de mim

2.
Se eu te esperar, amor!
Não finja que
Não me vê
O amor é fácil machucar

r.
Não cause magoação de ver
Que esse nosso novo amor foi em vão!

3.
Já deu para entender que eu
Amaria te amar
A sua outra vai chorar

Quando ver que foi feito para mim
Se me apaixonar por ti

And I Love her”, lado A, faixa o5.

Robertão poderia ter levado alguma das três menções honrosas na tradução do cancioneiro beatlemaníaco, mas como ninguém sabe se ele existe, se ele discorda ou concorda com as queimadas da Amazônia para extrair minérios ou abrir caminho pa boiada pastar, se é carnívoro, vegetariano ou tanto faz se for para fazer um comercial na tevê, se anda com as duas pernas, se é ele mesmo quem escreve o seu material, e se ele pode receber alguém nos camarins depois ou antes dos shows, preferi abafar a polêmica e deixá-lo talvez com o 4o. lugar (até porque, verdade seja dita: me considero mais filho de Erasmo do que de Roberto).

porém, entretanto, contudo & todavia, mesmo trocando um substantivo ou outro ao longo da letra, as rimas internas estão ali, o tamanho dos versos é o mesmo, talvez só um ou outro tempo verbal sejam diferentes, e o principal: a musicalidade transmite a mensagem original…definitivamente: Robertão leva o 5o lugar de melhor tradução do cancioneiro beatlemaníaco, até porque o 4o lugar é da Rita Lee!

EU TE AMO (Roberto Carlos)
1.
Foi tanto que eu te amei
e não sabia
que pouco a pouco
eu te perdia
[     Eu te amo!

2.
E aquele louco amor
inesquecível
tirar do coração
é impossível
[     Eu te amo!

r.
Te amei demais
Enlouqueci
Brigas banais
Te perdi

3.
O tempo já passou
e não consigo
calar meu coração
e às vezes digo
[     Eu te amo!


EU TE AMO (transcriação de r.l.almeida @846r3)
1.
Lhe dei o meu amor todo o que tinha
Te mostro o meu amor e me amaria
Eu te amo!

2.
É meu o que ela tem igual ninguém
O beijo que meu amor traz quando vêm
Eu te amo!

r.
Um amor igual
Não vai mais ter
Vamos ficar
Bem juntinhos

3.
Brilha a estrela no céu no escuro céu
Amor igual ao meu não morre mais
Eu te amo!


“I’ll be back”, lado B, faixa o6.

Aqui é mais uma das versões de Renato Barros, em uma pegada mais suave, plena para viver a  surf músic + tropicália + jovem guarda! É ouvindo uma versão dessas que a gente entende como um artista no quilate de Renato Barros pôde atravessar uma vida se apresentando ao vivo, nos palcos. Dá-lhe Renatão!

EU SEI (Renato Barros)
r1.
Eu sei que o teu amor por mim
Já está chegando ao fim
O amor que tem no teu coração
Não passa de ilusão

1.
Não vou mostrar
Que ainda te quero
Que ainda sou sincero
Oh, oh, oh, oh

r2.
Eu sei que tu vais se arrepender
De me abandonar
Então eu vou te fazer sofrer
Fingindo não te amar

2.
Ah! Depois eu vou te dizer
Que estava a fingir
Que não mais sofreras
E voltaras de novo a sorrir
oh, oh, oh, oh


TALVEZ VOLTAR DEPOIS (transcriação de rlalmeida @846r3)
1.
Já viu, magoou meu amor eu vou
Talvez voltar depois
Para ti eu já disse um outro adeus
Talvez voltar depois

r1.
Te amo muito
Sou eu que tanto te quer bem
Sim sou eu que tanto
Te quer bem, ah, o

2.
Existem um milhão de coisas mais legais
Do que magoar meu amor de novo
Vem que desta vez vou te mostrar
Como já te esqueci

r2.
Eu achava que ia imaginar
Que mesmo se fugisse de você
Você ainda ia me querer
Mas eu sei como te surpreender, ah, o

pílula um pouco mais demorada – quase supositório!

salve salve minha amolecida e aquarentenada blogue-esfera!
mais um episódio do Pílulas de Pérolas Literárias no ar. o motivo é uma prestação de contas,
sempre é bom se prestar contas, para ver o que já foi feito e planejar novos ares.
porque afinal de contas, de que somos feitos além de Poeira Estelar? um tantico de nada da mesma Poeira Estela, e só.

um fortíssimo abraço para cada um dos 20 países que já acessaram o conteúdo deste blogue, com 1746 consultas desde que foi colocado no ar. a segunda fornada de conteúdo entraria em janeiro deste 2020 suspenso na memória e na vontade, e estava nos planos publicar aqui uma última palavra sobre a bandinha dos irmãos Brittos, relatando // compilando as outras traduções para o português da terra do pau bräzylis que encontrei no meio do caminho, entre pedras, rolantes, e Seixas.
e, com esta palavra, o ponto final para mais um passo rumo ao início de um novo ciclo, uma nova temporada da fornada de traduzir. talvez uma tradução do David Byrne, ou Bowie.

rascunho para roteiro de tradução de discos

Ziggie toca viola, disse o seu Jorge num linke que chegou dias desses no ar, na nuvem, na uébi,
dum filme de 2004, que eu adoro e acho que todo mundo deveria ver,
eu mesmo já assisti a este mais de duas mil e quatro vezes! sério! e isto, antes de chegar a primeira onda da hecatombe cataclismática que se abateu sobre nós, em março deste 2020. o que é bom, porque consigo me lembrar de cada uma das 2004 vezes que vi o Steve Zisssou.

na minha tevê, o Zissou já reprisou mais do que As branquelas!


porque aqui é um sítio digital que abraça a Literatura, e dentre tantas milhares de coisas que pode ser a Literatura,
ela só acontece quando está acessível.
quando alguém encontra um texto, e depois outra pessoa o mesmo texto. e ele permanece ali, para quem quiser voltar e ler de novo.

só é Arte, se a gente volta de novo. se a gente quer e suporta e merece ver de novo.

eu, quando comecei a compilar estes artigos, pensei em criar um programa de rádio, uma áudio-descrição de capítulos dos grandes êxitos-catárticos em exercício de Litera-tortura,

grandes feitos da Literatura em português


grandes feitos da Literatura estrangeira

abaixo toda Dita-mole-meia-balbúrdia-com-bordinhas-de-cammermbert&leite condensado,
um programa de rádio mesmo, sabe?
aqui é o lugar em que armazeno (e mostro) o roteiro para um programa de rádio, cada episódio com 4 páginas, entre 1 ou vinte minutos de leitura,
recomendado 10cc a cada 28 dias, no máximo, durante 3 meses,

aqui.

porque se fosse texto, seria um
Manifesto Anti- Dantas
& / ou só mais uma
Mensagem.

longe te mim tentar ser um Rubem Fonseca, que é também toda uma Ilíada.

balbúrdia!

acho que já ficou claro para gente neste ponto da História:
ou cada um de nós aprende a fazer as coisas de que precisa, ou então é bom você ter um bom fornecedor do que você quer usar.
sem mais petróleo,
este é o ponto do home office,
dorme office,
calcanhar de Aquiles do empregado.

com a chegada da primeira onda,
ah!
a onda que bateu no mar,
eu suspendi a segunda temporada de conteúdos. porque ninguém sabia o que ia acontecer no dia seguinte, se teria um dia seguinte quando novamente nascesse o Sol. acho que foi a melhor coisa que fiz, porque agora me deu uma vontade louca de publicar apenas nos anos ímpares (sem iguais!), e com os anos pares, dedicar-me à roteirizar a próxima temporada.

não nos deixemos abalar por isto. pois, sendo Poeira Estelar, conhecemos também a mão da História. uma Revolução Francesa levou 10 anos para se concretizar, e o que são 13, ou 15, dezoito ou quinhentos e vinte e um anos?

está mais do que claro que agora é o tempo de redefinições, pois o sistema colapsou. o sistema a que eu e refiro é toda somatória de pessoas & meio em que vivem. pois o meio é a mensagem.

não acho que teria assistido a 2004 vezes qualquer filme nestes 10 meses e meio de pandemia, quanto mais me lembrar de cada sessão. simplesmente, porque não sobrou muita calma, para poder dar risada e ficar tranquilo.

para quem assistiu à temporada recente do programa do Bial, viu que ele revolucionou a televisão. o Bial é bom em revolucionar várias coisas, às vezes até mesmo o gênero em que trabalha. o gênero é o meio, e o meio é a mensagem. ele faz a gente dar mudo no som, entre os blocos do programa, para tentar digerir o que diabos ele acabou de exibir ali na nossa frente.

a televisão na minha época de moleque acontecia e se perdia para o cosmos – só o pessoal ali em Marte, no aglomerado de Andrômeda, ia conseguir ver de novo o que você acabou de ver. quando chegou o videotape, viramos deuses do controle do tempo – armazenar conteúdo!! a molecada de hoje já nasce com o replay do Globoplay nas mãos. não é preciso ir até Marte, Andrômeda ou o raio que o parta para assistir de novo: sua verdade já está aqui. inclusive, outra palavra do meu tempo: aglomerado: e era um adjetivo restrito às estrelas e outros corpos no Celeste.

lição número um para entrar no século XXI então é: se você ainda não viu, não tem como ser replay.
nem balbúrdia!

como aqui é um artigo uma crônica um blogue sem blague dedicado à Literatura, esta mãe&singular amante, tenho que confessar: um velho hábito de escritor era o de permanecer em um lugar, em um ambiente, e ali trabalhar as páginas. o ambiente externo sempre levou vantagem sobre o ambiente interno nessas horas, como se fossem dois irmãos, um necessariamente mais velho que o outro. porque é ali que fica&perambula&flana o ser-público. se tivesse sorte, era ali que estava o assunto. o James Baldwin é um dos que tem uma teoria interessante sobre o ser público e o ser privado, mas eu não vou me alongar aqui porque a pauta é crise sanitária: o como o ser humano ficou porco: o como uma das últimas coisas que unia as pessoas, o espaço público, de repente nos foi usurpado.
mais ou menos,
quer dizer,

– e se de repente a gente vem pela rua e vê uma aglomeração de pessoas?
– a resposta a isto é simples, Júlio: é só evitar a aglomeração, e
inclusive,
– a resposta isto é ainda mais simples&menos científica, Júlio, só para ver se você vai acreditar mais, Cé$ar: é só não causar a famigerada aglomeração, seu doente.
porco doente!

o modelo à distância não é para amadores, mas convenhamos que nesta hora saímos ganhando, porque o tal do Brëzyl não é nem nunca foi para amadores.

novo-mundo novilíngua

terra de degredados

&

desgraçados.
mas que conseguiram fazer brotar: tentaram nos enterrar,
a nós todos,
mas não sabiam que éramos sementes: )) lição número dois para adentrar o século Zero, ops, XXI ((

porque é este o lance da Poeira Estelar.
o lance é não esquecer que passado os tais um poucochito mais de 500 anos depois do acidente-Vera Cruz,
a Vera Cruz do meu Cinema tem só 71, mas já está morta,
nasceu bem mas foi vendida a interesses escusos&particulares,
viveu seus cinco aninhos e daí virou escombros,
ainda estão tentando nos enterrar. e o grande problema da situação de pandemic é ter nos arrastado a esquecer que somos sementes,
e da melhor qualidade! pedigree materno, paterno, bisavó&bisavô mapeados até a 13a. geração.

a nossa é a geração Quarenteener. o lance é ficar vivo ((e manda o link do segredo do seu João para ficar vivo até os 100) porque isto aqui é hipertexto).
eu vi o Gilberto Gil na minha frente.
e que mais, Jorge, e que mais Júlio?
eu já segurei bem perto de mim uma gatinha, nós dois, mar adentro.
eu tinha nove anos quando caiu o Muro em Berlim.

balbúrdia!

uma pena não ter nascido um pouquinho antes, pra me lembrar do dia exato do fim da Dita-Mole.
porque há que se amolecer sem se perder a amargura.

foi um ano tenso, minha bloguesfera. ao mesmo tempo assistimos à partida de tantas histórias particulares, e à chegada de, por exemplo, discos novos da Letrux e do Bob Dylan (pensa só em um casal perfeito, hein?). ficou difícil de se manter atualizado (cadê o filme dos Novos Mutantes?), mas se o tempo parou, então também cessaram as novidades. o melhor jeito foi se voltar aos materiais das antigas, que ainda não tinham sido devidamente acessados&digeridos.

devidamente, sem

balbúrdia no recinto!

sem ressentimentos, no recinto é mais fácil manter a ordem quando só tem uma pessoa.
às vezes nem assim, porque as pessoas são naturalmente porcas.
sem Orwell-ianismos pra querer explicar o que eu sinto pra cima de mim!

o Ócio contra o Tédio. sobre a Poeira Estelar, isso é conversa lá do Hawking. ou do Shakespirito,
não me alembro agora,
eu só tomei um termo emprestado dele (s) para ilustrar algum caminho para este texto, um começo ou fim. porque o meio é a mensagem. o uso do período da Ilustração ou Iluminismo não tem relação para com a Revolução Francesa.

às vezes eu penso que era mais fácil a gente ainda ter um rei. é um alguém pra se espelhar não é? uma pessoa notoriamente reconhecida como bem sucedida, vivia até seus 30 ou 40 (isso era sucesso!), e a gente tirava eles. às vezes,
queimados, que nem bruxas &
decapitados, que nem revolucionários.
porque estavam indo mal.

expectativa de vida média era de quarenta anos de idade naquela época, Quarenteeners,
e isso é sucesso, dê-se por feliz e paguem meus&mais impostos.

negar a evolução a partir de uma Revolução Francesa é negar toda e qualquer ciência.

ah, a mão da História, e a Onda-Novidade que se abateu no mar, mocho.

começa com uma piada de mal gosto, mau agouro,
zoando o relógio biológico
de todo mundo.

a tal da catarse.
e da neurastenia que afasta a catarse, um moto-contínuo de gozos-interruptus porque quebraram teu relógio interno.
quem quebrou teu relógio interno nunca levou nada dentro.

o João Gilberto no seu banquinho-violão partiu, junho de 2019, quando o mundo Era outro. mais ou menos como falam como o mundo Era outro antes da Segunda Grande Guerra, antes da queda do Muro de Berim, antes do Atentado às 2TorresGêmeasWTC. imagine-se no tempo, instantes antes de Graham Bell fazer funcionar o telefone! qual seria sua primeira ação?

pra geração Quarenteener, anti-geração Balbúrdia,
não é o Balboa!
balela!!
além de não poder esquecer o que é Poeira Estelar, não se pode esquecer de como o mundo virou outro depois do advento d’Internete. nessa quarentena (Eterna, internê@!, mas está passando!), acessei uma enormidade de material – filmes, livros, discos. o Teatro. gente, minha gente: a Ópera! organizei minhas compilações e as bibliotecas. mas sentar pra escrever mesmo…faltava aquele ambiente externo.
aquele contato com o público. para a arte acontecer.

dizendo em números, banquês de Uául Street,
vivendo de revisor de textos – graças a meu bom pai nunca fui dono de cnpj nem mei neste Brëzyl varonil – o tanto de encomendas neste ano não foi melhor nem pior que n’os outros,
foi igual,
exatamente o mesmo tanto,
eu mesmo li montes, montões, multidões & multitudes de Gigantes,
por encomenda.
foi a primeira vez que pude entregar um texto em áudio, e isso me impressionou!

) eu sempre escrevo que aqui deveria se chamar
Montando os lombos dos Gigantes (

escrevi pilhas e mais folhas de celulóide&terabytes de dados,
mas publicar – mesmo que seja aqui! – faltou.

dava um nó no estômago, por causa da confusão da vida moderna aqui fora.

o tanto de vezes que eu pude mostrar para os camaradas da proximidade algum texto em trabalho,
esse sim: zerou!
já pensou o que o Kerouac faria com esta bobina de papel que nunca chega ao seu fim, enquanto tiver energia elétrica?
ou o que fariam o Charles Bukowski, a Patti Smith, o Guimarães Rosa? junto de toda esta confusão acontecendo?
e por quê
que vou eu
querer colocar um texto no ar, nessa balbúrdia completa de Poeira Estelar que é a internê@?

o meio é a mensagem e, na internê@, o meio é etéreo&eterno.

ou nem?
seria este,
um blogue,
um respiro para aspirações, na feitura, na compostura, na tecitura, na tradussa, na
litera-tortura?

abaixo toda e qualquer Dita-Mole!
balela!

eu digo sim!!
balbúrdia!!!

é proibido proibir!
enriquecimento sem causa, Júlio, você já parou para ponderar isto?

talvez por pertencer à geração que cresceu com jogos eletrônicos na televisão principal da casa – na época, as famílias tinham apenas uma tela, e ficava na sala – fique mais fácil enxergar os ganhos das primeiras fases. a fase inicial da hecatombe cataclismática ensinou alguns truques muitos bons, para te levar vivo até o fim do jogo. horários alternativos do comércio e serviços, distanciamento de duas capivaras de distância entre as pessoas, e utilização de anteparos nas vias respiratórias veio deste primeiro momento. fases são cores: o arco-íris por completo&não aceite menos que isto!

vide bem, irmãos e irmãs, um jogo eletrônico não é a vida real. mas a versão eletrônica de uma mídia e a total fluência dela! não é este artigo que estou escrevendo o que me preocupa. deveria ser, mas ele já chegando ao fim. o próximo artigo, o que vem depois dele, e o outro, e o outro ainda, também já estão escritos. é sobre o que não escrevi ainda o que me preocupa.

eu li bem os mestres da nossa época: estes, que estão escrevendo ainda: estes, que sempre escreveram: outro dia o Mia Couto, miss Davis ali do Alabama, torna para o Antonio Cândido da louca e acinzentada Higienópolis, pula para um Noam Chomsky da ensolarada costa californiana, arremata com uma Chimamanda, uma pitada de Antônio Cícero & Carola Saavedra: literatura é uma culinária!

e também ajuda a pensar, a entender o que é que está acontecendo. a literatura, e agora podemos estender a outras manifestações artísticas & a outras nem tanto assim, foi muito beneficiada pelo advento da rede mundial de computadores, e é este o ponto que é crucial, Cruzes, Júlio, nesta virada do século XX para o XXI. porque todas as mídias achavam que iam ser assassinadas pela internet, mas ela matou apenas uma: o telefone. e através das linhas do telefone perambulava os primeiros pulsos da vida da internê@,
fase um: embrionária.

fase vermelha
cês tá pronto pro defcon 1,
sacou?


fase vermelha,
fodam-se este vermelhos,
balbúrdia!

fase verde!

é isso que tem que nos preocupar. para todas as outras preocupações, existem vacina, máscara, álcool 70%, distanciamento social. o nome desta sessão deveria se chamar “Go Quarenteeners, Go!”, vocês estão ganhando!, porra!, vocês sempre ganham!!

Disco XIII {(1970)} Let it be \\|// Deixa ser, deixe estar

salve salve, minha honrada & supimpíssima bloguesfera. no ar mais um artigo para homenagear os famigerados cavaleiros de Liverpool, com mais um disco da bandinha dos irmãos Britto.

na verdade, o derradeiro disco do quarteto fabuloso, LET IT BE. este disco deveria ter sido publicado aqui no blogue em Maio, dia 08, mas, numa mistura de ato falho e vontade premeditada, só acabou saindo hoje – sem nenhuma data especial referente ao quarteto, passando de raspão no aniversario de nascimento de John Lennon. este último disco encerra a série de artigos aqui no blogue dedicados a desmistificar o significados das letras das músicas, para os falantes de Português enquanto língua materna.

fiz essa confusão para publicar, mas tive uma grande ajuda do grupo: Let it be é o último lançamento em disco de longa duração, mas foi gravado antes do Abbey road (o 12o disco, lançado em Setembro de 1969). foi Paul McCartney quem teve a idéia de sair da inércia e, querendo voltar à vida, afastar a depressão, e quem sabe até mesmo encarar o público em shows ao vivo, propõe que a banda deveria se juntar para cunhar mais uma peça artística única na História. McCartney sentia que a banda tinha perdido sua coesão, nestes quase 4 anos sem tocarem juntos e ao vivo. seu desejo era o de juntar o mínimo essencial para fazer música, sem maquinaria pesada de estúdio – e isto é um grande reflexo da música como um todo, no final dos loucos anos 70.

o disco teve muitas e muitas horas de gravação de material bruto. ele começa com um nome diferente, Get back, e como um simples ensaio para, com canções inéditas, cair de novo na pista em apresentações ao vivo. para iniciar os trabalhos, a banda reúne-se primeiramente em um estúdio de televisão em Twickenham, entre 02 e 16 de Janeiro de 1969, porque a idéia era montar uma apresentação ao vivo – ninguém pensava em lançar um disco, ainda. o diretor Michael Lindsay-Hogg e sua equipe acompanhavam o que acontecia nos estúdios. o filme que surge tem 85 minutos de duração, e é famoso por mostrar o fim de uma banda, ao invés do nascimento de um disco: erros, conflitos e discussões, porque a banda estava desacostumada a agir em conjunto, e os meninos de Liverpool começaram a sentir a pressão com o compromisso assumido. depois de uma discussão nervosa entre George Harrison e Lennon, o guitarrista decide deixar a banda.

a decisão de Harrison dura uma semana. a banda acatou algumas de suas vontades para que ele retornasse – uma delas era deixar o estúdio de televisão em Twickenham e ir direto para os estúdios da Apple, onde poderiam plugar os instrumentos em gravadores de várias pistas e assim quem sabe…criar um novo disco! eles também deveriam deixar esse negócio de cair na estrada de lado, pelo menos por enquanto, até o momento em que conseguissem voltar a tocar em conjunto sem comprometer a performance de ninguém em cima do palco. essas sessões de dez dias na Apple foram produtivas: das 12 faixas, apenas duas foram gravadas em outros momentos. os números ficam um pouco mais interessantes, se olharmos para o material bruto que originou o disco: 55 horas de filme em 16mm, e 140 horas de som gravados, que atualmente estão rolando pelas mãos do diretor de cinema Peter Jackson. Jackson promete para breve um filme sobre essa epopéia, e talvez consiga dizer porque esse disco demorou tanto para ser editado, passando das mãos de um engenheiro de som para outro (Phil Spector é o cirugião que conseguiu encaixar as peças no quebra-cabeças, fazendo-o soar como o conhecemos). o cineasta garante que “assistir aos The Beatles trabalhando juntos, criando músicas clássicas a partir do zero, não é apenas fascinante – é engraçado, edificante e surpreendentemente íntimo”. porque nessas sessões no prédio da Apple, o grupo convive junto, e tocam centenas de canções no estúdio: os integrantes mostram suas composições próprias uns aos outros, músicas que acabarão nos discos de carreira solo; fazem covers de Bob Dylan, Consuelo Velásquez, Carl Perkins; o Abbey road mesmo, ele nasce ali, nas sessões de Let it be.

ainda pretendo alguns artigos sobre as outras vinte e uma versões em Português do Brëzyl do cancioneiro beatlemaníaco (com um total de 195 músicas), mas vamos parar de sofrer por antecipação, podemos?

e agora,

como dizemos por aqui,

 

deixe-me trazer para vocês o número muito nosso conhecido

 

 

doosssssss

 

 

irmããããos

 

 

BRIIIIIIIIIIIIIIIITTO!!!!

 

 

 

 

disco 13: Deixe ser, deixe estar
08 de Maio de 1970

13.A-01 DO15 D3 NÓ5 (transcriação de r.l.almeida @846r3, letras & música de John Lennon & Paul McCartney, direitos protegidos por Sony ATV Muzyc Inc)

[“Eu transo um pigmeu”, de Charles Hautrey e os Deaf Aids.
Fase um, na qual Doris formaliza suas juras]

Dois de nós             nenhum destino
Gastando todo           o salário de alguém
Você e eu               dirigindo domingo
Sem encontrar           nosso caminho de volta
[   De volta para casa
[   De volta para casa
[   Vamos para casa

Dois de nós             escrevendo cartas
Enviando postais        no meu quarto
Você mais eu            riscando fósforos
Levantando barras       no caminho de volta
[

r.
Você e eu, nossas lembranças
Bem mais velhas que a estrada sem fim

Dois de nós             à prova de chuvas
Devagarzinho            lá na Sol
Você mais eu            atrás de ervas
Nenhum destino          no caminho de volta
[

13.A-02 TR4N50 UM PÔN31 (transcriação de r.l.almeida @846r3, letras & música de John Lennon & Paul McCartney, direitos protegidos por Sony ATV Muzyc Inc)

Eu transo um pônei
Você pode celebrar tudo o que você quiser
Você vai celebrar o quanto você quiser

Eu sou barbeiro
Você pode penetrar aonde você estiver
Você vai penetrar aonde você estiver
Já te avisei

[   Meu tudo é você
[   Tudo vai acontecer como você querer
[   Porque…

Eu peguei um buldogue
Você vai irradiar tudo que você é
Você sabe irradiar tudo que você é

Agora

Eu enrolei um stoney
Você vai imitar todos que você quiser
Você pode imitar todos que você quiser

Empuxa o vento
Você sabe indicar o caminho que você quiser
Você pode indicar o caminho se você quiser

Agora

Eu sozinho no frio
Você vai sindicalizar o barco que remar
Você sabe sindicalizar em cada barco que remar

13.A-03 A CRU24R 0 UN1V3R50 (transcriação de r.l.almeida @846r3, letras & música de John Lennon & Paul McCartney, direitos protegidos por Sony ATV Muzyc Inc)

Palavras voam pelo salão           chuva infinita em papelão
Suave e selvagem seguem caminho    a cruzar o universo
A alegria e a culpa em ondas       vagueiam minha aberta mente
A me possuir                       e a acarinhar

[   Jai   Guru        Deva                    On
[   Nada vai    mudar      meu   mundo

Luzes piscam e dançam   para mim    igual a olhos em um milhão
Me chamam e chamam, cada um        a cruzar o universo
Serpenteia a mente  é o furioso vento          dentro de um caminhão
Pede carona e é cego,        quer seguir caminho     e vencer no universo

Sons de riso, tons da vida         enchem os meus sensíveis ouvidos
A me incitar                       e convidar
O infinito e imortal amor          são todos Sóis em um milhão
É o que me chama e chamam          a cruzar o universo

13.A-04 EU M1M M3U (transcriação de r.l.almeida @846r3, letras & música George Harrison, direitos protegidos por Harrisongs Infinite)

O dia inteiro                      Eu mim meu
Eu mim meu                         Eu mim meu
A noite inteira                    Eu mim meu
Eu mim meu                         Eu mim meu
Nenhum medo de parar               com isso
Todo mundo passa                   por isso
Cada vez mais                      o tempo inteiro
O dia inteiro                      Eu mim meu

[   Eu mim meu meu

Ouço só isso                       Eu mim meu
Eu mim meu                         Eu mim meu
Também no choro                    Eu mim meu
Eu mim meu                         Eu mim meu
Nenhum medo de mexer               com isso
Todos dizendo                      isso
Fluindo mais leve                  que o vinho
O dia inteiro                      Eu mim meu

13.A-05 54C4 3574 (transcriação de r.l.almeida @846r3, letras & música de John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr, direitos protegidos por Sony ATV Muzyc Inc)

Igual a     um    Rolling     stone
Igual ao FBI            e à CIA
Também à BBC            ao BBKing
E a Doris Day
Matt Busby
Saca esta, saca só

[Essa foi “Será que você vai sacar?”, do Georgie Wood.
E agora, ouviremos “Hark e a vinda dos querubins”]

13.A-06 D31X4 53R, D31X3 3574R (transcriação de r.l.almeida @846r3, letras & música de John Lennon & Paul McCartney, direitos protegidos por Sony ATV Muzyc Inc)

Quando me percebo                        em tempos tristes
Irmã Mary                                é quem me diz
palavras de quem sabe:                   Deixe estar!
Na hora em que bate                      a agonia
Ela é a única                            a ajudar.
É a voz da experiência:                  Deixe estar!

r.
[   Deixa ser, deixe estar
[   Deixa ser, deixe estar
[   É a voz da experiência, deixe estar!

Quando as pessoas                        deste mundo
começarem a                              se enxergar,
vai surgir uma chance,                   Deixa ser!
Mesmo os nossos                          que já se foram
a ajuda deles                            você vai ver
Vai surgir uma chance,                   Deixa ser!

r2.
[   Deixa ser, deixe estar
[   Deixa ser, deixe estar
[   Vai surgir uma chance, deixe estar!
[   Deixa ser, deixe estar
[   Deixa ser, deixe estar
[   É a voz da experiência, deixe estar!

Quando chega a tal                       da noite escura
Resta uma luz                            que me faz brilhar
Brilha noite adentro,                    Deixe estar!
Acordei com esse                         som de música
Irmã Mary                                é quem me diz
É a voz da experiência:                  Deixe estar!

13.A-07 M46613 M31 (transcriação de r.l.almeida @846r3, letras & música de John Lennon & Paul McCartney, direitos protegidos por Sony ATV Muzyc Inc)

A suja da Maggie Mae                     foi embora e abriu um berreiro
E ela nunca mais apareceu                aqui pelo Limoeiro
O juiz achou a culpada                   “Roubou porque estava esgotada”
Aquela suja assaltantezinha              da Maggie Mae
É nesta parte de Liverpool               que me trancafiaram
Dez libras por semana                    É assim que pago

13.B-01 3570U 53N71ND0 (transcriação de r.l.almeida @846r3, letras & música de John Lennon & Paul McCartney, direitos protegidos por Sony ATV Muzyc Inc)

Estou sentindo               algo dentro de mim
Ah, é!
Estou sentindo               não tenho mais como esconder
Oh, não!

Em mim acredite              é ruim perder o trem
Ah, é, só é!
Com você longe               isso não vai mais acontecer
Ah, não, Oh não, Ah não

Todo mundo já teve um ano ruim
Todo mundo já se divertiu o bastante
Todo mundo tem sonho erótico
Todo mundo já viu a Sol nascer
Ah, é! Ah, é! Ah, é sim!

Todo mundo já teve um ano bom
Todo mundo tem o cabelo pra baixo
Todo mundo sempre arranca as meias
Todo mundo tem o pé lá embaixo
Ah, é!

13.B-02 UM4 D3P015 D4 N0V3N74 3 N0V3 (transcriação de r.l.almeida @846r3, letras & música de John Lennon & Paul McCartney, direitos protegidos por Sony ATV Muzyc Inc)

Meu bem diz que só viaja naquela depois da Noventa e Nove
É pro meu bem vir junto, eu só ando nessa linha
Disse “se mexa!” uma, “se mexa!” duas
Meu amor não tem um coração de gelo
Eu sempre viajo em uma depois da Noventa e Nove

Rezei pra ela não partir, pedi isso ajoelhando
Você só me engana, você só engana a mim
Disse “se mexa!” uma, “se mexa!” duas
Meu amor não pode ser de gelo
Eu sempre viajo em uma depois da Noventa e Nove

[   Fiz minhas malas, corri pra estação
[   Me disse o bilheteiro, “essa não é a direção”
[   Desfiz minhas malas, corri pra o lar
[   Foi lá que eu descobri, ela pegou o meu irmão!

13.B-03 357R4D4 P3RD1D4 (transcriação de r.l.almeida @846r3, letras & música de John Lennon & Paul McCartney, direitos protegidos por Sony ATV Muzyc Inc)

A estrada nunca tem fim
Só dá voltas até sua casa
Ela nunca que vai sumir
Já a conheço de outras jornadas
Ela me traz sempre até aqui
A porta da sua casa

A noite uiva e briga
Vem a chuva e a leva embora
Encheu de lágrimas a piscina
Saudades daquele dia
Não me deixe aqui, menina
Mostre-me uma maneira

r.
[   Quantas vezes fiquei sozinho e quantas eu chorei
[   Mesmo assim não quer saber o quanto eu te tentei

E ainda sempre me perco
Pra voltar  à estrada sem fim
Você me deixou largado aqui
Há muito muito tempo atrás
E agora me traz sempre até aqui
A porta da sua casa

Ainda sempre me perco pra voltar
À estrada sem fim
Você me deixou no esquecimento
Há muito muito tempo atrás
E agora não me deixa mais
visitá-la nem ir à sua casa

13.B-04 P4R4 O T3U LUNDÚ (transcriação de r.l.almeida @846r3, letras & música de George Harrison, direitos protegidos por Harrisong Infinite)

Porque és gentil e meiga
Te amo
Porque és gentil e meiga, gata, é sim,
Te amo mais que nunca, garota, te amo

Te quero de manhã, gata
Te amo
Te quero em cada instante que estou só
Vivo cada instante, garota, pra ti

Desde o instante em que te vi
Te amei
Só o que você fez foi olhar para mim
Te amo agora, será que você também?

13.B-05 T3 L3V3 (transcriação de r.l.almeida @846r3, letras & música de John Lennon & Paul McCartney, direitos protegidos por Sony ATV Muzyc Inc)

Jojo era um cara        que achava que era
mas no fundo            não era não
Jojo saiu de casa       foi pra Califórnia
Foi pra                 plantar camarão

De leve           Te leve
De leve pra não insultar aos irmãos

Doce Lorena Martinica        nas cuíca
Lorennão era                 mulher
Juram que a viram            usando cinta-liga
Vai levar                    até quando der